Regina King rompe barreira e estreia na direção com aceno ao Black Lives Matter

Poucos dias depois de Veneza se tornar o primeiro grande festival de cinema presencial da era Covid-19, Toronto inaugurou sua 45ª edição, nesta quinta (10), com mais adaptações que seu colega italiano. No evento canadense, as sessões e programações paralelas acontecem de forma híbrida —algumas são presenciais, em cinemas, drive-ins ou espaços abertos, enquanto outras recorrem à internet.

Foi virtualmente, em coletiva para a imprensa nesta sexta (11), que Regina King falou sobre os ineditismos que cercam sua estreia na direção de um longa, “One Night in Miami”, exibido em Toronto e também em Veneza. Com ele, a atriz-cineasta se tornou a primeira diretora negra a apresentar um filme no festival italiano.

Outra possível primeira vez que ronda o filme tem relação com suas expectativas para o Oscar do ano que vem. Bem recebido pela crítica, “One Night in Miami” tem gerado burburinho nos dois festivais, este ano marcados pela ausência de grandes apostas para a estatueta mais cobiçada de Hollywood. Se ele chegar até lá, King pode se tornar a primeira mulher negra a aparecer na categoria de melhor direção.

“Eu estou tentando entender como expressar minha emoção em relação a isso, porque é surpreendente o fato de, em 2020, isso ser uma primeira vez, em um festival que acontece há 80 anos”, diz ela sobre sua participação em Veneza. “Eu entendo a responsabilidade, mas há frustração que vem junto —e também reconheço que há muita pressão.”

“One Night in Miami”, ainda sem título em português, é baseado na peça homônima escrita por Kemp Powers, que também roteirizou a adaptação. A trama ficcionaliza um encontro entre quatro ícones negros dos Estados Unidos, em que eles discutem sua participação no movimento pelos direitos civis dos anos 1960.

São eles o ativista Malcolm X, o jogador de futebol americano Jim Brown, o músico Sam Cooke e o boxeador Cassius Clay, mais tarde rebatizado de Muhammad Ali. Eles são interpretados por Kingsley Ben-Adir, Aldis Hodge, Leslie Odom Jr. e Eli Goree, nesta ordem, atores que também receberam elogios pelo trabalho.

“Quando eu li o texto eu não podia acreditar que aquilo era um peça, porque não se parece com uma. E eu estava lendo e pensei que eu nunca tinha visto conversas como aquelas na tela. Eu sentia que, na verdade, estava ouvindo aquelas conversas, de homens negros falando sobre a experiência de ser um homem negro. E isso casou com a busca por um projeto para a minha estreia na direção”, diz King.

Ela viu sua carreira deslanchar com o Oscar do ano passado, quando embolsou a estatueta de melhor atriz coadjuvante por “Se a Rua Beale Falasse”, também exibido em Toronto. No próximo dia 20, ela é uma das favoritas para levar para casa o Emmy de atriz em minissérie, graças à elogiada “Watchmen”, da HBO.

Em “One Night in Miami”, os quatro protagonistas se reúnem para celebrar a vitória de Cassius Clay sobre Sonny Liston, numa histórica luta em 1964 que rendeu ao primeiro boxeador o título de campeão mundial.

Ao longo da noite, os amigos discutem a conversão de Clay para o islamismo, o início da carreira de ator de Jim Brown e a relação de Sam Cooke com seu público branco, motivo de desentendimento entre ele e Malcolm X.

Apesar de trabalharem com figuras tão fortes e icônicas, King destaca que a ideia nunca foi torná-las seres inalcançáveis, mas mostrar a face mais humana desses homens.

“Eu precisava saber que eu tinha comigo ótimos atores que entendiam a magnitude de quem eles iam interpretar”, explica a diretora. “Eles entendiam isso e, como atores, sabiam que não queríamos fazer imitações, que nós queríamos mostrar seres humanos reais, em um espaço em que ninguém nunca os viu”, diz sobre a intimidade do quarto de hotel onde a maior parte do filme se passa.

Durante a coletiva, King e seu elenco falaram também sobre a urgência de lançarem o longa próximo aos protestos do Black Lives Matter, que tomaram o mundo há poucos meses.

Por causa da pandemia, eles cogitaram a possibilidade de atrasar a estreia de “One Night in Miami”, já que não sabiam se haveria clima para o lançamento do filme em meio à Covid-19. Mas, com os assassinatos de George Floyd, Breonna Taylor e Ahmaud Arbery, eles perceberam que aquele era um filme que precisava ser lançado agora, nas palavras de sua diretora. E, assim, o título chega, agora, a Toronto.

“Toronto é o meu festival de cinema favorito. Mas é um sabor agridoce participar dele, porque você não pode estar lá presencialmente, todos juntos. Essa seria nossa estreia na América do Norte e nossa oportunidade de compartilhar isso em nosso solo. Não é como se isso não estivesse acontecendo, mas fico triste pela situação.”

A estreia de “One Night in Miami” para o público no Festival de Toronto aconteceu também nesta sexta, e mais sessões estão programadas. No Brasil, o longa ainda não tem previsão de lançamento.

+ sobre o tema

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

Entristecemos

A recessão nos tirou festa e regalos e nos...

para lembrar

O arrastão de racismo no jornalismo online de A Gazeta

Nenhuma loja depredada no Shoping Vitória. Nenhum registro...

OAB: Estado deve ser punido por mortes em presídios

Diante da situação no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no...

Herança oligárquica e higienização social fundamentam os ‘justiceiros’

    Em 'Justiceiros' e a Violência Urbana", José Fernando...
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

Festival Visões Periféricas anuncia filmes selecionados 

O FESTIVAL VISÕES PERIFÉRICAS confirma a realização da 17ª edição, de 20 a 26 de março, com formato presencial e online e gratuito para todo o Brasil,...
-+=