Sobrecarga pode fazer com que mães solo enfrentem transtornos de saúde mental

Mulheres relatam dificuldades para criar filhos sozinhas e lidar com ansiedade, depressão e estresse

“Eu sentia muita taquicardia e tinha medo de tudo. Me vinham aquelas crises e eu não conseguia entender o que era. Naquela época, saúde mental não era um assunto tão discutido como hoje”, diz a manicure e motorista de aplicativo Ione Lais de Almeida, 41. Ela recebeu o diagnóstico de síndrome do pânico em 2021, 15 anos depois do nascimento da segunda filha, hoje com 17 anos. Desde então, cria os três filhos sozinha.

No Brasil, cerca de 11,3 milhões de mulheres são mães solo, segundo estudo da FGV (Fundação Getulio Vargas). Assim como Ione, outras também sofrem impactos da sobrecarga de tarefas e de responsabilidades.

A falta de suporte na maternidade também afetou a saúde mental da engenheira química Fabiana Morais, 31. Moradora de Barueri, na Grande São Paulo, ela conta que passou a entender melhor o que sentia anos depois, quando começou a fazer terapia.

Ansiedade, raiva, tristeza. Todos os sentimentos vinham misturados e não conseguia perceber cada um deles separadamente. Eu sentia tudo junto, me cobrava muito para ser melhor como mãe, mas vivia com uma angústia enorme. Era tipo nadar, nadar, nadar e morrer na praia”, diz a engenheira, mãe de Lucas, 11.

Para ela, toda sua dedicação era em vão. “Parecia que, por mais que eu me esforçasse, não era reconhecida. Me dava uma tristeza ver o pai do meu filho ganhar vários elogios de pai perfeito. Eu, que lutava todos os dias, era somente julgada”, completa.

Para Marina Cohen, do Hospital Israelita Albert Einstein a sobrecarga que pode surgir da maternidade solo é um fator importante a ser considerado nos atendimentos psicoterapêuticos. “Os transtornos mentais são sempre multifatoriais. Então, é sempre ideal ter um olhar transversal para a saúde mental. Não é apenas a maternidade solo, mas uma soma de fatores e condições”, afirma.

Segundo a assistente social Aline Cordeiro Moreira, que atua nas unidades do Caps (Centro de Atenção Psicossocial) administradas pelo Hospital Israelita Albert, essa sensação de sobrecarga é relatada com frequência por mães que buscam assistência na rede pública de saúde. “Costumo dizer nos atendimentos que nós não somos guerreiras, mas mulheres sobrecarregadas do cuidado. Sempre falo com essas mulheres sobre o quanto essa sociedade vai colocando a gente nessa condição de sobrecarga.”

Ela comenta que a mulher é condicionada a essa situação de ser responsável pelo cuidado. “Aprende a brincar de boneca, a arrumar a casa, a brincar de fazer a comidinha, a lavar a louça. Então, desde a infância, nós somos treinadas dentro dessa sociedade patriarcal, e isso vem causando uma sobrecarga”, explica a assistente social.

A IMPORTÂNCIA DA REDE DE APOIO

Para Cohen, a principal medida que protege as mães solo dos transtornos de saúde mental é a construção de uma rede de apoio. Formada por um conjunto de laços e vínculos com pessoas e/ou instituições, essa rede pode ser importante quando surgem desafios logísticos, psicológicos e financeiros.

Freepik

No entanto, para muitas mães, criar uma rede de apoio depende de muito esforço, já que nem sempre há apoio familiar e a figura do parceiro é, muitas vezes, ausente. “As pessoas não se envolvem para ajudar, mas para condenar. Eu acho que a sociedade acaba julgando muito uma mãe solteira. Eu tive apoio das pessoas em volta que não eram da família, mas se sensibilizavam e ajudavam”, conta a manicure Ione.

Buscar uma rede fora do círculo familiar, como fez a manicure, é uma alternativa sugerida por Cohen. A especialista afirma que estimular a criação de grupos de apoio deve ser uma prioridade nas unidades de saúde.

“Esses grupos são um dispositivo muito usado nos serviços de saúde pública para promover esse espaço de troca de experiências e de construção de rede. Esse espaço comunitário é importante porque ali dentro dessa rede, que envolve a escola, os espaços de convivência, as pessoas da comunidade, surgem laços comunitários que ajudam as mães a superarem os desafios logísticos da maternidade solo”, afirma a psicóloga.

“Muitas vezes, a primeira coisa que ocorre é que essa mãe se isola, tanto por estigma quanto porque ela vai perdendo esses vínculos comunitários. É realmente essencial ela ter alguma sensação de pertencimento”, completa.

iStock

AUMENTA O NÚMERO DE LARES CHEFIADOS POR MÃES SOLO

Um estudo elaborado pela FGV revelou que, entre os anos de 2012 e 2022, o número de domicílios com mães solo cresceu quase 18% no Brasil, passando de 9,6 milhões para 11,3 milhões. O trabalho considera os domicílios chefiados por mães solo como aqueles em que a pessoa de referência é uma mulher com ao menos um filho e onde não há a presença de um cônjuge.

“O termo mãe solo é mais adequado e abrangente do que mães solteiras para caracterizar a solidão e os desafios que as mulheres sem rede de apoio enfrentam no dia a dia para cuidar de seus filhos”, explica uma das responsáveis pela pesquisa, a economista da FGV Janaína Feijó.

O estudo também mostrou que, em 2022, cerca de 45% das mães solo que trabalhavam no Brasil estavam no mercado informal.

Segundo Feijó, o trabalho informal é muitas vezes a única saída, mas pode significar rendimentos menores e mais instáveis, desprovidos de proteção social. “A mãe solo, ao buscar conciliar responsabilidades familiares e trabalho, tende a procurar ocupações que ofereçam jornadas mais flexíveis”, afirma.

Para a manicure Ione, as políticas públicas não acompanham as necessidades das mães que criam seus filhos sozinhas. Com os rendimentos e direitos menores que são característicos do trabalho informal, ela conta que é mais difícil pagar por alguns serviços que poderiam facilitar o seu dia a dia.

“Se o governo oferecesse creche em período ampliado, já ajudaria muito. Tem mães que trabalham até as 20h, por exemplo. Quem fica com as crianças depois do horário da escola ou da creche? Ela precisa pagar aluguel, luz, comida e ainda pagar alguém para ficar com o filho depois da creche. É impossível fechar a conta”, diz.

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Participe do Seminário: “Mulheres no poder: e aí, cheguei! Como fazer a diferença?”

Quais estratégias ainda devem ser construídas para que as...

para lembrar

A saúde mental da população negra importa! Por que ainda precisamos afirmar?

*Este artigo é uma produção do GT Racismo e...

Modelos na passarela contra o racismo e pela autoestima dos negros e negras

"Um sorriso negro, um abraço negroTraz....felicidadeNegro sem emprego, fica...
spot_imgspot_img

Golpes financeiros digitais deixam consequências psicológicas nas vítimas

Cair na conversa de um estelionatário e perder uma quantia em dinheiro pode gerar consequências graves, não só para o bolso, mas para o...

Regina King faz desabafo sobre morte do filho: “A ausência física é tão grande”

Regina King tem lidado com as coisas “minuto a minuto” após a morte de seu filho. A atriz de 53 anos perdeu Ian Alexander Jr., de...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por ano no Brasil entre 2011 a 2022, enquanto as taxas de notificações por autolesões na...
-+=