Repita Comigo: Racismo Reverso Não Existe

Uma das coisas mais comentadas nos últimos anos é a acusação de que algumas pessoas negras estariam praticando racismo reverso: Quando se publicam vagas destinadas só para pessoas negras, quando em alguma produção se prioriza um grupo de profissionais predominantemente negro, quando um bloco de carnaval só permite a participação de pessoas negras ….. Mas será que é verdade que essas ações seriam racismo ao contrário?

Racismo é uma ideologia de dominação que faz com que se considere a superioridade de um grupo em relação a outro. E esse grupo, considerado superior, possui poder para oprimir as pessoas do grupo considerado inferior e também por serem consideradas superiores acessam privilégios que o outro grupo considerado inferior não acessa.

Na nossa sociedade, pessoas brancas são consideradas superiores. Por serem brancas acessam privilégios e inclusive de maneira geral podem – e geralmente o fazem- oprimir uma pessoa negra.

Abrir vagas para pessoas negras, não estabelece uma superioridade negra, (se reconhece desvantagens históricas dessas pessoas em relação as pessoas brancas e que pretende-se corrigir com essa ação) Fazer uma produção e privilegiar profissionais negras, negros e negres, não estabelece uma inferioridade branca, e quando decidem fazer coletivos de mulheres negras ou blocos afros, nenhuma pessoa negra adquiriu um poder de oprimir uma pessoa branca. Então não, não é racismo reverso, porque racismo reverso não existe mesmo, então, repete comigo toda vez que alguém falar em racismo reverso: Racismo Reverso Não Existe.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

para lembrar

A classe média branca brasileira no aeroporto de Lisboa

Sou uma mulher negra, oriunda da periferia de Belo...

Uma chacina permanente

As 28 execuções no Jacarezinho não são uma exceção....

Carta à Carolina Maria de Jesus

No ano de 2020 a obra "Quarto de Despejo",...

Eu nos quero vivos

Quando eu era criança minha mãe me definia como...

Minha produção de conhecimento histórico é contaminada pela condição de mulher negra e quilombola

Escolhi parafrasear no título do presente guest post a escritora brasileira, Conceição Evaristo, que constrói contos e poemas reveladores da condição da população negra...

“Precisamos olhar com carinho para nossas trajetórias, antes que o racismo acabe com o que resta de nós.”

Estamos rodeadas de mulheres negras incríveis. Atrizes, poetas, artistas, empreendedoras, psicólogas, sociólogas, mães, pesquisadoras, donas de casa, entre tantas e tantas coisas. Recorrentemente apoiamos...

Negra, branca ou não branca?

Desde de criança acreditei ser branca, mesmo não possuindo características, como boca e nariz finos e cabelo liso. Pelo contrário, tenho grandes lábios, nariz...
-+=