7 famosos que perderam trabalhos por racismo ou homofobia

Hollywood ainda é um lugar muito preconceituoso – largamente porque o mundo ao redor de Hollywood ainda é um lugar muito preconceituoso, e é um sample da vontade do público dominante que a indústria do cinema busca representar, infelizmente.

por Caio Coletti no Observatório do Cinema

Abaixo, confira famosos que perderam trabalho por racismo ou homofobia:

Observatório do Cinema

JAMIE FOXX | Foxx confessou que foi barrado da produção de um musical durante seus anos de faculdade por ser negro: “Eles precisavam de um tenor, e haviam me visto cantando em algum outro lugar. Então, na verdade, foi a produção do musical que veio até mim – mas eles não me deixaram entrar no palco, eu só podia cantar atrás das cortinas”.

Observatório do Cinema

RUPERT EVERETT | O astro de 59 anos afirmou que perdeu “três em cada quatro” papéis para os quais foi testado por conta de sua sexualidade. Everett classificou Hollywood como “agressivamente heterossexual”, e disse que homens gays são tratados por lá como “cidadãos de segunda classe”.

Observatório do Cinema

DENZEL WASHINGTON | O ano era 1986, e Denzel ainda estava construindo o começo de sua carreira em Hollywood, quando foi oferecido a então exorbitante soma de US$ 600 mil para interpretar um personagem que considerou racista. “Era uma coisa terrível, esse cara negro que estuprava, matava e escapava da punição da lei. Eu acabei recusando o papel, foi um conselho de Sidney [Poitier]”, comentou.

Observatório do Cinema

COLTON HAYNES | Antes de se assumir em 2016, ele era o Roy de Arrow e o Jackson de Teen Wolf. Apesar de continuar nesses papeis, só conseguiu projetos adicionais em American Horror Story e Scream Queens, ambas do produtor (gay) Ryan Murphy. Haynes já falou em entrevistas que se tornou mais difícil conseguir papéis após se assumir.

Observatório do Cinema

TARAJI P. HENSON | Em biografia lançada em 2016, a estrela de Empire e Estrelas Além do Tempo caracterizou o problema do racismo em Hollywood de forma bem franca: “Há mais atrizes negras talentosas do que papéis inteligentes e bacanas para elas. Logo, a maioria de nós é obrigada a catar as migalhas, os papéis ruins, ou morrer de fome”.

Observatório do Cinema

ELLEN DEGENERES | A sitcom dela era uma das mais populares da TV quando se assumiu, em 1997. No ano seguinte, a série seria cancelada – após cinco anos com dificuldade para achar trabalho, ela resolveu aceitar a proposta de um programa diurno na TV aberta, e o resto é história.

Observatório do Cinema

LUKE ELLIOTT | Esse jovem ator americano já começou sua carreira fazendo barulho quanto ao racismo em Hollywood. Segundo ele, é difícil para atores negros começarem sua carreira porque “todos os roteiros que eles nos dão são algum estereótipo de bandido ou alguma comédia escrachada cheia de ofensas”.

+ sobre o tema

De biquíni e maiô, gordinhas famosas fazem manifesto contra o preconceito

Cacau Protásio, Simone Gutierrez, Mariana Xavier e Fabiana Karla...

Uma cidade dos EUA processa o Santander por discriminação

O município de Providence acusa a entidade de dar...

OAB-CE pede identificação de autores de frases ofensivas contra Miss Brasil

Melissa Gurgel foi alvo de racismo ao receber título...

para lembrar

Jamais sofra calado. Negro!

Se você ficar calado sobre sua dor, eles o...

Repita Comigo: Racismo Reverso Não Existe

Uma das coisas mais comentadas nos últimos anos é...

Mulheres denunciam racismo em agência bancária na Barra e apontada como autora das ofensas é presa

Três mulheres registraram queixa na polícia afirmando terem sido...

Sobre futuros colecionáveis

Trabalho com tendências futuristas, tecnologia e inovação social. Muito...
spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=