Tecnomacumba, 20 anos de axé!

A força da música de Rita Benneditto, sempre um convite a cantar e e a dançar para a encantaria de todos os quadrantes do país

Quando assisti Tecnomacumba pela primeira vez, Ribeiro ainda era o sobrenome de Rita Benneditto. Antes de o espetáculo seguir para os palcos do Brasil, tive notícias da pesquisa, do sonho, trazidas por um amor que a tudo acompanhava na condição de amiga da produtora da artista, e me dizia da beleza do que estava em gestação.

Ao longo de vinte anos vi o espetáculo algumas vezes, em São Paulo e no Rio. Uma delas, no Circo Voador, à volta de 2009 ou 2010. Eu havia publicado Os nove pentes d’África e pedi à Elzinha (Elza Ribeiro, a produtora) que entregasse à Rita um exemplar. Aquele trabalho era tributário de Tecnomacumba, disco que ouvi de maneira exaustiva enquanto escrevia e, no momento exato em que coloquei ponto final no texto, ela cantava para Oxalá.

Rita Benneditto (Foto: Cristiano Soares/Divulgação)

Foi Elzinha, quem gentilmente me ofereceu um ingresso para a festa dos vinte anos. Eu folheava livros na porta do teatro, enquanto aguardava o horário para assistir Alaíde Costa. Era sexta-feira. Elzinha passou por mim, nos cumprimentamos, nos abraçamos. Lamentei minha atrapalhação durante a viagem de fim de ano que me impediu de providenciar ingresso a tempo, mas ela procuraria um para mim no dia seguinte, o último de apresentação.

Deu tudo certo, lá fui eu assistir Tecnomacumba pela quinta vez. Vi um espetáculo novo, cada vez melhor e mais autoral. Toca a cantar, pular e dançar para orixás e para a encantaria de todos os quadrantes do país.

O pessoal se agita muito quando a Rita canta para Padilha, não é para menos, mas gosto mesmo das músicas para Xangô, por motivos óbvios, Oxóssi e Oxalá.

São vinte anos de Rita Benneditto e sua banda, Cavaleiros de Aruanda, plantando asè por onde cantam. São mais de vinte anos de um grande amor embalado por aquelas canções que só fazem reencantá-lo.

+ sobre o tema

A favela não venceu

O exemplo de sucesso como mensagem de opressão Por Startup...

Estudantes da UFRGS ocupam prédio da reitoria

Ele fazem vigília para defender cotas no vestibular para...

Racismo e o porque defendemos cotas raciais

O Racismo no Brasil Para compreendermos o processo de formação...

Justiça arquiva ação que julga PM acusado da morte de menino Eduardo

Crime aconteceu durante operação no Complexo do Alemão em...

para lembrar

A quem serve o “racismo reverso”?

Em face do contexto de negacionismo científico e avanço...

“E você ainda acha que o racismo se esconde?”

Por Thiago Anse do Observatório da Favela No Rio de...

A Torcedora do Grêmio Somos Nós

Por: Verônica Daminelli Quem nunca chamou um negro de macaco, quem...

Mais uma chacina em São Paulo? Ah, mas foi na periferia!

Ao menos 18 pessoas foram mortas e sete feridas...
spot_imgspot_img

Senado aprova prorrogação e ampliação da política de cotas para concursos públicos

O Senado aprovou, nesta quarta-feira (22), o projeto de lei (PL) 1.958/2021, que prorroga por dez anos a política de cotas afirmativas para concursos...

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...
-+=