A semântica e o racismo

Os políticos da Alemanha estudam votar uma emenda para excluir o termo “raça” da Constituição do país. A iniciativa tem por base o entendimento de que a palavra incluída na carta magna depois da Segunda Guerra pode surtir efeito contrário ao pretendido em 1949.

Naquela época, a intenção era repelir o tenebroso capítulo do racismo institucionalizado pelos nazistas com base na tese da supremacia da “raça ariana”. Passadas sete décadas, o temor dos alemães hoje é que a expressão acabe surtindo efeito contrário e reforce ideologias racistas.

Além disso, há a preocupação de que o uso do termo “raça” enfraqueça a cláusula constitucional que determina a igualdade de todos perante a lei. Assim, a intenção é substituir a palavra por “motivos racistas”.

O tema é tão instigante quanto complexo. Embora as primeiras teorias sobre a existência de diferentes raças humanas datem do século 18, não há embasamento científico que as sustente.

Apesar disso, não é razoável ou possível negar que muitas vezes as pessoas agem levando em conta a etnia, ou melhor dizendo, a ancestralidade. Dessa forma, embora cientificamente inexistente, raça é um conceito bastante real sob o ponto de vista social.

Se é fato que a legislação é responsável por regular as relações, as instituições e os processos sociais, sozinha ela não é capaz de transformar a sociedade.

No Brasil, por exemplo, a Constituição prevê entre os objetivos fundamentais da República “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. No entanto, a distância entre a letra fria e a realidade é enorme.

Voltando ao caso alemão, a proposta de alteração dos termos usados na Constituição é importante, considerando que a semântica importa. Nesse sentido, é um avanço pela reflexão que provoca. Melhor ainda quando a semântica for sucedida por mudanças nas práticas que designa.

Ana Cristina Rosa
Jornalista especializada em comunicação pública.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...
spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...
-+=