‘A arquitetura é branca, elitista e machista’

Arquiteta Gabriela Matos lançou um mapeamento on-line para divulgar e potencializar o trabalho das mulheres negras; em agosto será lançada a primeira revista brasileira sobre o tema

Gabriela Matos criou o projeto “Arquitetas Negras”, que terá como ação inicial a produção da primeira revista brasileira com conteúdo pensado e produzido exclusivamente por elas /Foto: Arte de Lari Arantes sobre foto de divulgação
 Você conhece alguma arquiteta negra? Já viu em alguma mostra ou publicação? Era a pergunta que Gabriela Matos se fazia. Negra, formada pela PUC de Belo Horizonte e pós-graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e exercendo a atividade há dez anos, a mineira não encontrava outras profissionais como ela no mercado de trabalho e nos meios que frequentava. Ao se incomodar com a ausência, ela lançou, ao lado da recifense Bárbara Oliveira, um mapeamento on-line no início do ano passado, que busca encontrar, catalogar, divulgar e potencializar o trabalho de mulheres negras nas áreas da arquitetura, design e urbanismo.
Até o final de 2018, mais de 330 arquitetas negras se cadastraram na plataforma. Assim surgiu o projeto “Arquitetas Negras”, que terá como ação inicial a produção da primeira revista brasileira com conteúdo pensado e produzido exclusivamente por arquitetas negras. A verba para publicação veio por financiamento coletivo.

— A arquitetura é branca, elitista e machista. É algo que temos que levantar a discussão. As pessoas precisam se atentar na academia sobre a ausência dos negros nas faculdades. E quanto mais a gente fala, mais contribui. Ou então as pessoas normalizam e não movem estrutura. O apagamento das arquitetas negras é fruto do racismo e machismo estrutural que vivemos na sociedade brasileira — defende ela.

Uma pesquisa do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU) de março deste ano mostra que o  país tem 167.060 arquitetos e urbanistas ativos e registrados. A maioria, 63,10% (105.420), são mulheres , enquanto 36,90% (61.640) são homens. A parcela de mulheres entre estudantes é bem maior: 67%

— É uma questão de gênero também. Mesmo sendo a maioria, as referências desta área são sempre homens brancos — relembra.

Ao se apresentar como arquiteta, Gabriela estranhava o frequente olhar de estranhamento e a consequente pergunta: “mas você trabalha com arquitetura?”. Ao começar a fazer levantamento, ela descobriu que a sua realidade era distante da maioria das graduadas negras. Muitas profissionais nunca conseguiram trabalhar em um escritório de arquitetura.

 

— Me considero uma pessoa privilegiada, pois sempre exerci a arquitetura desde quando me formei, há 10 anos. Sei que esta não é a realidade das outras arquitetas negras — analisa ela, que tem passagens por três prefeituras mineiras com foco em urbanismo.

Os dados mostram também a importância das políticas afirmativas de acesso às universidades — como cotas raciais e ProUni  — já que a maioria das formadas identificadas são recém-formadas ou graduadas há pouco tempo — salienta. São poucas as que se identificaram no levantamento com mais de dez anos  de trabalho na área ou graduação.

 

— Chegamos em uma mostra, não nos reconhecem como arquitetas. Acreditam que somos secretárias ou assistentes. Nada contra, mas ocupamos outros lugares também. Nunca foi fácil para a população negra ter acesso à educação. Aí, consegue passar por um curso que é elitista, difícil de ser concluído, já que o material é muito caro e, na hora que chega ao mercado de trabalho, é apagado, como se nada que tivesse feito importasse — lamenta.

Em sua opinião, o mercado da arquitetura está ficando cada vez mais seletivo por conta da assimilação de novas tecnologias. A grade das faculdades oferece a base. Para o uso de softwares da área, o estudante deve procurar cursos externos e bancar do próprio bolso. Os alunos de baixa renda não conseguem ter esta complementação no currículo e são descartados nos processos seletivos.

Por este motivo, depois do lançamento da revista, previsto para agosto, o “Arquitetas Negras”, em parcerias com outras instituições, planeja promover cursos de capacitação para facilitar o acesso do estudante aos softwares de arquitetura.

— Estamos nos articulando para botar esta discussão na prática e fazer a diferença na vida das pessoas — diz ela, que também pretende criar um site do projeto com referências das profissionais e bibliografias.

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...

Para ministra, igualdade racial deve ser vista como questão estratégica

  A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=