Site prega violência contra as mulheres e incentiva estupro

Polícia e Ministério Público investigam o caso; análise preliminar aponta ‘incitação ao crime’

A internet é espaço para todo tipo de debate. Mas nesse universo da liberdade de expressão também há crimes e cultos de todos os tipos. É o caso de um site intitulado “Tio Astolfo”, que usa a rede mundial de computadores para propagar a “filosofia do estupro”, com um guia de como violentar sexualmente uma mulher na escola, na universidade, na balada. Além disso, no endereço há postagens que incitam o ódio, a pedofilia e outros tipos de violência contra a mulher.

Escondido pelo anonimato, o autor, em primeira análise de delegados e especialistas, infringe a lei ao incitar o crime, delito previsto no Código Penal, porém, considerado de menor potencial ofensivo, com pena de três a seis meses de detenção. A Polícia Civil de Minas e do Mato Grosso iniciaram investigação preliminar do caso, assim como a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público de São Paulo. 

Uma análise mais completa do conteúdo, explicam as autoridades, pode revelar outros crimes, como racismo e homofobia. “É possível ver que ele comete crime ao incitar o estupro. Mas outros crimes podem surgir. Vale ainda verificar se o autor já praticou o estupro, como ele ensina”, explicou o delegado Felipe Sales, da Divisão Especializada de Crimes Cibernéticos de Belo Horizonte.

site 1

Tópicos. O blog “Tio Astolfo” foi criado no ano passado e traz, entre suas últimas postagens, o tutorial “Como estuprar uma mulher na escola: Um guia passo-a-passo para o menor”. “Esqueçam todo aquele besteirol que vocês aprenderam das bichas e dos esquerdistas sobre igualdade e feminismo. Demonstrar virilidade significa demonstrar força e poder, atitudes estas que você demonstra subjugando a mulher, um sexo frágil, inferior e fútil”, diz trecho do texto. Essa e outras publicações orientam o agressor a observar o dia a dia da mulher e usar uma faca para praticar o crime.

site3

Apesar da violência, há entre os comentários de repúdio, elogios ao guia: “Obrigada Astolfo, vo fazer isso msm (sic)” e “Mais um Ótimo post”. O “Tio Astolfo” traz ainda conteúdos com os títulos “Estuprar lésbicas é uma questão de honra, glória e bem estar social”, “Mulheres adoram marginais e vagabundos” e “Enquanto o ‘pedófilo’ ama a criança, a mulher aborta e mata”. 

Diante da repercussão negativa, o autor publicou um post ontem dizendo que não vai parar e se identificando como um morador de Várzea Grande, no Mato Grosso. “Como eu sou gordo, homem e estou fora do padrão estético, estou sendo discriminado”. 

site4

O delegado Felipe Sales afirma que muitas pessoas cometem abusos na rede por causa da legislação branda. “Um delito desse porte (incitar o crime), fazendo referência a menores de idade, não deveria ter pena tão branda. Mas nosso Código Penal é antigo”.

Investigações

Suspeitas. De acordo com o jornal “O Estado de S. Paulo”, a ouvidoria da Universidade de São Paulo (Unesp) abriu processo interno para averiguar o site, que teria sido criado por um aluno ou funcionário. 

Investigação. A Divisão Especializada de Crimes Cibernéticos de BH prometeu entrar em contato com a Polícia Civil do Mato Grosso. A corporação daquele Estado informou que está fazendo as apurações preliminares. A Polícia Federal em Minas foi procurada, mas não retornou.

Denúncia

Canal. Denúncias podem ser feitas à Polícia Federal pelo www.denuncia.pf.gov.br/ ou pelo [email protected]. Há ainda o Disque-Denúncia, no número 181. Não é preciso se identificar.

 

+ sobre o tema

Caso Pâmela retrata a impunidade dos crimes contra as mulheres

Jovem, queimada pelo ex-namorado, morreu em junho vítima das...

1º Curso de formação Promotoras Legais Populares em Francisco Morato

Geledés - Instituto Da Mulher Negra, em parceria com...

Na Rio+20, governo brasileiro e ONU Mulheres firmam cooperação Sul-Sul em igualdade de gênero

Serão investidos três milhões de dólares, doados pelo governo...

para lembrar

Um desabafo sobre a série ‘Chewing Gum’ ou porque Tracey é uma personagem fantástica

O dramaturgo francês Georges Feydeau certa ocasião recomendou que...

Como o movimento de mulheres no Brasil contribuiu para construção do SUS

Criado pela Constituição de 1988 após anos de luta...

Há 20 anos, nenhuma mulher negra ganha Oscar de Melhor Atriz

Estamos perto do Oscar 2022 e, mesmo depois de...

Negra sou! A construção identitária de mulheres negras universitárias

Hoje dia 8 de março, dia da mulher, faço...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=