Abdias Nascimento é homenageado em encontro da Cevenb e Ipeafro, ONG fundada pelo artista

Escritor, artista plástico, teatrólogo, político, poeta e baluarte da luta antirracista no Brasil, Abdias Nascimento serviu como ponto de partida para uma ampla reflexão sobre a dívida histórica que o país tem com o povo negro num evento realizado pela Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra no Brasil (Cevenb) da OABRJ na quinta-feira, dia 12, na Seccional. O evento foi proposto pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Afro Brasileiros (Ipeafro), ONG fundada pela companheira de Abdias e guardiã de sua obra, Elisa Larkin Nascimento, que participou dos debates.

Por Clara Passi, Da OAB/RJ

Foto em preto e branco de Abdias Nascimento- homem negro, usando camiseta, boina e óculos de grau- com as mão estendidas
Abdias Nascimento (Foto: Luiz Paulo Lima)

A jornada, que atravessou a tarde até as 20h, teve exibição dos documentários O tradição dos Orixás, de Edlaine de Campos Gomes e Luís Cláudio de Oliveira, cujo livro derivado foi relançado no evento; e Abdias Nascimento memória negra, de Antônio Olavo.

Uma nova edição do livro de Abdias O quilombismo, de 1980, foi lançada na ocasião. Houve também uma performance teatral de Milsoul Santos, integrante do Ipeafro. O mestre-de-cerimônias foi o membro da ONG Julio Menezes Santos.

A militância de Abdias começa nos anos 1930. Nos anos 1940, cria grupos de teatro como arma de luta contra a discriminação racial, como o Teatro do Sentenciado, que nasceu na Penitenciária de Carandiru (SP), para onde foi mandado ao resistir a uma agressão de cunho racista.

Organizou eventos históricos, como a Convenção Nacional do Negro (1945-46), que propôs à Assembleia Nacional Constituinte de 1945 políticas afirmativas e a definição da discriminação racial como crime de lesa-Pátria. Inspirado pela cultura africana, Abdias usou a pintura como forma de afirmar sua negritude e exaltar seus antepassados. Foi perseguido pela ditadura e exilado nos Estados Unidos até 1981.

O presidente da Cevenb da Seccional e do grupo análogo no Conselho Federal, Humberto Adami, afirmou que a reafirmação do legado de Abdias é, em si, um ato de reparação da escravidão negra.

“Cabe apontar não só para uma rememoração da escravidão, mas para a luta da reparação, uma luta internacional, que ocorre nesse momento na Jamaica, na Namíbia, nos portos da Inglaterra que financiaram o tráfico do Atlântico…O trabalho da Cevenb é mergulhar no passado é trazer de volta lendas, personagens, prédios que estão soterrados na história do Brasil e falar de como vai ficar essa conta”, disse o advogado, que indicou Abdias ao Prêmio Nobel da Paz em nome do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) duas vezes.

A diretora de Igualdade Racial da Seccional, Ivone Caetano, frisou a importância de aliadas de pele não negra como Larkin e falou da forma pejorativa como o tema da reparação é visto por grande parte da opinião pública.

“Tratam como ‘mimimi’, como uma forma de trazer para o presente o ódio do passado”, avaliou. “Para que possamos respeitar e homenagear Abdias do Nascimento ‘ad eternum’ é preciso que tenhamos consciência de que somos negros, de que a maior parte da sociedade é negra, unir-nos e respeitar-nos”.

Também integrante da comissão, Larkin agradeceu a acolhida e ressaltou a importância das frentes jurídicas dedicadas à causa do combate à discriminação.

“A juventude negra é abatida sob risos dos responsáveis por essa política genocida que vige hoje. Quando Abdias falou de genocídio dos negros em 1978, a ideia foi tachada de escandalosa. Ninguém dava crédito. Hoje, vivemos essa situação explicitada. A OAB sempre esteve na frente da defesa dos direitos humanos, do devido processo legal e do estado de Direito”, disse ela, lembrando que Abdias sempre pregou pelo direito do povo negro a ações reparatórias por parte do Estado.

+ sobre o tema

Ronaldinho Gaúcho diz que viveu seus melhores anos no Barcelona

Em carta à torcida, Craque se mostrou emocionado ao...

Ilú Obá De Min convida para 6ª edição do Heranças Africanas

    Olá amigos e amigas do Ilú Obá De Min,...

Willow Smith tenta emplacar mais um hit com o single 21st Century Girl

Willow Smith tenta emplacar mais um hit. Depois do...

para lembrar

Campeã mundial de boxe da Costa Rica é fã declarada de Ronaldinho

Hanna Gabriels inspira famílias em país marcado pela violência...

Lira – Uma diva da música sul africana

Lira nasceu Lerato Molapo no município Daveyton no leste...

Beleza além dos padrões

Artista e produtor cultural Marcos Antonio da Costa leva...
spot_imgspot_img

Casa onde viveu Lélia Gonzalez recebe placa em sua homenagem

Neste sábado (30), a prefeitura do Rio de Janeiro e o Projeto Negro Muro lançam projeto relacionado à cultura da população negra. Imóveis de...

No Maranhão, o Bumba meu boi é brincadeira afro-indígena

O Bumba Meu Boi é uma das expressões culturais populares brasileiras mais conhecidas no território nacional. No Maranhão, esta manifestação cultural ganha grandes proporções...

Mostra em Inhotim revela caminhos de Abdias Nascimento no exílio

Intelectual de múltiplos talentos, Abdias Nascimento havia feito suas primeiras experiências nas artes plásticas meses antes de embarcar para os Estados Unidos, em 1968,...
-+=