08 de março 2013 – Manifesto da Articulação de Mulheres Brasileiras

8 de março de 2013
Fortalecer o feminismo,
Defender o Estado laico,
Construir uma sociedade democrática e justa,
Conquistar a liberdade para todas as mulheres!

Vivemos em um tempo em que muitos querem que esqueçamos todos os direitos conquistados, sob a alegação de que devemos honrar a família e valorizar o papel do homem.

Querem que acreditemos que há um Deus que nos fez diferentes para que algumas pessoas fossem melhores do que as outras, um Deus que legitima a desigualdade e não a comunhão ou a solidariedade. Querem nos convencer que não podemos ter autonomia e que devemos nos calar e apenas obedecer.

Vivemos em um tempo em que os fundamentalismos religiosos querem o controle dos nossos corpos e das nossas vidas. Contra eles é preciso lutar, é preciso resistir. Disso depende a nossa liberdade.

Nesse contexto, nossos direitos sexuais e reprodutivos estão seriamente ameaçados. Temos acesso a pílula e outros métodos contraceptivos, mas ainda não temos total controle da nossa vida reprodutiva. Ainda corremos riscos de morte quando precisamos abortar e enfrentamos dificuldades para criar os filhos que escolhemos ter, em geral sozinhas ou com pouca participação dos homens e insuficiente responsabilização do Estado.

Nesse tempo, cresce a força política do fundamentalismo religioso que aqui no Brasil atua principalmente no interior de igrejas cristãs de distintas denominações. Vinculados a estas Igrejas, os fundamentalismos são também expressões políticas e se organizam ideologicamente.

Usam da fé das pessoas para semear toda forma de intolerância e preconceito. Para nós, esses fundamentalistas religiosos são a nova face da inquisição, expressão do poder patriarcal e conservador. É principalmente contra essas doutrinas e seus representantes que levantamos nossas vozes neste 8 de março.

Ao fincarem as suas raízes em todos os lugares do país, onde ininclusive o Estado não chega, os fundamentalistas se organizam e estabelecem como alvo os direitos humanos, a liberdade das mulheres, a livre orientação sexual e a liberdade religiosa. Assim, facilmente se aliam a conservadores da elite, como a Bancada Ruralista no Congresso Nacional.

A força política fundamentalista também está na mídia, controla muitos veículos de comunicação, e determina o que as pessoas podem saber.

Para nós mulheres os fundamentalistas religiosos reservam o lugar de coadjuvantes, auxiliares dos homens. A família, nessa concepção, tem uma estrutura fixa: é heterossexual e comandada pelos ‘chefes’ de família.

Apesar de todo esse poder, de tudo o que nos está sendo imposto, estamos na luta. Enfrentamos cotidianamente estes que querem nos oprimir e que em nome de uma crença propagam o ódio e a descriminação. Nós somos muitas, estamos em todos os lugares e continuaremos lutando pela igualdade e pela nossa liberdade!


Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB)

A AMB é uma organização política não partidária e feminista comprometida
com as lutas anti-patriarcal,anti-racista e anti-capitalista. Atua
potencializando a luta das mulheres brasileiras nos planos nacional e internacional
e orienta sua ação para a transformação social e a construção
de uma sociedade democrática, tendo como referência a Plataforma Política
Feminista (construída pelo movimento de mulheres do Brasil, em 2002).Atualmente, a AMB se orienta por cinco prioridades: a paridade na
política; a mobilização pela vida das mulheres em defesa da legalização do
aborto; a luta pelo fim da violência contra as mulheres; a conquista de políticas
públicas que efetivem os direitos das mulheres; o enfrentamento ao
racismo e a lesbofobia e o enfrentamento ao modelo de desenvolvimento
que agrava a crise social e ambiental no planeta. Sua Secretaria Executiva
Nacional sediada na cidade de Belém e pode ser acessada pelo e-mail:
[email protected].

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Terceirização tem ‘cara’: é preta e feminina

O trabalho precário afeta de modo desproporcional a população...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...

Estudantes do Rio combatem machismo e racismo com projeto transformador

Com o título Solta esse Black, alunas da Escola Municipal...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=