William Kamkwamba: Como eu dominei o vento

Para ler por em portuges escolha subtitulos em português

 

Obrigado. Há dois anos, eu apareci no palco do TED em Arusha, Tanzania. Eu falei rapidamente sobre uma das minhas criações que mais tenho orgulho. Era uma máquina simples que mudou minha vida.

Antes daquela época eu nunca tinha ido para longe da minha casa no Malawi. Eu nunca tinha usado um computador. Eu nunca tinha visto a Internet. Aquele dia, no palco, eu estava muito nervoso. Meu inglês sumiu, eu tive vontade de vomitar. (Risos) Eu nunca tinha sido rodeado por tantos “azungu”, brancos. (Risos)

Havia uma história que eu não contei para vocês na ocasião. Mas bem, eu estou me sentindo melhor agora. Eu gostaria de compartilhar tal história hoje. Nós somos em sete crianças na minha família. Todas meninas, fora eu. Esse sou eu com meu pai quando eu era um garotinho.Antes de eu descobrir as maravilhas da ciência,eu era um simples camponês em um país de camponeses pobres. Assim como todo mundo, nós cultivávamos milho.

Um ano, nós tivemos muito azar. Em 2001, nós passamos por uma fome terrível. Em cinco meses, todo mundo em Malawi começou a morrer de fome. Minha família fazia uma refeição por dia, à noite. Somente três bocados de “nsima” para cada um de nós. Mal se sente a comida passando pelo corpo. Nós desmaiávamos por nada.

No Malawi, no segundo dia de aulas, você tem que pagar matrícula. Por causa da fome, fui obrigado a sair da escola. Eu olhei para o meu pai, e olhei para aqueles campos secos. Era um futuro que eu não podia aceitar.

Eu estava muito feliz por estar no segundo dia de aulas. Então eu estava determinado a fazer qualquer coisa para poder aprender. Então eu fui para a biblioteca. Eu li livros, livros de ciências, em particular de física. Eu não sabia ler em inglês muito bem. Eu usava os diagramas e figuras para aprender as palavras ao redor.

Outro livro colocou aquele conhecimento nas minhas mãos. Ele dizia que um moinho poderia bombear água e gerar eletricidade. Bombear água significava irrigação. Uma defesa contra a fome, pela qual nós estávamos passando naquela época. Então eu decidi construir um moinho sozinho. Mas eu não tinha os materiais para usar. Então eu fui num ferro-velho onde eu encontrei os materiais de que precisava. Muitas pessoas, incluindo minha mãe, disseram que eu era maluco. (Risos)

Eu achei um ventilador de trator, um amortecedor, tubos de PVC. Usando um quadro de bicicleta e um velho dínamo de bicicleta, eu construi minha máquina. Primeiro foi uma lâmpada. Depois, quatro lâmpadas, com interruptores e até mesmo um disjuntor, feito a partir de um modelo em uma conta de luz. Outra máquina bombeia água para irrigação.

Pessoas formaram filas na minha casa (Risos)para carregar seus telefones celulares.(Aplausos) Eu não conseguia me livrar deles.(Risos) E os repórteres vieram também, que levaram aos blogueiros e levaram a um telefonema de uma coisa chamada TED. Eu nunca tinha visto um avião antes. Eu nunca tinha dormido em um hotel. Então, no palco naquele dia em Arusha, meu inglês sumiu, e eu disse alguma coisa como, “Eu tentei. E eu consegui.”

Então eu gostaria de dizer algo para todas as pessoas por aí afora, como eu, para os africanos e para os pobres que estão lutando por seus sonhos, Deus os abençoe. Talvez um dia vocês vejam isso na Internet. Eu lhes digo: confie em você e acredite. Não importa o que acontecer, não desista. Obrigado. (Aplausos)

Fonte:TED

+ sobre o tema

Júlio Silva prepara sua aposentadoria jogando torneio de veteranos

Júlio Silva, tenista que está no circuito profissional...

Padê Poema 41 – Cuti

    Saiba Mais: Padê poema 40 -...

Padê Poema 44 – Cuti

  Leia Também: Padê poema 40 - Cuti  Padê Poema 41...

Mano Brown prega a paz em shows aguardado da Virada

Mano Brown fez jus à posição de artista mais...

para lembrar

Sabotage, história e música contada pelo olhar de Toni C.

Na terceira edição do “Entrevista Aberta" o autor...

Seedorf será o novo técnico do Milan, diz canal italiano

  O canal italiano Sky Sportnoticiou nesta sexta-feira que...

Seedorf anuncia adeus ao Bota: ‘Que possa manter o que a gente construiu’

Holandês se aposenta para dar início à carreira de...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

Inscrições abertas: chamada pública Serrapilheira-Faperj exclusiva para cientistas negros e indígenas

Estão abertas até 08 de maio as inscrições para a chamada pública destinada a cientistas negros e indígenas lançada pelo Instituto Serrapilheira em parceria com a Fundação Carlos Chagas...
-+=