Vitória contra o racismo

Cidade americana famosa por ter sido palco de crimes raciais na década de 60 elege o seu primeiro prefeito negro

Para o americano James Young, sua vitória pode ser comparada a uma “bomba atômica da mudança”. Famosa por ser uma das cidades mais racistas dos EUA e por ter sido o palco de um triplo homicídio de ativistas dos direitos civis na década de 60 – crime que inspirou o filme Mississippi em Chamas -, Philadelphia, no Mississippi, sul dos EUA, elegeu esta semana o primeiro prefeito negro de sua história.

Possivelmente beneficiado por um “efeito Barack Obama”, Young, 53 anos, derrotou o atual prefeito, Rayburn Waddell, por uma diferença de apenas 46 votos. Aproximadamente 55% dos 8 mil habitantes da cidade são brancos, como Waddell.

– Eu não poderia imaginar isso nem em um conto de fadas. Quem poderia prever que um garoto do campo como eu se tornaria prefeito de Philadelphia? Principalmente levando em conta a forma como fomos tratados – disse Young à rede de TV CNN, derramando-se em lágrimas.

O prefeito eleito ainda recorda a época, durante sua infância, em que o grupo racista Ku Klux Klan atormentava seu bairro. Lembra também a imagem do pai segurando uma arma na sala, preparado para atirar contra qualquer um que ameaçasse a família.

Philadelphia – que não deve ser confundida com a cidade homônima mais famosa, no Estado da Pensilvânia – entrou para a história dos EUA em 21 de junho de 1964. Nesse dia, três ativistas dos direitos civis – James Chaney, 21 anos, negro, Andrew Goodman, 20, e Michael Schwerner, 24, ambos brancos – foram mortos a tiros pela Ku Klux Klan na entrada da localidade.

Young afirma que, hoje, passados quase 45 anos, alguns moradores ainda não votariam nele pelo simples fato de ser negro, mas acredita que esse número vem encolhendo cada vez mais à medida que o tempo passa.

– Temos alguns que jamais mudarão. É preciso conviver com isso – diz.

O prefeito eleito atribui a vitória à campanha corpo-a-corpo. Um dos primeiros alunos negros a estudar em um colégio branco em Philadelphia, ele foi paramédico e também é um líder religioso pentecostal.

Matéria original: Vitória contra o racismo

Do Zero Hora

+ sobre o tema

John Terry abandona selecção

Antigo capitão de Inglaterra anuncia ponto final na...

Entidades elaboram carta contra perseguição às religiões de matriz africana em Florianópolis

Documento será entregue ao Ministério Público de Santa Catarina...

Brasil lidera ranking de medo de tortura policial

por Rafael Barifouse Nos últimos três anos, denúncias de violência...

para lembrar

Violência no Alemão chega ao extremo com grande número de feridos

Operações policiais no conjunto de favelas do Alemão deixaram...

A polêmica racista

A gritaria sobre os “comitês raciais” revela a disposição...

‘Isso é cabelo de gente?’

‘Isso é cabelo de gente?’ Estudantes denunciam racismo em ensaio...
spot_imgspot_img

Morte de senegalês após ação da PM em SP completa um mês com investigação lenta e falta de acesso a câmeras corporais

Um mês após a morte do senegalês Serigne Mourtalla Mbaye, conhecido como Talla, que caiu do 6º andar após ação policial no prédio em que morava...

Maurício Pestana: escola de negros e o Terceiro Vagão

Em vários artigos já escritos por mim aqui, tenho apontado como o racismo no Brasil utiliza a via da questão econômica e educacional para...

Tragédia no RS apaga pessoas negras e escancara racismo ambiental

No início dos anos 2000, viajei a Mato Grosso do Sul para participar de um evento universitário. Lembro que na época eu causei espanto...
-+=