Um arrepio

Ana Cristina Pereira
Já reparou? Por quase toda a parte, a extrema-direita está a ganhar força. Estão bem posicionados para as eleições do próximo domingo o Partido Independentista do Reino Unido, de Nigel Farage; a Frente Nacional, de Marine Le Pen, em França; o Partido da Liberdade, de Geert Wilders, nos Países Baixos, o Democratas da Suécia, de Fredrik Reinfeldt; e o Partido Nacional Esloveno, de Zmago Jelincic.

Há outros pontos críticos no mapa da União Europeia. Ora veja: na Áustria, o partido da Liberdade, de Heinz Christian Strache; na Hungria, o Jobbik, de Gábor Vona; na Grécia, a Aurora Dourada, de Nikos Michaloliakos, em prisão preventiva na sequência da morte de um rapper; na Bélgica, o Interesse Flamengo, de Frank Vanhecke; em Itália, a Liga do Norte, de Matteo Salvini.

Não são todos iguais, dir-me-á. Não são. Servem-se, porém, todos do ressentimento — ou mesmo ódio — pelo “outro”, pelo que é “diferente”.

O “outro” não é só quem vem de África, tantas vezes arriscando-se a morrer no Mediterrâneo, nem do Médio Oriente, amiúde valendo-se da porosidade da fronteira grega. Pode ser o oriundo dos países do Sul da Europa, que a imprensa inglesa se apressou a designar de PIGS – iniciais de Portugal, Itália, Grécia e Espanha -, ou de Leste, sobretudo da Roménia e da Bulgária, com grandes comunidades de etnia cigana.

Não é que esteja surpreendida. “Quando há uma crise tão grande, em tantos países, há uma série de processos que se desenvolvem. E, com eles, o medo, o ódio, a xenofobia, o racismo relacionados com o nacionalismo, com o populismo, com o proteccionismo”, explicou-me, no princípio da crise, o sociólogo francês Michel Wieviorka. Isso pode levar à violência, mas também à apatia.

Agora, ao olhar para as sondagens, lembro-me daquela curta conversa, numa sala da Universidade do Minho, e arrepio-me. À memória de Wieviorka veio um livro que lera sobre uma pequena cidade na Áustria.

No início da grande crise de 1929, muitas pessoas sentiam-se desencorajadas, apáticas, tomadas pela sensação de impotência. Anos depois, eram nazis. Já imaginou?

Fonte: DNotícias

+ sobre o tema

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal...

para lembrar

Frágil

O que vou contar aconteceu ontem mesmo. Começou com...

Serra cortou R$ 830 milhões da Segurança e da Educação e crimes aumentaram

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), cortou...

Mauro Santayana – A insurreição na Bahia e a segurança dos cidadãos

por Mauro Santayana  O direito de greve é historicamente...

Sobre as Desigualdades Brasileiras e as Conquistas Populares

por:Francisco Carlos Teixeira. A Classe "C" vai ao paraíso!...

Nova identidade tem CPF como número principal, QR code e abriga dados de outros documentos

O governo federal quer acelerar a corrida para digitalizar a identidade dos brasileiros. A nova CIN (Carteira de Identidade Nacional) representa o fim do RG e da impressão...

ONU pede que Brasil legalize aborto e denuncia ‘fundamentalismo religioso’

Alertando sobre o avanço do que chamou de "fundamentalismo religioso" no Brasil, um dos principais órgãos da ONU que lida com a situação da...

Trump se torna 1º ex-presidente condenado em ação criminal na história dos EUA

Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente considerado culpado pela Justiça em uma ação criminal na história dos Estados Unidos. O veredicto, divulgado nesta quinta-feira (30),...
-+=