A comissária de bordo rejeitada que fundou sua própria companhia aérea.

Para uma mulher de negócios sul-africana, levar mais mulheres piloto para os céus é mais que seu trabalho. É sua paixão. Sibongile Sambo queria ser comissária de bordo da South African Airways, mas ela não tinha a altura minima requerida para a função.

Por  Carlos Ferreira,  do Aeroin

Por amar a aviação, ela tomou uma decisão e começou seu próprio negócio. Para isso, ela precisou vender seu carro e usar o dinheiro da pensão de sua mãe para que seu objetivo pudesse se tornar realidade. Hoje, ela é fundadora da SRS Aviation, a primeira companhia aérea feminina da África.

Em 2004, a Sra. Sambo foi contratada para seu primeiro voo fretado para o governo Sul Africano.

Desde então, a SRS Aviation cresceu e agora provê serviços personalizados, incluindo helicópteros, turismo e voos de luxo para qualquer destino no mundo. A tripulação, que é baseada em Joanesburgo, já realizou voos para os Estados Unidos e Europa.

“Pode ser um fretamento de turismo por US$ 1.000 ou um chefe de estado em um voo VIP para os Estados Unidos, que pode sair cerca de US$ 200.000”, disse a empreendedora.

sambo12

Crescendo com o negócio

O negócio pode estar voando alto agora, mas ele já passou por turbulências. Para Sambo, crescer numa indústria dominada pelos homens e aprender a ‘linguagem’ da aviação se provaram grandes desafios.

Apesar das dificuldades, a SRS Aviation recebeu um Certificado de Operador Aéreo da agência reguladora da aviação na África do Sul (CAA), permitindo que operasse voos comerciais. Até agora, a empresa já ajudou várias mulheres a tirar suas licenças de piloto e estão empregadas na SRS.

A companhia também tornou-se parceira da MCC Aviation, um “player” já estabelecido na aviação sul-africana. O negócio deu a Sambo acesso a uma frota de aeronaves, bem como suporte técnico e operational.

“Cheguei aonde estou por que alguém investiu em mim”, diz ela. “Agora, é minha vez de investir em outras pessoas”.

Adaptação da matéria da CNN

 

Leia Também:

Pela primeira vez Boeing 737 é pilotado apenas por mulheres

 

 

+ sobre o tema

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=