Abertas inscrições para artistas negros ao edital Sesc – O Corpo Negro

Programa distribuirá R$ 850 mil a projetos de dança no estado do Rio

Artistas negros de todo o país podem se inscrever – a partir do próximo dia 30 – no 3º Edital de Cultura do Sesc RJ Pulsar – O Corpo Negro, que vai distribuir R$ 850 mil para projetos selecionados na área da dança.

As inscrições podem ser feitas até o dia 31 de julho neste endereço. Os classificados serão conhecidos no dia 26 de outubro. Além de selecionar atrações artísticas para a programação, o edital inclui os projetos estratégicos O Corpo NegroBaixada em FocoNova Música Convida e Palavra Líquida, como aconteceu na edição de 2022, cujas apresentações foram realizadas no início de 2023.

O projeto de dança O Corpo Negro é realizado anualmente no estado do Rio de Janeiro, sendo considerado um dos maiores do gênero no país, englobando artistas, coletivos, grupos artísticos, estudantes, professores e produtores culturais negros.

Os programas selecionados terão apresentações no período de 27 de abril a 2 de junho de 2024, totalizando 14 polos com acesso ampliado para diferentes públicos. No Rio, a agenda contempla o Espaço Cultural Arte Sesc (Flamengo) e as unidades do Sesc na Tijuca, Copacabana e Ramos. Na região metropolitana do Rio e no interior, o projeto percorrerá Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Niterói, São Gonçalo, Petrópolis (Sesc Nogueira e Centro Cultural Sesc Quitandinha), Teresópolis, Barra Mansa e Nova Friburgo.

Novidades

O 3º Edital de Cultura do Sesc RJ Pulsar – O Corpo Negro mostra novidades em relação ao anterior. Os investimentos serão de R$ 850 mil, contra R$ 690 mil do edital passado e o número de municípios incluídos na grade da programação é maior.

“Este ano, a gente tem novas categorias, voltadas para a criação em dança, que contemplam elaboração, montagem e apresentação de obras inéditas e também de criação e danças para a infância, que são espetáculos voltados para a criança”, informou à Agência Brasil a analista de Artes Cênicas do Sesc RJ, Camila Barbosa.

Esclareceu que as categorias de criação de dança para adultos e crianças, bem como ações educativas em dança, são voltadas para artistas residentes no estado do Rio. Já projetos de difusão em dança e urbanidades em dança são abertos para artistas de todo o território nacional. “Têm uma abrangência maior”, esclareceu.

O edital vai contemplar também projetos audiovisuais, como a criação de um curta-metragem e a dança em todos os seus âmbitos.

“O produto final pode ser um documentário, uma performance que envolva a linguagem corporal, e, principalmente, com protagonismo desses corpos negros”, disse Camila. Destacou, ainda, a produção audiovisual para a infância, que pode ser uma animação, um curta-metragem, também com protagonismo de artistas negros.

“O edital é voltado para participação cada vez maior de artistas negros e negras do país. É um edital de ação afirmativa em que a gente quer trazer para a cena o trabalho desses artistas para reiterar o nosso compromisso em articular a cultura, o debate público e os espaços qualificados para fortalecimento do protagonismo dos artistas pretos no campo das artes cênicas”, sustentou a analista do Sesc RJ.

Com essa visão, o edital foi ampliado, contemplando mais categorias, além de espetáculos e performances. “Porque, agora, a gente está atuando com audiovisual e a categoria infantil. Dessa forma, a gente também consegue ampliar a questão da empregabilidade”, salientou.

Empregabilidade

Este ano, cerca de 10 mil pessoas compareceram às programações do edital de 2022, com entrada gratuita. O projeto empregou cerca de 200 profissionais negras e negros em mão de obra direta para viabilizar as apresentações e demais atividades.

“A gente movimenta esse cenário cultural e fortalece também esses artistas negros e amplia o cenário cultural para receber os trabalhos desses protagonistas”, frisou. Em 2024, os trabalhos selecionados no 3º edital serão apresentados em escolas de teatro e de dança e em universidades, além das unidades do Sesc RJ e praças municipais.  

A proposta do projeto é realizar ainda ações educativas em dança e intermediação cultural e proporcionar também intercâmbio entre técnicas de artistas e grupos para difundir e fomentar cada vez mais o que esses artistas estão produzindo.

O edital 2022 – cujos projetos foram realizados em 2023 – envolveram 51 apresentações de espetáculos e oito oficinas formativas. Para 2024, a expectativa é mais que dobrar esse número, atingindo uma meta de 126 apresentações, oficinas e palestras.

“A ideia é que o projeto cresça bastante”, antecipou Camila. Admitiu, contudo, que isso vai depender das composições dos trabalhos que o Sesc RJ vai receber. “Estou muito empolgada para receber esses artistas”, finalizou.

+ sobre o tema

O preconceito racial será abordado na série do Luke Cage

Jeph Loeb, chefe da divisão de TV da Marvel...

Yzalú: Alma Negra

Yzalú: Alma Negra. Confira a canção abaixo: ** ESTE ARTIGO...

Ludmilla vira empresária e lança linha de perucas em parceria com empresa dos EUA

Sucesso no mundo da música, Ludmilla vai virar empresária...

Adriana Alves mostra o rostinho de Olivia, sua filha com Olivier Anquier

Adriana Alves mostrou o rostinho de sua primeira filha...

para lembrar

Afirmação da cultura negra na capital

Por: Tássia Martins Turbante e outros acessórios resgatam tradições africanas em...

Identificação com a cultura negra através da literatura

A história dos negros no Brasil é marcada, desde...

Projeto turístico Guia Negro percorre monumentos históricos da cultura afro em Salvador

Uma caminhada por 13 pontos históricos de Salvador onde...

Saracura Vai-Vai luta por memória negra no metrô e museu no Bixiga

Não dá para escavar lugares de fundamentos (religiosos), sem...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

Parece, mas não é

Carnaval é uma época do ano em que o Brasil parece ter orgulho de suas raízes africanas —apesar de a festividade ter origem europeia. Quem...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...
-+=