Um habeas corpus que tira nossa esperança

Pais, parentes e amigos sentiram o peso da mão do Estado após verem noticiados pelos veículos de comunicação que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus para os quatro PMs, presos preventivamente,  que foram responsáveis pela chacina de Costa Barros.

Por Walmyr Junior Do Jornal do Brasil

O grupo de jovens estavam vindo do Parque de Madureira no dia 28 de novembro de 2014, comemorando o pagamento do salário de um deles, que conseguira o primeiro emprego.  A documentação do carro estava em dia e o motorista era habilitado, não existiam motivos para temer qualquer situação. Porém já conhecemos o infeliz final dessa história.

Essa notícia mostra não só a ineficiência do Estado, como mostra qual é o valor da vida de cinco jovens negros e favelados. Jovens que tiveram arrancados o seu direito de viver, de se divertir e de ir e vir na cidade. Jovens que não puderam ter seus sonhos e utopias, que não viram seu futuro, pois o mesmo foi extirpado pela ação da polícia militar.

As zonas periféricas da cidade vivem um intenso terror e medo. O despreparo de uma parcela significativa das forças armadas e das forças auxiliares (no caso a PM) é o retrato do abandono da segurança pública pelas autoridades do Estado do Rio de Janeiro.

Ver essa ação judicial é de partir o coração. Empurra nossas esperanças para baixo do tapete, brincam com os sentimentos alheios, nos levam a desacreditar na possibilidade de viver em paz.

A criminalização da pobreza atrelada ao racismo institucional deixam todos perplexos. Vivemos em dias que a vida de uns valem mais do que a de outros. A dignidade da pessoa humana não é garantida e a violação dos direitos humanos é constante.

Quanto aos jovens Wilton Esteves Domingos Júnior, de 20 anos; Carlos Eduardo Silva de Souza, de 16 anos; Wesley Castro Rodrigues, de 25 anos; Roberto Silva de Souza, de 16 anos, e Cleiton Corrêa de Souza, 18 anos;deixam em nossas memórias o sentimento de impunidade e  desejo de viver de uma juventude brutalmente interrompida.

Chega de violência e extermínio de jovens.

Leia também

Fernando Molica: Um monumento para os cinco jovens

+ sobre o tema

Primeira federal a adotar cotas, UnB deve decidir sobre sistema até abril

Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil ...

Campanha do Estado sobre racismo institucional é finalista de prêmio nacional

A campanha sobre o racismo institucional do Governo do...

Morre-se em casa por Covid-19

“No dia seguinte ninguém morreu.” É assim que começa...

Qual Natal queremos celebrar e comemorar

O que você quer ganhar no Natal, este ano? As...

para lembrar

Kenzo em movimento: marca lança vídeo com pegada política

Dirigido por Partel Oliva, ele levantar a bandeira para...

Governo publica lei que regulamenta as cotas nas universidades federais

Metade das vagas será destinada a quem estudou na...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=