Uma dívida irreparável

O Brasil está diante de um déficit gigante no que tange à regularização fundiária e de uma dívida irreparável com a vida

O assassinato da ialorixá Bernadete Pacífico, Coordenadora Nacional da Articulação de Quilombos (Conaq) e liderança do Quilombo Pitanga dos Palmares, na Bahia, dia 17, expôs a violação de ao menos quatro direitos constitucionais reiteradamente sonegados aos negros no Brasil: vida, liberdade, segurança e propriedade.

A execução de Mãe Bernadete um mês após ter se encontrado com a presidente do STF e alertado para os riscos que corria expôs a omissão do Estado. Ou, nas palavras dela (gravadas em vídeo), “o descaso das autoridades, principalmente quando se trata do povo negro (….) É justo? O que nós recebemos é ameaças (….) Vivo assim, eu não posso sair, minha casa toda cercada de câmeras”.

Bernadete Pacífico era líder quilombola na Bahia e coordenadora da Conaq (Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos) – Conaq/Divulgação

Apesar da gravidade da denúncia, nenhum mecanismo foi efetivado para proteger a vida da ialorixá que, ao representar sua ancestralidade e lutar pela titulação das terras habitadas por quilombolas, incomodou e contrariou interesses.

O Incra é o órgão responsável pela regularização fundiária, e o IBGE estima que há no Brasil 5.972 localidades quilombolas, das quais uma minoria é oficialmente reconhecida: só 494 quilombos.

Destes, apenas 147 foram titulados desde que a Constituição Federal de 1988 reconheceu o direito ao território tradicional quilombola, ou seja, menos de 5 por ano. O quilombo Pitanga dos Palmares não é um deles: apesar de certificado desde 2004, ainda não teve a titulação concedida.

Sem isso, muitas políticas públicas necessárias para sobrevivência, trabalho e permanência das famílias nas comunidades não chegam aos territórios. A falta de titulação também aumenta o assédio de especuladores imobiliários, garimpeiros e espertalhões de todo tipo, gerando situação de permanente insegurança, cujo ápice é o assassinato de lideranças como Mãe Bernadete.

O Brasil está diante de um déficit gigante no que tange à regularização fundiária, sobretudo dos povos tradicionais, e de uma dívida irreparável com a vida. Até quando?

+ sobre o tema

“Sofri durante 10 anos com ataques racistas”, diz Glória Maria

A jornalista considera o Brasil "o país mais racista...

Rede europeia contra o racismo denuncia discurso xenófobo de candidatos

Juliana Wahlgren atua na Rede Europeia contra o Racismo...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no...

para lembrar

Latino-americanos “de pele mais escura” têm menos oportunidades

150 milhões de afrodescendentes ficaram fora das recentes conquistas...

“A maior expressão de preconceito racial consiste na negação deste preconceito”

Pensar, ponderar, analisar e acima de tudo, realizar estudos...

Dinamarca: líder neonazista em serviço da Guarda Real

Um dos principais líderes do partido neonazista dinamarquês realiza...
spot_imgspot_img

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...

Racismo em escolas de Niterói: após reunião com mãe de dois adolescentes vítimas de insultos, deputada vai oficiar MP, polícia e prefeitura

Após uma reunião com Renata Motta Valadares, mãe de dois adolescentes de Niterói que foram vítimas de racismo em duas diferentes escolas particulares, a deputada estadual...

Câncer: racismo aumenta mortes entre população negra, indica estudo

Dados do Ministério da Saúde, levantados por pesquisadores do Rio de Janeiro e divulgados em abril último, demonstram que o acesso ao diagnóstico e...
-+=