Integrare por Sueli Carneiro

Organizado pelo Congressional Black Caucus Foundation (CBCF), Brazil-US Business Council, Câmara Americana de Comércio (AmCham-SP), com apoio do US-Commercial Service e do Integrare (Centro de Integração de Negócios), ocorreu nos dias 13, 14 e 15 de abril, em São Paulo, o encontro ‘‘Afro Brazilian-African American Business Summit”, que teve como tema Provendo Caminhos para a Inclusão Social e Econômica.  A missão americana, liderada pelo congressista William J. Jefferson, foi composta por sete parlamentares, empresários, economistas e especialistas ligados ao tema da inclusão socioeconômica dos afrodescendentes dos EUA. Várias dezenas de empresários e líderes sociais afro-brasileiros, assim como representantes de corporações e instituições brasileiras de vários estados participaram das atividades do encontro.

Por Sueli Carneiro

Esse seminário, que incluiu uma série de conferências e debates, assim como uma bem-sucedida ‘‘rodada de negócios”, foi a continuidade de uma agenda de aproximação de afro-brasileiros e afro-americanos com vistas ao apoio mútuo, troca de experiências e identificação de oportunidades de negócios através de parcerias. Um evento que responde às expectativas de décadas do empresariado afro-brasileiro que aguardava por parcerias estratégicas com a comunidade político-empresarial afro-americana.

Os anos de espera se mostraram, na realidade, o tempo necessário para que condições políticas, econômicas e institucionais fossem criadas de forma a permitir que agora passos concretos iniciem uma jornada na direção da integração dessas duas comunidades.

 

Isso se torna tão mais relevante quando considerado que a lógica das elites brasileiras, inspirada por idéias preconceituosas, despreza o potencial econômico e consumidor de uma comunidade afro-brasileira estimada em 76 milhões de pessoas. Conforme percebido com grande sensibilidade pela consultora do Banco Mundial Jeanette Sutherland, no estudo Afrodescendentes, Discriminação e Exclusão Econômica na América Latina, ‘‘as escolhas feitas pela elite dirigente brasileira em busca do desenvolvimento capitalista e da inclusão na economia mundial foram feitas às expensas da maioria da população, em particular dos afro-brasileiros…”

O mundo corporativo brasileiro, assim como nos EUA, está se organizando para o novo momento e tendências do mercado. O Integrare é uma organização brasileira que, adaptando o modelo da ONG americana National Minority Supplier Development Council às condições locais, reúne grandes e médias corporações nacionais e multinacionais interessadas em praticar compras competitivas com benefícios para a inclusão socioeconômica e, assim, promover o empreendedorismo, o desenvolvimento empresarial, a inclusão nos negócios e a auto-sustentabilidade econômica entre grupos sociais historicamente desprivilegiados pelos preconceitos. Infelizmente, o setor público brasileiro ainda não atentou aos bons exemplos, no particular, do setor público americano, que fortemente exercita e sinaliza à sociedade sobre a importância das políticas de ações afirmativas também nas licitações e compras públicas e privadas.

Nas avaliação empreendida nesse seminário sobre as oportunidades econômicas e desafios para as populações afrodescendentes do Brasil e EUA, estima-se em US$ 700 bilhões o conteúdo econômico representado pela junção de afro-brasileiros e afro-americanos, algo próximo de um terço do PIB europeu. Somente o crescente baying power afro-americano atualmente equivale ao PIB brasileiro. Do lado dos afro-brasileiros, o maior ativo econômico disponível está numa massa demográfica de 76 milhões de pessoas que anseiam por empregos e propostas de geração de renda que lhes permitam realizar sua plena cidadania e suas potencialidades de consumidor e empresários.

Condições históricas e culturais compartilhadas por essas duas comunidades alicerçam essa visão. O processo de regionalização dos mercados oferecem novas condições econômicas que permitem sonhar com a perspectiva, agora bastante realista, de constituição de uma aliança econômica estratégica afro-americana que possa inserir nossos povos no mapa econômico globalizado e conduzir as nossas comunidades a um ciclo virtuoso de desenvolvimento.

A importância regional de Brasil e EUA tornam as comunidades afros desses países lideranças estratégicas também para os povos afro-latino-americanos e caribenhos, abrindo assim novas possibilidades econômicas para o conjunto dos 150 milhões de afro-latino-americanos.

As condições provocadas pela globalização e pelo ativismo dos afrodescendentes espalhados pelo mundo vêm criando um ambiente favorável para a integração sociopolítico-econômica da diáspora africana. É chegada a hora dos nossos homens e mulheres de negócios fazerem a sua parte.

+ sobre o tema

Anistia já! por Sueli Carneiro

Perdi o bonde das malas milionárias, dos cuecões de...

Hum…hum! por Sueli Carneiro

A última pesquisa do MEC sobre desigualdades raciais na...

O terror e os direitos humanos

A Alta Comissionada para os Direitos Humanos das Nações...

Tsunami, por Sueli Carneiro

Muito se tem indagado sobre a tragédia provocada pelo...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Racismo institucional e ensino da cultura africana são debatidos entre governo e movimento negro

 A presidenta Dilma Rousseff recebeu nesta sexta-feira (19),...

De novo a raça, por Sueli Carneiro

Fonte: Jornal Correio Braziliense- Coluna Opinião Os novos resultados obtidos...

Igreja continuará satanizando direitos das mulheres? por Fátima Oliveira

O papa Francisco, num mesmo dia, 20 de setembro,...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=