10 Filmes para conhecer o Cinema Africano

O cinema autêntico africano é bastante tardio quando tomamos por referência a história da sétima arte e sua dita invenção. Antes dos anos 50, até se faziam alguns filmes no continente, todavia, não por africanos, mas sim, por europeus, obras enviesadas pelo olhar estereotipado do  colonizador, que representava o continente como uma unidade territorial e populacional exótica e selvagem, classificadas pelos estudiosos do cinema  como colonialistas. Tal como a independência dos países africanos colonizados foi absurdamente tardia, assim também o foi a liberdade artística.  

Havia, de fato, uma proibição imposta às colônias no que se referia à arte. Aos países colonizados pela França, por exemplo, havia o Decreto Laval, em 1934, que proibia a expressão artística pelo cinema. É curioso, se  consideramos os franceses Irmãos Lumiére como inventores do cinema, que o mesmo país que foi berço da cinematografia tenha censurado essa mesma arte como forma de manutenção dos poderes coloniais.  

Há, portanto, o cinema africano colonial e o cinema africano pós-colonial, esse último sim, nutrido pela autenticidade e pela cultura de realizadores africanos. Sendo a colonização um processo de extrema violência, que  abalou estruturas políticas, sociais, econômicas e culturais pelos países onde passou, o cinema pós-colonial africano e de descolonização carrega de  forma muito intensa os rastros da brutalidade europeia principalmente sobre o povo, que buscava retomar suas raízes identitárias, tão covardemente conturbadas.  

O cinema africano é uma preciosidade que clama por um merecido  reconhecimento e difusão. Num mundo que ainda vive em descolonização, que ainda se volta majoritariamente às visões estadunidenses e europeias, valorizar e exaltar o cinema africano é uma necessidade social e cultural. Por essa razão, propõe-se a difícil tarefa de selecionar 10 filmes fundamentais  para conhecer o cinema africano, pós-colonial e contemporâneo, para facilitar esse primeiro passo tão, caso ele ainda não tenha sido dado. São eles, em ordem cronológica: 

1. O Carroceiro | Dir. Ousmane Sembène | 1963 | Senegal  

O Carroceiro é tido como o primeiro filme produzido por um país  africano, e dirigido por um diretor do continente. Não à toa, traz uma atmosfera de desesperança, conformismo, falta de confiança, e até uma  frieza pela necessidade de sobreviver – a bagunça feita pelos europeus.  

Sembène, nesse curta-metragem de apenas 20 minutos, nos insere nos  contrastes de Dakar, capital do Senegal, do início dos anos 60, através da  rotina de trabalho de um carroceiro, que transporta passageiros num bairro rural. Quando, à contragosto e por necessidade de subsistência, transporta um homem até o centro da cidade, onde é proibida a circulação de charretes, o carroceiro passa por uma série de adversidades que o fazem desacreditar e desanimar cada vez mais de sua própria situação.  

Os pensamentos e desgostos do protagonista nos são expostos por uma narração em off muito direta e sincera. Sembène é dono de uma direção sofisticada e elegante, e contrasta de forma bem definida em duotone as diferenças entre os espaços acessados pelo protagonista, o que exacerba seu desconforto onde não é bem-vindo.  

Com um final sutilmente feminista, quando, após o desastroso e  infrutífero dia do carroceiro, sua esposa é que parece que irá dar um jeito em tudo, o primeiro filme originalmente africano é uma pérola magnífica, um impressionante exemplo sobre um cinema genuíno e verdadeiro feito com poucos recursos e pouco tempo em tela.  

2. A Negra De… | Dir. Ousmane Sembène | 1966 | Senegal  

Em 59 minutos e focado em uma única personagem, o pioneiro do  cinema africano e senegalês Ousmane Sembène consegue traduzir a  opressão colonialista sofrida por um povo inteiro. A Negra De…, cujo título  vem acompanhado de reticências para que o próprio espectador possa se  questionar como completá-lo, é um filme de 1966 que passou pelo Festival  de Cannes em 1966, e recebeu homenagens recentes nos festivais de  Veneza, Locarno, Rotterdam, dentre tantos outros.  

Acompanhamos, no primeiro longa-metragem de Sembène, a  protagonista Diouana (Mbissine Thérèse Diop), uma jovem senegalesa que deixa sua terra natal, a cidade de Dakar, para trabalhar como governanta na  costa francesa com seus patrões, que lhe prometem oportunidades e uma  vida melhor no país europeu.  

Muito embora seja estilisticamente comparado à nouvelle vague, o diretor senegalês possui uma marca muito própria, apropriando-se da  elegância já demonstrada em O Carroceiro, e retrata com a crueza  necessária uma protagonista silenciosa, mas que apresenta seus  questionamentos através da narração em off, aqui também presente, e se  vê muito longe das promessas que lhe foram feitas.  

O filme aborda o fetichismo e a lógica racista da branquitude perante a  personagem protagonista, que é explorada como se escrava fosse e  nascesse para ser. Dotado de uma bela direção de arte que sai da  movimentada e acolhedora Dakar para as enclausurantes paredes de um  apartamento na costa francesa, e uma fotografia rebuscada, A Negra De… é  um belíssimo e fundamental trabalho que se tornou um clássico do cinema  africano  

3. Sambizanga | Dir. Sarah Maldoror | 1972 | Angola  

Sambizanga, de Sarah Maldoror, é um dos primeiros filmes africanos a  serem dirigidos por uma mulher. Foi realizado, inclusive, numa Angola ainda  sob o domínio português. É muito significativa e potente a resistência que  esse filme emana simplesmente por existir: um filme de produção africana,  feito por uma mulher, em pleno período colonial, e que fala justamente  sobre a iminência da guerra da libertação (ou da independência).  

O contexto pré-guerra da libertação é semelhante ao da ditadura  brasileira em alguns aspectos. Integrantes da militância eram capturados e  torturados pela polícia à mando do colonizador, acabando mortos ou desaparecidos. Sambizanga nos mostra uma Angola de 1961 através de Domingos Xavier (Domingos Oliveira), militante anticolonialista membro do Movimento Popular da Libertação da Angola, e principalmente pelo olhar de sua esposa Maria (Elisa Andrade), que após a captura do marido, parte em sua busca com o filho bebê nas costas.  

Com o direcionamento do olhar para Maria, Sarah Maldoror nos faz conhecer a militância feminina inconsciente. Muito embora as mulheres do  longa não sejam politizadas e nem integrem diretamente o Movimento Popular da Libertação da Angola, têm um posicionamento definido e  formam uma rede de apoio tanto aos militantes como para si mesmas, numa  demonstração impressionante de sororidade que é lindamente marcada  pela diretora. É potente e belíssimo como em cada momento de fragilidade  de Maria, forma-se uma rede de mulheres eficientes que se prezam a não  só acalentá-la e fortalecê-la, mas a cuidar de seu bebê quando ela não  mostra-se capaz de fazê-lo. Há uma compreensão silenciosa e uma força que  faz brotar desse silêncio que torna a protagonista capaz de seguir sua  jornada. Esse movimento coletivo é que sustenta a resiliência de Maria na  luta.  

Pioneiro em resistência anticolonial e no cinema africano e político feito  por mulheres, Sambizanga é uma obra lindamente espantosa e de uma força  tremenda que reverbera após experenciada.  

Está acessível e integra catálogo da Mubi.  

4. Touki Bouki | Dir. Djibril Diop Mambéty | 1973 | Senegal  “Da França nada vem de bom. Nenhuma criança volta.”  

Uma obra-prima e um clássico do cinema africano e mundial, Touki Bouki  – A Viagem da Hiena ocupa a posição 66 dos eleitos melhores filmes de todos  os tempos da Revista Sight and Sound em 2022. Inspirou muitas obras  contemporâneas e extrapolou o mundo do cinema, sendo referenciado e  reverenciado, inclusive, pelas estrelas da música Beyoncé e Jay Z, para  divulgação da turnê conjunta On The Run (ainda que esse tenha sido um  movimento que encontrou problemas de direitos autorais).  

Mambéty constrói uma crítica forte de muitas camadas sobre o Senegal  pós-colonial como um país bagunçado e oscilante entre apropriar-se  novamente de sua cultura e o modo de vida europeu que invariavelmente  começa a predominar na capital, confusão identitária que se forma  principalmente nos mais jovens. Com a promessa de uma vida melhor no  solo do colonizador, acompanhamos o casal Mory (Magaye Niang) e Anta  (Mareme Niang) e seus esforços moralmente duvidosos para arrecadar  dinheiro e ir para Paris.  

Com planos de um luxo e uma criatividade cinematográfica memoráveis  e uma câmera vertiginosa, Mambéty ironiza e zomba dos costumes e vestimentas europeus, e usa de uma montagem e trabalho de som  experimental e inventivo que nos faz ouvir as ações antes que elas  aconteçam em tela. Há uma onipresença espiritual e ancestral, ainda, que  vai sempre permeando os protagonistas e colocando em dúvida suas  decisões. O diretor brinca, ainda, com a ideia do sacrifício, intercalando  imagens de animais abatidos como em referência aos jovens que migram  para a França.  

Com uma atmosfera sempre estranha e um tanto insana, ao som  repetitivo e persistente do refrão da canção Paris, Paris, Paris, de Josephine  Baker, Mambéty já denunciava, de forma poética e muito criativa, a questão  migratória que assola os países africanos até hoje. Touki Bouki – A Viagem  da Hiena fez parte da seleção oficial do Festival de Cannes em 1973, onde  recebeu o prêmio da crítica.  

5. Ó, Sol | Dir. Med Hondo | 1973 | Mauritânia  

Por Vinicius Costa  

O prólogo de Ó, Sol é uma metáfora para tudo que se dará na sequência. De forma lúdica, o cineasta Med Hondo nos apresenta seu tema: a  colonização do povo africano. Há um processo de batismo dos africanos que  os coloca sob o jugo do colonizador. No início é como uma catequização,  mas que logo se transforma em uma marcha militar. O colonizador que  observa do topo recruta jovens do próprio povo oprimido para servirem de  carrascos. A dominação é também mental, estabelecendo o ódio e a  violência entre os nativos: uma “desconscientização” da luta.  

Da Mauritânia vamos para a França, espaço onde poderia se vislumbrar  uma vida menos pobre. A chamada “invasão negra” acontece. O povo  colonizado quer seu espaço, mas não há hospitalidade para eles. Nem  empregos. Nem moradia. Nem o mínimo de atenção governamental. Ó, Sol é um grito antirracista e decolonial que questiona toda uma estrutura de  opressão que nem sempre é evidente, mas opera em pequenos gestos, em  pequenos almoços familiares ou até mesmo no ato sexual. É um dos grandes  filmes da vanguarda seiscentista que é colocado em segundo plano por ser  negro. Faz parte de um dos movimentos de novos cinemas políticos e  revolucionários. 

6. Mossane | Dir. Safi Faye | 1996 | Senegal  

Dirigido por Safi Faye, diretora senegalense primorosa, Mossane é a  personagem título vivida pela inebriante Magou Seck, uma garota de 14 anos  cuja juventude é atravessada pela promessa de um casamento abastado que  a acompanha desde criança. Apaixonada por um universitário, Mossane luta  para impor sua voz e opinião contra o casório, enquanto não só seus pais,  mas todo vilarejo tomam sua vontade como mera rebeldia.  

A obra é bastante fluída e vai tornando-se mais obscura no seu decorrer.  Faye nos embala na pretensa liberdade de Mossane, em cenas belas e muito  livres, numa sociedade que ao mesmo tempo em que parece desprovida de  muitos pudores ocidentais, como, por exemplo, o incômodo pela nudez dos  seios femininos, aqui naturalizada, não sexualizada e responsável por uma  cena lindíssima de troca de confidências entre amigas num banho, por outro  lado prende-se em convenções sociais extremamente conservadoras como  o casamento prometido. Há uma admiração de Faye por aquela  comunidade, mas também uma forte crítica a esse conservadorismo.  

As tradições religiosas e a ancestralidade movem o microcosmo que  entorna Mossane são transformados por Faye em personagens Os deuses  ancestrais que protegem e a observam são personificados pela figura de três  homens, que surgem em momentos importantes. Ali, o poder ancestral e da  terra fornecem as soluções a muitos acontecimentos do vilarejo. Faye se  utiliza ainda de uma pontual narração musical que também é colocada como  se a voz dos próprios deuses, um teatro grego cantando o destino de Mossane e como ela foi aprisionada por sua beleza.  

7. A Pequena Vendedora de Sol | Dir. Djibril Diop Mambéty | 1999 |  Senegal  

Outra obra de Djibril Diop Mambéty de relevância, o curta-metragem  A Pequena Vendedora de Sol foi seu último filme, que estreou  postumamente em 1999 (o diretor faleceu em julho de 1998), parte do que  seria o projeto Contos de Pessoas Comuns, dedicado às crianças de rua, lamentavelmente inacabado.  

Trata-se de uma obra de estilo realista, que nos conta a história de Sili (Lissa Balera), uma menina que perambula de muletas por Dakar pedindo  esmolas, que assim como os meninos vendedores de rua, começa a vender “sol”, desafiando essa regra masculina das ruas. O diretor imprime um belíssimo e sensível olhar sobre essas crianças, criando uma protagonista apaixonante, ao mesmo tempo que critica fortemente a estrutura social que  as aprisiona na pobreza e na carência de oportunidades.  

A Pequena Vendedora de Sol está disponível no catálogo da FILMICCA.    

8. Timbuktu | Dir. Abderrahmane Sissako | 2014 | Mauritânia    

Timbuktu é uma obra bastante prestigiada. Fez sua estreia mundial no  Festival de Cannes, concorreu à Palma de Ouro e levou para casa o Prêmio  do Júri Ecumênico e o prêmio Chalais François. Foi, ainda, indicado ao Oscar  de Melhor Filme Internacional em 2015, representando a Mauritânia.  Sissako abre algumas feridas de abordagem bastante delicada em seu longa,  ao situar o contexto da atuação do estado islâmico na pequena cidade-título  e seus reflexos diretos na população, tomando, porém, o cuidado de não  exatamente vilanizar os seres humanos por trás do grupo extremista.  

O diretor permeia o vilarejo para demonstrar a ocupação jihadista que  substitui o Estado após um golpe militar. No conservadorismo e rigidez  extremos pregados em nome da religião, a violência pune mulheres que não  utilizam da vestimenta adequada, que não cobrem o rosto. Pune futebol e  música. Em paralelo a essa personagem-cidade, acompanhamos o conflito  de um pai de uma família nômade que acaba por se envolver num crime e  passa pelo julgamento do Estado Islâmico.  

Abderrahmane Sissako impressiona pelos cenários e paisagens  dotados de uma beleza natural extrema ao mesmo tempo que abrigam o  extremismo e a violência. Se utiliza muito da predominância do amarelo na  fotografia para reforçar o aspecto já arenoso do local. Timbuktu é um filme  intenso, belamente construído que busca o realismo e a humanidade como  forma de denunciar o reflexo do extremismo nas pessoas que ele submete.    

9. Rafiki | Dir. Wanuri Kahiu | 2018 | Quênia  

No Quênia, a homossexualidade é criminalizada. Rafiki é o cinema de  resistência no contexto contemporâneo. O longa de Wanuri Kahiu, cuja  exibição em seu próprio país foi proibida, chegou a ser a indicação para a  categoria de Melhor Filme Internacional do Oscar, o que foi barrado pela  censura. 

Uma obra doce, vívida e ingênua, que transita com equilíbrio entre uma  leveza adolescente e um tom de descoberta e a crueldade e violência da  LGBTfobia. Kahiu se apega numa narrativa à lá Romeu e Julieta para imprimir  uma rivalidade política entre as famílias das protagonistas. O uso bem  marcado e até florescente das cores constrói um ambiente que pulsa vida  adolescente apaixonada, o que é muito bonito.  

Kahiu não permite que a violência homofóbica seja a definição da vida  dessas personagens. Apesar de ditar decisões em prol da segurança das  garotas, a diretora permite esperança.  

Rafiki pode ser assistido no Netflix.  

10. Atlantique| Dir. Mati Diop | 2019 | Senegal  

Atlantique consegue reunir muitos gêneros. Estreia de Mati Diop,  sobrinha de Djibril Diop Mambéty (Touki Bouki – A Viagem da Hiena) na  direção de um longa, a ideia vem despontando desde 2009, quando a  diretora realizou um curta-metragem de mesmo nome, que trata da  imigração ilegal através da história de alguns amigos.  

 Aqui, o protagonismo é de Ada (Mame Bineta Sané), uma jovem  prometida a um homem rico, mas apaixonada por Souleimane (Babacar  Sylla), trabalhador de uma construtora que levanta um assustador prédio  grandioso que parece totalmente deslocado naquele espaço. Diante da falta  de pagamento de salários pela construtora, Souleimane e seus  companheiros resolvem arriscar a travessia de barco para a Europa,  encontrando sua tragédia.  

Atlantique engana o espectador quando parece se interessar apenas pela  história de amor e sofrimento de Ada. O longa, que carrega uma estranheza  permanente reforçada por sua trilha sonora, muda o tom quando no casamento de Ada, alguém vê Souleimane, que já era tido como morto. A  partir daí, Mati Diop dá um rumo fantasmagórico e policial ao longa, numa  perseguição obcecada da polícia por Ada e de Ada por seu amor.  

Para muito além do romance, a diretora aborda com sutileza a crueldade da imigração ilegal e homenageia de forma muito bonita as vítimas dessas  travessias, lhes concedendo uma espécie de redenção. Para além, ainda, dos  problemas imigratórios, Diop consegue trazer à tela o descumprimento de  direitos trabalhistas pelos detentores dos meios de produção. O filme deu à Mati Diop o Grand Prix do Festival de Cannes 2019, que foi a primeira mulher negra a participar da competição principal.  

Atlantique está disponível no catálogo da Netflix. 

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Mulheres Negras Fumageiras: lutas de trabalhadoras no Recôncavo Baiano

Era segunda-feira e a cidade de São Gonçalo dos...

“Volte pra favela” por Olivia Santana

Foi este o brado insultuoso, semelhante ao autoritarismo dos...

Crianças negras e a liberdade para sonhar

Maternidade e paternidade estão entre as maiores e mais...

Cultura: como Batuku e Cordel destacam a participação de mulheres e jovens

Cada país possui suas próprias expressões culturais. O cordel...

para lembrar

Desafios das mulheres negras no mercado de trabalho

As mulheres negras enfrentam desafios históricos na sua inserção...

Autocuidado e bem viver: Algo muito distante das periferias refém de Salvador- Bahia

Tenho ouvido tanta gente falando de autocuidado para pessoas...

Pandemia ladeira abaixo – A gente sempre tem que morrer?

No início da pandemia, fomos chamados para uma ocorrência...

Legado de Sobrevivência

Arrancaram-nos de nossas origens. Invadiram e tomaram nossas terras. Nós, afro-brasileiros...

Linguagem não-binária: o Xis da questão

a manhã sendo. da janela de casa vejo a cabeça branca do velho pi-cazzo, grafiteiro veterano aqui do bairro, pichando a parede nua da paróquia. pego...

A lei 10.639/2003 no contexto da geografia escolar e a importância do compromisso antirracista

O Brasil durante a Diáspora africana recebeu em seu território cerca de 4 milhões de pessoas africanas escravizadas (IBGE, 2000). Refletir sobre a formação...

Léo Lins, Fabio Porchat e o antirracismo de conveniência.

A repercussão de setores da grande mídia acerca da condenação do comediante Léo Lins em ter removido do Youtube, show de piadas de cunho...
-+=