A inclusão social e racial no centro dos debates

A despeito dos avanços registrados em anos recentes, ainda existe na sociedade brasileira uma dificuldade em reconhecer o racismo como um elemento estruturante das hierarquias sociais. A afirmação foi feita na manhã desta sexta-feira (28) pela ministra Luiza Bairros, titular da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), durante a abertura dos Fóruns Permanentes Ensino Superior – Inclusão e Diversidade: Políticas atuais e desafios para o futuro. O evento, realizado pela Coordenadoria Geral da Unicamp (CGU), contou com a organização do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH).

De acordo com Luiza Bairros, ainda que o tema do racismo tenha entrado na agenda nacional, existe uma enorme resistência por parte de setores da sociedade em admitir que o fenômeno pode causar efeitos na vida das pessoas. “Vale destacar que esses efeitos podem ser positivos e negativos. Historicamente, eles têm proporcionado vantagens para a parcela branca e desvantagens para a parcela negra da população”, afirmou.

Conforme a ministra, os avanços conquistados pelos negros não foram suficientes para reduzir as desigualdades raciais que ainda afetam muitos brasileiros. “Embora os negros constituam mais da metade da população do país, eles não estão representados nessa mesma proporção nas universidades, nos cargos de comando das empresas e nas estruturas de poder. Entendo que esse tipo de desigualdade tem que ser enfrentado com políticas eficazes de ação afirmativa, sem as quais não conseguiremos reduzir as resistências”, considerou.

Representando o reitor José Tadeu Jorge no evento, o pró-reitor de Graduação da Unicamp, professor Luís Alberto Magna, disse que o tema tratado no Fórum é de alta relevância. Segundo ele, a Universidade tem trabalhado a questão das ações afirmativas desde 2003. “Em 2004, a instituição criou o Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (PAAIS), que provocou uma ampliação significativa, nos cursos de graduação, no número de alunos egressos dos extratos menos favorecidos da população, bem como daqueles autodeclarados pretos, pardos e indígenas”.

Um aspecto importante relacionado ao PAAIS, segundo o pró-reitor, é que os beneficiários do programa têm apresentado um desempenho que nada deixa a dever ao alcançado pelos estudantes que ingressaram na Universidade sem contar com pontos de bonificação. “Vale destacar que a Unicamp não tem se preocupado somente em garantir o acesso desses estudantes aos seus cursos. A instituição também tem feito esforços para mantê-los, e para isso tem oferecido uma série de bolsas de caráter social. Atualmente, a Universidade investe cerca de R$ 17 milhões ao ano nesses auxílios”, informou.

De acordo com a professora Lucilene Reginaldo, uma das organizadoras do Fórum, o objetivo do evento foi promover uma reflexão mais aprofundada sobre as práticas acumuladas ao longo dos últimos anos, de modo a contribuir para formular novas propostas de inclusão social e racial, notadamente nas universidades estaduais paulistas.

 Por: Manuel Alves Filho

 

Fonte: Unicampi

+ sobre o tema

Racismo e misoginia na USP-RP: Basta!

Mais uma vez mulheres negras e pessoas negras são...

Sete Questões-Chave No Pensamento Feminista Africano, por Minna Salami

Antes de mais devo dizer que, quando se trata...

Artista paulistana Val Souza quer combater racismo no Brasil dançando

Vestindo shorts curtos e um top que deixa a...

para lembrar

“Brasil vai à idade das trevas ao excluir gays do Estatuto da Família”

Para deputada Erika Kokay, comissão tem “o único objetivo...

Quem foi Esperança Garcia, negra escravizada reconhecida como 1ª advogada do Piauí

Esperança Garcia, mulher negra e escravizada, escreveu ao governador...

Mariana Munhão: “Não é fácil acordar e saber que a sua filha virou filho”

Quando descobri que o Luan é transgênero passei a...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=