São 16 dias de Ativismo? Nenhuma mulher negra e nem o recorte racial

Não poderia deixar de falar das minhas caminhadas nas estradas da internet, neste 16 dias de ativismo pelo combate à violência contra as mulheres em 2021.

Em cada parada uma ressalva. O que Eu observei que existe em comum além da agenda pelo fim da violência contra as mulheres?

– Atividades com ampla maioria de mulheres brancas para mulheres brancas. Uma ou outra com que adoram denominar, “recorte racial”.

Em uma destas paradas entro na casa da BBC, e vejo que o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, apresentou uma “versão brasileira” da campanha de combate à violência contra as mulheres. Fez questão de enfatizar que o objetivo da sua campanha é “conscientizar a sociedade de que a violência contra a mulher é um problema de todos. As denúncias de violência contra a mulher podem ser feitas por qualquer pessoa, até mesmo de forma anônima, por meio do serviço Ligue 180”. Basta ligar.

Fácil assim? É fácil? As dificuldades são de responsabilidades das vítimas que são mulheres?

Continuando meu caminho, parando em vários endereços, chamou minha atenção a Casa das Nações Unidas. Nesta casa escutei informações das ações desenvolvidas pela ONU MULHERES. Soube do lançamento da Campanha “Pinte o mundo de laranja: fim da violência contra as mulheres, agora!”. Uma campanha internacional contra a violência de gênero para marcar o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres.

Falaram que durante a pandemia, os números de violência doméstica dispararam no mundo. Que um novo relatório da ONU Mulheres mostra que 2 em cada 3 mulheres relataram sofrer ou conhecer alguém que sofre algum tipo de violência e que apenas 10% denunciaram as agressões. Relataram várias iniciativas.

Continuei meu caminho e parei na Casa Congresso Nacional. Nesta acontecia uma Seção Solene para comemorar o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. Falaram das boas práticas no enfrentamento à violências contra as mulheres.

Pera ai. Até que enfim encontrei uma Casa com agenda que identifica as mulheres negras e traduz nas falas a realidade da sociedade brasileira? É isto mesmo?

É sim minha genteeee!

Estas mulheres senadoras, deputadas e representantes de várias instituições na seção solene estão afirmando que as leis para combater a violência contra a mulher têm avançado, mas ainda não chegam às mulheres negras e periféricas.

Confirmam que foi aprovado recentemente pelo Senado a proposta que destina pelo menos 5% dos recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública para o combate à violência contra a mulher e citam as Leis aprovadas neste ano pelos parlamentares e as consideram um avanço.

Entre as Leis, elas citam a que tipifica o crime de perseguição, prática também conhecida como stalking (Lei 14.132/21); a que determina que a prevenção da violência contra a mulher seja incluída nos currículos da educação básica (Lei 14.164/21); a que insere no Código Penal o crime de violência psicológica contra a mulher e cria o Programa Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica (Lei 14.188/21); e a que visa combater a violência política contra a mulher (Lei 14.192/91). Afirmaram a importância da instrumentalização dos Órgãos e parceiros. Consideraram essencial a implantação de órgão e redes de defesa e proteção da mulher nas Câmara de Vereadores, além do fortalecimento das delegacias especializadas, entre outros órgãos.

A advogada Josefina Serra dos Santos, diretora da Comissão de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do DF, presente nesta Seção afirma que: “As mulheres periféricas e negras não têm acesso aos direitos garantidos em lei e sofrem violência inclusive de outras mulheres nas casas, nos hospitais, nas escolas, em delegacias e no Poder Judiciário.

“A maioria das vezes, elas não têm nem acesso às tecnologias, porque antes da tecnologia, elas têm que comprar um prato de comida pro seu filho. E quando elas vão procurar os aparelhos do Estado, elas são humilhadas”, lamentou.

A vice-presidente do Instituto Maria da Penha, Regina Barbosa afirma que as violações das mulheres no Brasil, conforme ela, são naturalizadas e incluem importunação sexual, estupro de vulnerável, violação dos direitos no ambiente de trabalho, objetificação dos corpos femininos, racismo estrutural, violência nas redes sociais, violência obstétrica e assassinatos de mulheres parlamentares.

Mas é isto mesmo minha genteeeee. Nem todas as mulheres tem aceso iguais as políticas e programas de gestões públicas no Brasil.

Neste período de pandemia com as altas taxas de desemprego, subemprego, onde a fome e a pobreza só crescem, as mulheres negras que já eram afetadas pelas desigualdades, são a ampla maioria das que estão dentro do foço de todas as desigualdades e muito expostas as variantes formas de violências..

E não é vitimização não! É a realidade de nossa sociedade que é extremamente desumana com as mulheres negras.

As agendas globais devem considerar o racismo existente, entender que é fundamental nas pautas igualitárias o reconhecimento que o acesso aos direitos e mecanismos que afirmam ser de oportunidades não chegam nas mulheres negras com a mesma proporção e trato.

Em todas as Casas que entrei, neste caminho percorrido, somente vi fotos de mulheres brancas pendurado nas paredes.

Vc acha isto certo?

  • Porque não tem fotos de mulheres negras?
  • Porque a exclusão permanente da agenda e imagem das mulheres negras na pauta de combate a violência contra as mulheres?

É preciso aceitar que a invisibilidade contribui com as diversas formas violações sustentadas em sua maioria pelo Estado que deveria dar proteção igualitária.

Em 2016, foi lançado para toda a sociedade brasileira o Dossiê “A situação dos direitos humanos das mulheres negras no Brasil: violências e violações”, produzido pela Geledés e a Criola, duas organizações nacional de mulheres negras e com reconhecimento internacional.

Este dossiê já constava as diferentes formas de violações de direitos humanos de mulheres negras brasileiras.

Foi inclusive apresentado na 157ª sessão da Comissão da OEA – Organização dos Estados Americanos.

O Dossie afirma que “apesar de o Brasil ter se empenhado nas últimas décadas em ações de diminuição das desigualdades sociais e de enfrentamento da violência contra a mulher, elas não impediram o aumento de 54.2% dos assassinatos de mulheres negras , o aumento do encarceramento feminino e a continuidade das violações de direitos das mulheres negras. Que a violência é um fenômeno complexo e, nas sociedades afetadas pelo racismo patriarcal heteronormativo, atinge de maneira desproporcional às populações de pele escura, com forte marca do sexismo e das fobias LGBT”.

O QUE É 16 E 21 DIAS DE ATIVISMO

16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero é uma campanha internacional de combate à violência contra mulheres e meninas. Começa no dia 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

No Brasil, a mobilização deveria abranger o período de 20 de novembro Dia Nacional da Consciência Negra a 10 de dezembro.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Filosofia da Lata Vazia – O Peso de Todas as Coisas

Olhe para dentro de você. Não acredite em qualquer coisa...

Oxfam Brasil contrata Assistente Executivo(a)

Oxfam Brasil contrata Assistente Executivo(a) para dar apoio à...

para lembrar

A Capoeira e o Sagrado Afro-Brasileiro: Uma luta contra a intolerância racista histórica

“Batuque da Liberdade”¹ Ecoa o gingado, pulso ancestral, Tambores trovejam, clamando...

Quem conta um conto, aumenta um ponto: a trajetória da luxuosa senhora baiana Rita Gomes da Silva

Em meados do século XVIII, uma mulher negra escandalizou...

Negros e ricos?

Eu sou rycaaa!?? Então, depende neh mores?! Brincadeiras a parte, há...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...

As mulheres e a choupana

Para que você entenda a história, peço para que deixe o máximo que possas fora da roda. Se possível traga a alma da criança curiosa,...

Salvem suas lives!

Você já parou para pensar em quantas lives assistiu nos últimos 4 meses? Principalmente entre março e abril o crescimento de uso das lives...
-+=