17 mulheres eleitas em votação histórica na Arábia Saudita

Salma bint Hizab al-Oteibi foi o primeiro nome a ser anunciado. Foi eleita na região de Meca, num círculo onde concorreu contra sete homens.

Por Alexandre Martins Do Publico

Muito se sabe sobre a forma como as mulheres são tratadas na Arábia Saudita, mas pouco se sabia sobre a vida de uma delas em particular. Este domingo, Salma bint Hizab al-Oteibi saiu do anonimato e deu um passo que pode ser importante para as mudanças que tardam em chegar ao reino – foi a primeira mulher eleita para um cargo público, nas primeiras eleições de sempre em que os homens não foram os únicos a concorrer e a votar.

No sábado, os sauditas foram às urnas apenas pela terceira vez em meio século, para preencherem os pouco relevantes cargos nas divisões municipais. Mas o simbolismo deste acto eleitoral em particular ultrapassou em muito a importância do seu impacto na vida política do país – pela primeira vez, a Arábia Saudita permitiu que as mulheres pudessem votar e ser eleitas, embora inúmeras restrições tenham feito com que os boletins apresentassem 978 mulheres e 5938 homens.

Os primeiros resultados só começaram a ser anunciados este domingo, e para muitas activistas sauditas a eleição de uma mulher seria apenas a cereja no topo do bolo. No sábado, uma das eleitoras, Hatoon al-Fassi, dizia à BBC que não queria saber dos resultados, nem estava preocupada com a hipótese de nenhuma mulher ser eleita: “É uma sensação excelente. É um momento histórico. Agradeço a Deus estar a vivê-lo. (…) O que realmente interessa é que pudemos exercer este direito.”

Mas Hatoon terá agora mais motivos para festejar, depois de as autoridades locais terem começado a divulgar os resultados. Para além de Salma bint Hizab al-Oteibi, que foi eleita no distrito de Madrika (em Meca, a cidade mais sagrada para o islão), outras 16 mulheres mereceram a confiança dos eleitores. De acordo com a comissão eleitoral, Salma concorreu com sete homens e duas mulheres para um lugar no conselho municipal da sua região.

Nem todas as identidades das eleitas tinham sido divulgadas ao final da tarde de domingo (hora de Portugal continental), mas já estavam disponíveis alguns dos nomes que começaram a receber os parabéns através das redes sociais: Huda, eleita em Riad; Lama, Rasha, Sana e Massoumeh, em Jedah; Hanouf, em al-Jawf; Mina e Fadhila, em Arar; Khadra, em Qatif; Aisha, em Jazan.

“Ficaríamos muito orgulhosas nem que tivesse sido eleita apenas uma. Sinceramente, não esperávamos que alguma delas ganhasse”, disse à agência AFP Sahar Hassan Nasief, uma activista pelos direitos das mulheres que vive em Jedah.

Em 2011, no auge da Primavera Árabe, o rei Abdullah anunciou um modesto pacote de reformas, que incluía uma autorização para que as mulheres pudessem votar nas eleições municipais de 2015. Abdullah morreu em Janeiro, mas o seu sucessor, Salman, cumpriu a promessa, mesmo que o seu ainda curto reinado esteja a assumir uma linha ainda mais conservadora.

A participação nas eleições de sábado não ultrapassou os 25%; os novos representantes municipais pouco mais podem fazer do que gerir a recolha de lixo e cuidar de jardins; e o número de eleitores registados é apenas mais um sinal de que muito está ainda por fazer – 130 mil mulheres e 1,35 milhões de homens. Mas, quando se olha para as percentagens de participação divididas por género, em pelo menos duas regiões, percebe-se que muitas mulheres não perderam esta oportunidade para enviarem mais um sinal ao regime: na região de Baha, cerca de 82% das mulheres registadas foram votar, contra cerca de 50% dos homens; em Asir, a participação das mulheres chegou a 79%, contra 52% entre os homens, segundo a agência AFP.

O facto de as mulheres sauditas precisarem da autorização de um homem para tomarem várias decisões nas suas vidas limitou o número de candidatas – durante a campanha, por exemplo, as mulheres não podiam expor as suas ideias falando directamente com os homens, e as suas caras não podiam ser estampadas em cartazes.

+ sobre o tema

Pai atende pedido do filho para se vestir de princesa

Paul Henson, dos Estados Unidos, deixou o filho se...

Livro que aborda carreira e pioneirismo da atriz Ruth de Souza será lançado no Rio

Livro aborda a trajetória e as memórias da atriz...

Muito além dos fetos

Adorei este texto que peguei e traduzi daqui. A...

Qual o problema de um atleta ser gay?

Ficamos revoltados quando um jogador de futebol negro é...

para lembrar

O que o sexismo de Bolsonaro nos diz sobre submissão de primeiras-damas

Sobraram no Brasil hashtags de apoio à francesa e...

Câmara aprova projeto que agiliza divórcio

Fonte: Folha de São Paulo   Foto: Yuri Arcurs—Getty Images/Tetra images...

Ai, Maranhão! – Por Cidinha da Silva

Alcione foi quem me apresentou o Maranhão que aprendi...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=