18 e 19 de novembro – Bahia sediará Encontro Ibero-Americano do Ano Internacional dos Afrodescendentes

Conhecida como Roma Negra, por ser a capital com maior percentual de negros fora da África, Salvador, prepara-se para um grande acontecimento mundial. A ONU vai concluir a programação do Ano Internacional dos Afrodescendentes, na capital baiana, nos dias 18 e 19 de novembro, com o encontro de países ibero-americanos, caribenhos e africanos. A organização do evento ficará a cargo do Itamaraty, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e da Secretaria de Promoção da Igualdade do Estado da Bahia, com o apoio da Serinter. Também foi nomeado embaixador especial da Secretaria Geral Ibero-americana (Segib), para a comemoração do Ano Internacional dos Afrodescendentes, o ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira.

Após se passarem 10 anos da II Conferência Mundial Contra o Racismo, Xenofobia e Intolerâncias correlatas, ocorrida em Durban (África do Sul/2001), em que a vereadora participou como delegada do Brasil, Olívia, que faz parte da organização do encontro na Bahia, destacou nas últimas reuniões que o evento coloca o Brasil na vanguarda da articulação dos direitos dos afrodescendentes, uma vez que o EUA e o Canadá, não reconhecem a conferência de Durban. “É importante que o Brasil assuma esse papel de protagonista, aproveitando o evento para que ações sejam desenvolvidas no sentido de elevar a situação do afrodescendente no país, destacando a necessidade de termos mais negros no poder”, pontuou Olívia.

Militante das causas negras, na última reunião, a vereadora Olívia sugeriu ao comitê organizador, que o secretario geral da ONU seja convidado, aumentando assim o peso internacional do Encontro, que tem como objetivos principais dar visibilidade aos subsídios sociais e culturais dos afrodescendentes, estimular o intercâmbio de conhecimentos, cooperação regional, nacional e internacional sobre o assunto, além de colaborar para a formulação de políticas públicas voltados à população negra. Salvador foi escolhida para sediar o evento, pelo fato do Brasil ser considerado modelo de boas práticas compensatórias e de inclusão social da população afrodescendente.

São esperados em torno de 15 chefes de estados, entre eles a presidente Dilma Roussef, além de autoridades de países africanos, parlamentares e representações do movimento social negro.

Fonte: Olivia Santana

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

Zumbi é homenageado em cavalgada pela liberdade

Doze horas a cavalo pelas serras da Barriga...

ONU aprova Década do Afrodescendente a partir de 2013

Luciano Nascimento Repórter da Agência Brasil Brasília - O ano de...

HILTON COBRA – Novo Presidente da Fundação Palmares

Hilton Cobra, é o novo  presidente da Fundação Cultural...

Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana

A íntegra da política já está disponível para download. Lançado...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Com discurso de Lula e da ministra Anielle Franco no Fórum de Afrodescendentes na ONU, Geledés aponta que o Brasil está no caminho certo...

“Para Geledés, o Fórum Permanente de Afrodescendentes é extremamente importante, porque pode construir, no sentido mais amplo, compromissos de enfrentamento ao racismo global. Sobre...

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...
-+=