Tag: indios

    Índio xavante volta à tribo após se formar em faculdade de Sorocaba

    Tewaté deixou comunidade Namunkurá, no MT, para estudar geografia. Formado recentemente pela UFSCar, ele diz que diploma ajudará a aldeia. Por Amanda Campos Do G1 Entre os xavantes da comunidade Namunkurá, no Mato Grosso (MT), a palavra Tewaté significa "dono do trovão". Quem explica é um dos próprios índios da aldeia, Gedeão, de 35 anos, cujo segundo nome, homônimo, foi um "presente" da mãe, Jacinta Penhouro, 78, para que o filho tivesse força para vencer batalhas na vida. E a crença parece ter dado certo. Em busca de melhorar a vida na comunidade, o índio deixou a tribo em 2011 para cursar geografia na Universidade Federal de São Carlos, UfsCar, em Sorocaba (SP). Cinco anos depois, ele voltou ao local onde nasceu diplomado - e cheio de boas ideias. "Nossa sociedade vem sofrendo uma grande exposição por causa do sistema capitalista, que invade aldeias e agride o meio ambiente. Temos de nos preparar ...

    Leia mais

    305 etnias e 274 línguas: estudo revela riqueza cultural entre índios no Brasil

    Há mais indígenas em São Paulo do que no Pará ou no Maranhão. O número de indígenas que moram em áreas urbanas brasileiras está diminuindo, mas crescendo em aldeias e no campo. O percentual de índios que falam uma língua nativa é seis vezes maior entre os que moram em terras indígenas do que entre os que vivem em cidades. Por João Fellet, da BBC  As conclusões integram o mais detalhado estudo já feito pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre os povos indígenas brasileiros, baseado no Censo de 2010 e lançado nesta semana. Segundo o instituto, há cerca de 900 mil índios no Brasil, que se dividem entre 305 etnias e falam ao menos 274 línguas. Os dados fazem do Brasil um dos países com maior diversidade sociocultural do planeta. Em comparação, em todo o continente europeu, há cerca de 140 línguas autóctones, segundo um estudo publicado em ...

    Leia mais

    ‘Vim chorar aqui’: Índios fazem ato no Ministério da Justiça contra revogação de demarcações

    Aos 56 anos, o cacique guarani-kaiowá Farid Mariano, do Mato Grosso do Sul, perdeu a conta de quantas vezes veio a Brasília, de ônibus, em busca de confirmações sobre demarcações das terras onde nasceram seus tataravós. Por Ricardo Senra Do BBC "Nós estamos acampados há oito anos. Só falam que vão demarcar e não demarcam. Viemos aqui conversar com esse novo governo federal para ver se dão alguma solução para a nossa comunidade." Junto ao cacique, um grupo de 60 indígenas do povo guarani-kaiowá protestou, na manhã desta quarta-feira, em frente ao Ministério da Justiça, onde despacha o novo ministro Alexandre de Moraes. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, Moraes afirmou que irá rever "demarcações de terras indígenas que foram feitas, se não na correria, no apagar das luzes". Ele se refere a decretos assinados pelo governo da presidente Dilma Rousseff dias antes de seu afastamento pelo Senado, onde ...

    Leia mais

    Universidade Federal de Roraima tem primeiro reitor indígena do Brasil

    Criada em 1989, a Universidade Federal de Roraima (UFRR) tem o primeiro reitor roraimense e descende de indígena do país. Doutor em Agronomia, Jefferson Fernandes do Nascimento, 51 anos, estará à frente da instituição nos próximos quatro anos (2016-2020) com o apoio do vice-reitor Américo Alves de Lyra Júnior, professor doutor do curso de Relações Internacionais da UFRR. No Portal Mec Segundo o novo reitor, empossado nesta quarta-feira, 10, pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante, os desafios são enormes, mas a motivação é maior. “Conhecer a região e ter vivido todo o processo de ocupação e desenvolvimento regional nos dá condições para contribuir de forma mais efetiva”, afirma o reitor. “Queremos, com muito diálogo e com uma gestão compartilhada, trabalhar para ampliar o ensino para os povos indígenas. Como Instituição, temos a função social de inclui-los no processo de educação superior, inclusive em pós-graduação”, acrescentou. Nesse sentido, Aloisio Mercadante defendeu ...

    Leia mais

    Índios Viviam Na Amazônia 11 Mil Anos Antes Da Chegada Dos Colonizadores

    Quando os primeiros exploradores espanhóis e portugueses descobriram a Amazônia, pouco mais de 1500 anos atrás, ela já havia sido descoberta por populações indígenas há mais de 11 mil anos. As pesquisas arqueológicas na região revelam uma sociedade complexa, cujas obras impressionantes em madeira não resistiram ao tempo. Por Glauce Monteiro Do Portal Raizes A arqueóloga e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), Denise Schaan, fala sobre as sociedades que viviam na região muito antes do “Novo Mundo” ser descoberto. “Em vez de construírem templos e pirâmides de pedra, na falta dessas, utilizaram construções de terra e madeira. O problema é que a madeira não sobreviveu”, considera. Isso porque há problemas de preservação de artefatos nos solos tropicais. A pesquisadora conta que as descobertas arqueológicas validam os relatos históricos, na maioria das vezes, mas são importantes por fornecer provas materiais sobre o modo de ...

    Leia mais

    E mataram um menino kaigang

    O primeiro originário dessas terras a perceber que os homens brancos e barbudos que chegavam pelo mar, naquele distante 1492, não eram “flor que se cheirasse” foi  Hatuey, um jovem cacique da etnia Taíno, que vivia onde hoje está a República Dominicana, lugar onde desembarcou o grupo de Cristóvão Colombo. Bastaram alguns encontros para que ele percebesse que a cobiça e a violência eram tudo o que eles traziam. Foi então que decidiu dar combate aos espanhóis, mesmo em desvantagem no quesito armas. Percebeu aí que sozinho não poderia vencer e decidiu ir remando até a ilha próxima, onde hoje fica Cuba, para avisar aos demais povos da região sobre as atrocidades  que o grupo estava cometendo e preparar a resistência. Junto a um baú com ouro e joias, ele falou aos parentes: Por Elaine Tavares Do Desacato “Este é o Deus que os espanhóis adoram. Por isso eles lutam e ...

    Leia mais

    ‘Se um indígena cortasse a garganta de uma criança branca o Brasil viria abaixo’, diz mãe de criança indígena morta em SC

    Centenas de pessoas protestaram na tarde desta quarta-feira (6) em Imbituba, cidade do litoral sul de Santa Catarina. Foi lá que, no último dia 30 de dezembro, o menino da tribo Caingangue Vitor Pinto, de 2 anos, foi assassinado quando era alimentado por sua mãe, em plena rodoviária da cidade. Um suspeito está preso, mas a família da criança lamenta como o caso expõe a situação indígena no Brasil. Por Thiago de Araújo Do Brasil Post “Se um indígena cortasse a garganta de uma criança branca o Brasil viria abaixo. Quero a mesma indignação pela morte do meu filho”, disse a mãe de Vitor, Sônia da Silva, de 27 anos, ao jornal O Estado de S. Paulo. Ela estava com o filho no colo quando um homem se aproximou e cortou a garganta da criança com um estilete. Sônia estava na cidade com o marido, Arcelino Pinto, de 42 anos, ...

    Leia mais

    1500, o ano que não terminou

    Quem chorou por Vitor, o bebê indígena assassinado com uma lâmina enfiada no pescoço? Por ELIANE BRUM, do El Pais  Um menino de dois anos foi assassinado. Um homem afagou seu rosto. E enfiou uma lâmina no seu pescoço. O bebê era um índio do povo Kaingang. Seu nome era Vitor Pinto. Sua família, como outras da aldeia onde ele vivia, havia chegado à cidade para vender artesanato pouco antes do Natal. Ficariam até o Carnaval. Abrigavam-se na estação rodoviária de Imbituba, no litoral de Santa Catarina. Era lá que sua mãe o alimentava quando um homem perfurou sua garganta. Era meio-dia de 30 de dezembro. O ano de 2015 estava bem perto do fim. E o Brasil não parou para chorar o assassinato de uma criança de dois anos. Os sinos não dobraram por Vitor. Sua morte sequer virou destaque na imprensa nacional. Se fosse meu filho, ou de qualquer ...

    Leia mais
    exibir

    Índios já viviam na Amazônia 11 mil anos antes da chegada dos colonizadores

    Quando os primeiros exploradores espanhóis e portugueses descobriram a Amazônia, pouco mais de 1500 anos atrás, ela já havia sido descoberta por populações indígenas há mais de 11 mil anos. As pesquisas arqueológicas na região revelam uma sociedade complexa, cujas obras impressionantes em madeira não resistiram ao tempo. por Glauce Monteiro Do UFPA A arqueóloga e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), Denise Schaan, fala sobre as sociedades que viviam na região muito antes do “Novo Mundo” ser descoberto. “Em vez de construírem templos e pirâmides de pedra, na falta dessas, utilizaram construções de terra e madeira. O problema é que a madeira não sobreviveu”, considera. Isso porque há problemas de preservação de artefatos nos solos tropicais. A pesquisadora conta que as descobertas arqueológicas validam os relatos históricos, na maioria das vezes, mas são importantes por fornecer provas materiais sobre o modo de vida ...

    Leia mais

    Indígenas dos cinco continentes participam de Jogos inéditos

    Até o dia 31 de outubro, Palmas, a capital do Tocantins, sedia a primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas, com cerca de mil atletas brasileiros e 700 vindos de países como Rússia, Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá, Colômbia, Mongólia, Chile, Etiópia e Finlândia. Por Mama Press Os Jogos Indígenas já tiveram 12 edições nacionais, desde 1996, em diferentes cidades do país, com apoio do governo federal, patrocínio das prefeituras e, eventualmente, de estatais como Caixa Econômica e Eletrobras. Mas o primeiro evento esportivo e cultural internacional foi ideia dos povos brasileiros terenas e pode impulsionar a criação de uma espécie de comitê para organizar as próximas edições no exterior. Mais de 20 etnias brasileiras – como os Xerente (os anfitriões, do Tocantins), Bororo Boe (Mato Grosso), Asurini (Pará), Pataxó (Bahia) e Canela (Maranhão) – participam dos Jogos. O evento, no entanto, também foi boicotado por etnias como os Krahô e ...

    Leia mais

    A luta contra a PEC 215

    No sistema capitalista de produção a humanidade só tem sentido se estiver a serviço das coisas. Da mesma forma, os trabalhadores em geral só são considerados como produtores de coisas que, por sua vez, farão a riqueza daqueles que são os donos dos meios de produção. A vida da pessoa que produz coisas para os donos das empresas ou das terras não tem a menor significação. Ela só vale enquanto estiver em condições de produzir e gerar lucro. Se não estiver girando essa roda, a pessoa em si não importa. Essa é uma verdade inquestionável dentro do sistema capitalista. E é por isso que pessoas como os índios, por exemplo, não tem a menor importância para quem defende esse sistema. Para essas pessoas, o índio é um inútil, não produz coisas, não garante lucro, logo, é passível de ser exterminado. Por Elaine Tavares, do CIMI Essa foi a síntese da argumentação ...

    Leia mais

    Brasil é cobrado na OEA por violência contra índios

    Membros da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) questionaram o governo brasileiro sobre o que tem sido feito para prevenir e punir crimes contra índios no Mato Grosso do Sul. Representantes da CIDH – braço da Organização dos Estados Americanos (OEA) – também pediram ao Brasil informações sobre denúncias de violações de direitos humanos na terra indígena Raposa/Serra do Sol, em Roraima. Por João Fellet Do BBC Duas das três audiências na CIDH que tiveram o Brasil como tema nesta terça-feira trataram da situação de povos indígenas no país. As audiências, que ocorreram na sede da OEA, em Washington, são levadas em conta pela comissão na elaboração de um relatório anual sobre o estado dos direitos humanos nas Américas. Como cada país é analisado separadamente, críticas no relatório têm o poder de constranger os governos. As cobranças ocorrem num momento em que o Brasil se reaproxima da OEA, após quatro anos ...

    Leia mais

    Índios poderão ter direito a nome de sua etnia em documentos

    A população indígena do Brasil poderá conquistar o direito de ter o nome de sua etnia em seus documentos de identidade. Projeto nesse sentido consta da pauta da reunião que a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) fará nesta quarta-feira (14), após audiência pública sobre crianças desaparecidas. Do Senado De autoria do senador Telmário Mota (PDT-RR), o PLS 161/2015 altera a Lei de Registros Públicos (Lei 6.015/1973) e a Lei 7.116/1983 para assegurar a qualquer indígena o direito a ter tal condição — assim como a indicação da sua etnia — expressa em certidão de nascimento, certidão de casamento e carteira de identidade. Para isso, bastará requerer a inclusão, sem necessidade de comprovar a origem étnica. Na justificação do projeto, Telmário afirma que o “reconhecimento e o prestígio aos costumes e as tradições das comunidades indígenas são mandamentos constitucionais”. Ele acrescenta que a aprovação da proposta vai corrigir ...

    Leia mais

    Fazendeiro vira réu por suspeita de racismo contra índios

    A Justiça Federal em Mato Grosso aceitou, no fim de agosto, uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) de crime de racismo supostamente praticado contra índios na região do Araguaia-Xingu. O presidente da associação dos fazendeiros da região, Carlos Alberto de Oliveira Guimarães, virou réu por ter afirmado em entrevista: “Nunca vi índio plantar nada, nunca vi índio produzir nada, índio vive praticamente é de cesta básica, de Bolsa Família e de algum recurso mais de pedágio que eles cobram de nós aí.” Do DM A fala do produtor rural, que gerou uma denúncia e a aceitação da acusação na primeira instância da Justiça, lembra afirmações de parlamentares contra populações indígenas. Até agora, esses políticos com foro privilegiado se livraram de investigação e punição. A Associação dos Fazendeiros do Araguaia-Xingu planejava acionar a Fundação Nacional do Índio (Funai) na Justiça, para impedir a continuidade da delimitação de terra indígena em ...

    Leia mais

    Casal de índios é morto e tem cabeças decapitadas na Bahia

    Os corpos de um casal indígena tupinambás do distrito de Sapucaeira, no município de Ilhéus (a 462 km de Salvador), foram encontrados com as cabeças decapitadas nesta quinta-feira, 24. De acordo com a delegacia, as vítimas são Jorge Carlos Amaral Nascimento, 59 anos, e Maraci Oliveira da Costa, 42 anos, que foram levados de casa por cinco suspeitos. Os corpos foram encontrados em um matagal, próximo à casa onde moravam. Do A Tarde Familiares de Jorge Carlos afirmaram à polícia que ele não recebia ameaças. Uma perícia será feita na casa onde eles residiam. A partir disso, o caso será avaliado para decidir se as investigações ficarão sob a responsabilidade da Polícia Civil ou da Polícia Federal, por ter sido índios. Prado Outro caso envolvendo índio foi registrado no estado nesta semana. Uma kombi que fazia o transporte escolar de crianças indígenas foi incendiada no município de Prado (a 785 km ...

    Leia mais

    “Eu já estava jogada no chão, algemada, e o PM ainda colocou a perna em cima da minha cabeça”

    Índia xacriabá denuncia ação violenta da Polícia Militar A índia xacriabá relatou a violência de que foi vítima durante o Grito dos Excluídos Por Rogério Correia, do Viomundo  A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizará audiência pública em Montes Claros (Norte de Minas) para apurar a denúncia de que agentes da Polícia Militar (PM) teriam cometido abuso de poder e intimidação contra uma índia xacriabá. O caso ocorreu na cidade durante manifestação do Grito dos Excluídos no dia 7 de setembro. A vítima, Juvana Xakriabá, compareceu à reunião da comissão, nesta quarta-feira (09), para dar o seu testemunho. Segundo Juvana Xacriabá, a ação que culminou em sua detenção foi iniciada por uma postura de deboche agressivo por parte do prefeito Ruy Muniz (PRB), que teria provocado os manifestantes com gestos e postura zombeteira. A atitude teria inflado os ânimos, levando ao abalo de uma ...

    Leia mais

    Povos indígenas no Brasil na visão de Eduardo Viveiros de Castro

    Antropólogo revela faceta pouco conhecida de sua trajetória e fala da situação dos povos indígenas no Brasil Por André Goldfeder Do Uol Apontado pelo antropólogo e pensador francês Claude Lévi-Strauss como o “fundador de uma nova escola na antropologia” e referência para diversas áreas como a filosofia, a literatura e arte , Eduardo Viveiros de Castro é dono de uma das mais sólidas obras teóricas da antropologia contemporânea. Desta vez, no entanto, o que está em destaque é sua produção fotográfica, que a partir do dia 30 de agosto de 2015 estará em exibição no Sesc Ipiranga, na mostra Variações do corpo selvagem, cuja curadoria é assinada por Eduardo Sterzi e Veronica Stigger. Viveiros de Castro conversou com a CULT a respeito desta faceta pouco conhecida de sua trajetória e da situação dos povos indígenas no Brasil.   CULT – Sua experiência com fotografia remonta a um período anterior a sua atividade como antropólogo ...

    Leia mais

    Fazendeiros transformam MS em Estado sem lei

    Força Nacional cruza os braços na morte do índio Semião Vilhalva e invasão, por sessenta pistoleiros, do território indígena demarcado. A omissão criminosa do ministro da Justiça No Outras Palavras  Desta vez o acampamento de retomada das famílias Guarani e Kaiowá foi invadido por mais de 60 pistoleiros, que entraram realizando disparos e ameaçando crianças, velhos, mulheres e homens. O novo ataque foi realizado sobre o território sagrado de Ñanderú Marangatú, no local onde se encontra a fazenda denominada Piquiri, sobreposta aos 9.300 hectares de chão tradicional homologados pela Presidência da República. Ainda com as cicatrizes e traumas do ataque anterior, em que Semião Vilhalva, indígena de 24 anos, foi assassinado pelas milícias dos ruralistas à beira de um córrego onde procurava seu filho, as famílias relatam que apenas tiveram tempo de juntar alguns poucos pertences ...

    Leia mais
    Brasil, Brasília, DF, 03/10/2013. O cacique Raoni, a índia Tuíra e lideranças indígenas exibem exemplar da Constituição Federal durante protesto contra a PEC 215, que transfere para o Congresso a palavra final sobre demarcação de reservas, em frente ao Congresso Nacional, em Brasília (DF). - Crédito:DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:145805

    Destino da demarcação de terras indígenas volta à pauta nas mãos dos ruralistas

    Depois de oito meses de discussão, o relatório da PEC 215/00, que transfere para o Legislativo a atribuição de demarcar as terras indígenas e quilombolas, volta nesta quarta-feira (2) para a pauta da comissão especial pronto para ser votado. A proposta é praticamente a mesma apresentada no fim do ano passado. Por Grasielle Castro Do Brasil Post O texto do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), integrante da bancada ruralista, também prevê indenização em dinheiro aos proprietários de áreas que venham a ser desocupadas para integrar território indígena. Pela proposta do peemedebista, o Congresso Nacional examinará projeto de lei e caberá ao Executivo, após aprovação da demarcação, promover a demarcação física. Para o deputado, esse método garante que os índios terão seus direitos resguardados. “Se aprovada nos termos originais, a Emenda Constitucional não redundará emnenhum prejuízo para os direitos dos índios, que estão garantidos na Constituição Federal, assim como não importará em violação ...

    Leia mais
    Brasil, Cuiabá, MT. 10/11/2013. Indígenas participam da 12ª edição dos Jogos dos Povos Indígenas, na Aldeia Alkara, em Cuiabá, Mato Grosso. - Crédito:Vanessa Carvalho/BRAZIL PHOTO PRESS/AE/Código imagem:156081

    Câmara aprova projeto que proíbe o infanticídio nas comunidades indígenas

    O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta (26) projeto quecoíbe práticas tradicionais nocivas às crianças indígenas, entre elas o infanticídio. Pelo texto aprovado, que altera o Estatuto do Índio, cabe ao Estado agir para proteger crianças, adolescentes, mulheres, deficientes e idosos de práticas que atentem contra a vida, a saúde e a integridade físico-psíquica dos indígenas. O projeto segue agora para o Senado. Do Brasil Post A proposta foi aprovada por 361 votos à favor, 84 contra e nove abstenções. O projeto diz que órgãos responsáveis pela política indigenista, como a Fundação Nacional do Índio (Funai), devem atuar em situações como infanticídio, homicídio, abuso sexual, estupro, escravidão, abandono de vulneráveis e violência doméstica. O texto prevê que o Estado deve desenvolver projetos que visem a defesa, entre outros, de recém-nascidos, crianças rejeitadas pelos genitores e mulheres em caso de gestação múltipla. Caberá ao órgão do Estado ...

    Leia mais
    Página 2 de 3 1 2 3

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist