Rio dos Macacos apresentará denúncias à Comissão da Câmara

 

Quilombolas do Rio dos Macacos se reunirão com representantes da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal ainda nesta semana. Na ocasião, falarão sobre o episódio desta segunda-feira (28), quando 60 fuzileiros da Marinha coagiram a comunidade.

Os oficiais montaram acampamento no local, que fica Simões Filho, cidade próxima a Salvador. De acordo com lideranças quilombolas, a Marinha informou que a entrada foi motivada pela reconstrução de uma das casas da comunidade, destruída pelas chuvas que atingiram a região nos últimos dias.

Elias Sampaio, Secretário de Promoção e Igualdade Racial na Bahia, e defensores públicos participaram das negociações. Ativistas de movimentos negro e de defesa dos direitos humanos também se moveram até o Quilombo Rio dos Macacos. Após pressão popular e acordo com o poder público, os militares deixaram o território por volta das 21h.

Maurício Correia, da Associação dos Advogados dos Trabalhadores Rurais da Bahia (AATR), conta que os oficiais da Base Naval de Aratu “sitiaram o local”, usando de violência contra a comunidade. Ele e outras pessoas solidárias ao quilombo tiveram que fazer um caminho seis quilômetros mais distante porque foram impedidos passar pela vila da Marinha.

Quando chegaram, encontraram crianças e idosos assustados com a presença armada dos militares. Em nota, a Marinha destacou que pretende construir novas instalações no local. No entanto, Maurício lembra que os direitos quilombolas estão assegurados na Constituição e no Decreto 4887, de 2003. Ele ressalta que a situação desse quilombo baiano não é isolada, criticando o governo de Dilma Rousseff por não ter demarcado terras quilombolas desde que assumiu o poder.

O advogado explica que a opressão contra o Quilombo Rio dos Macacos aumentou quando o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) iniciou os estudos para titulação da área como território remanescente de escravos. Um pedido de despejo foi feito pela Marinha e a decisão foi acatada por uma liminar decretada pela 10ª Vara Federal na Bahia. Desde então, a comunidade tem se mobilizado para permanecer no local. (pulsar)

 

 

 

 

Fonte: Brasil.Agência Pulsar

+ sobre o tema

A economia dos quilombos

Trocas de excedentes agrícolas com o entorno ainda sobrevivem...

Egoísmo poderia ter extinto seres humanos, diz pesquisa

  por Melissa Hogenboom, A evolução não favorece às...

para lembrar

Jesús Chucho Garcia – Las masacres contra afrodencendientes

El holocausto mas grande la historia de la humanidad,...

Borba Gato deve cair

Por quais estátuas os sinos do nosso luto dobram,...

Luiz Melodia morre aos 66 anos, em decorrência de câncer de medula

O cantor, compositor e músico carioca Luiz Carlos dos...

Mart’nália

Martnália Mendonça Ferreira, conhecida como Mart'nália (Rio de janeiro,...
spot_imgspot_img

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=