VIP relembra suas 12 capas de 2013: Nenhuma mulher negra

Para facilitadora do Blogueiras Negras, “isso é apenas o reflexo do que a mídia reserva para os negros de maneira geral. Não acho que as negras façam questão de estampar a capa da VIP, não acrescentaria em representação, mas é um reflexo da mídia”

por Igor Carvalho,

A revista VIP, em função do dia do fotógrafo, 8 de janeiro, relembrou suas 12 capas de 2013. A publicação da Editora Abril, voltada prioritariamente ao público masculino, não estampou, em todo ano, nenhuma mulher negra em suas capas.

No Brasil, a população negra e parda é maioria (50,7%), segundo o Censo realizado em 2010. Porém, apesar dos dados, a VIP idealizou como modelo de beleza em todo o ano passado as mulheres brancas.

Para a facilitadora do sitio Blogueiras Negras, Maria Rita Casagrande, a supervalorização da mulher branca não é uma novidade. “A VIP é uma revista que conheço e são raras as capas com alguma negra. Não é surpresa nenhuma que entre as 12 capas do ano não tenha uma negra e, quando a revista traz uma, nunca é o destaque.”

Jarid Arraes, que mantém o blogue “Questão de Gênero” na Fórum, ressalta a questão da padronização da beleza. “Não há espaço para a beleza que fuja dos padrões branco e magro. Então, as mulheres [de capas de revistas] acabam sendo muito parecidas nas suas características físicas”.

Mesmo quando destacada, a mulher negra é apresentada de outra forma, segundo Jarid. “É importante enxergar essa diferença em como as mulheres brancas e as negras são sexualmente representadas. A negra quase sempre é caracterizada como exótica, da cor do pecado, como algo excêntrico”, explica a blogueira.

Para ambas, o conjunto das capas é sintomático do tratamento midiático cotidiano. “E isso é apenas o reflexo do que a mídia reserva para os negros de maneira geral. Não acho que as negras façam questão de estampar a capa da VIP, não acrescentaria em representação, mas é um reflexo da mídia”, aponta Maria Rita.

“Podemos identificar o racismo sutil da nossa sociedade, mas estar ali naquela capa também não é nenhum sonho de inclusão porque a mulher está sendo objetificada e exposta para ser avaliada e consumida”, argumenta Jarid.

 

 

Fonte: Revista Fórum

 

+ sobre o tema

Concurso Nacional Unificado abre inscrições hoje: veja edital, vagas, valor da taxa e blocos temáticos

As inscrições para o Concurso Público Nacional Unificado começam hoje e...

Navi Pillay pede que Estados incluam direitos humanos na Rio+20

    Como as negociações sobre o resultado da Conferência das...

Alma Preta organiza curso de mídias negras em São Paulo

Atividade, que será realizada em 9 de junho no...

para lembrar

Imagens flagram médico lendo jornal enquanto paciente espera em UPA carioca

Com um celular paciente denuncia médico que negou...

Da discriminação ao empreendedorismo: Nina Silva e o Movimento Black Money

Silva atua com tecnologia da informação há 17 anos....

Moraradores do Alemão que sofreram abusos de policiais ficam sem resposta

Por: Renata Mariz   Rio de Janeiro — Quase dois meses...

Declaração de deputado do Rio sobre indígenas causa indignação na Bolívia

A Bolívia reagiu com indignação, neste sábado, às declarações...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=