“O racismo impacta a saúde mental dos negros”, diz Carol Dartora

Enviado por / FonteDo Brasil 247

Vereadora de Curitiba comentou o caso de um homem negro que foi obrigado a tirar a roupa para provar que não roubou em um supermercado da rede Assaí e afirmou ser mais um exemplo de como a saúde mental da população negra é constantemente posta em xeque.

A vereadora de Curitiba (PR) Carol Dartora, em entrevista à TV 247, comentou o caso de racismo em um supermercado da rede Assaí em Limeira, no interior de São Paulo, onde um homem negro foi obrigado pelos seguranças do estabelecimento a tirar suas roupas para provar que não estava roubando produtos. 

O caso levou entidades a entrar na Justiça contra a rede Assaí, alegando dano moral coletivo” e “racismo estrutural” praticados pela empresa.

“Quando li o relato desse senhor que sofreu isso nessa rede Assaí, uma coisa me chamou muito a atenção. Primeiro, a questão da saúde mental da população negra. No relato, ele diz que os caras vieram para cima dele enquanto ele fazia uma pesquisa de preço no mercado. Isso me lembrou que eu nunca fiz pesquisa de preço, porque eu sei que eu nunca pude entrar numa loja e ficar perguntando o preço, porque a gente já sabe qual vai ser o resultado”, contou a vereadora.

Dartora afirmou que o racismo impacta a saúde mental dos negros, que não podem sequer reagir aos diversos abusos aos quais são submetidos. “Minha família sempre ensinou: ‘entre e não fique perguntando, não toque em nada. A gente entra com as mãos para trás, não fica segurando e abrindo a bolsa. Vão achar que você está roubando alguma coisa’. Isso era a instrução dos meus pais dentro de casa. Então, eu sempre fui dentro de uma loja para comprar”, disse. 

“A nossa saúde mental é posta em xeque o tempo todo, não é possível que a gente tenha saúde mental. Outra coisa que me chamou atenção nesse relato desse senhor do Assaí é ele falar que começou a chorar, porque ele sabia que não podia fazer nada, então, se ele reagisse violentamente, ia ser pior para ele. Ele ficou com tanto ódio e tanta raiva e queria reagir, mas começou a chorar porque estava com muito ódio. Então, nossa raiva e a nossa revolta são criminalizadas”, completou a vereadora. 

+ sobre o tema

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...

Primeira a ser vacinada é mulher, negra e enfermeira do Emílio Ribas em SP

A primeira pessoa escolhida para tomar a Coronavac, vacina...

A Mulata Globeleza: Um Manifesto

A Mulata Globeleza não é um evento cultural natural,...

para lembrar

Coalizão Negra registra queixa-crime contra Pazuello por racismo

Na quarta-feira (2), advogadas da Coalizão Negra por Direitos protocolaram...

A liberdade que meus filhos negros não terão

O episódio do instrutor de surfe Matheus Ribeiro, acusado de...

Remove, derruba ou segura a estátua?

A questão identitária gera embates no espaço público a...
spot_imgspot_img

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) denunciou um episódio de xenofobia e racismo dentro da Casa do Estudante Universitário (CEU), uma moradia estudantil mantida...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...
-+=