#Geledes30anos: Ações do Movimento Negro Unificado e Geledés contra o racismo

Enviado por / Fonteno CEDEM Unesp

Artigo produzido por Redação de Geledés

O Debate CEDEM deste dia 27 de junho, intitulado Ações do Movimento Negro Unificado e Geledés contra o racismo, celebra os 40 anos de fundação do Movimento Negro Unificado (MNU) e os 30 anos do Geledés Instituto da Mulher Negra. São décadas de ação das duas entidades pelo reconhecimento do negro em sua plenitude.

O MNU nasceu com o nome Movimento Unificado Contra a Discriminação Racial para desmascarar o racismo velado da sociedade nacional, foi também um marco na resistência contra a ditadura militar. Em 1978, em pleno regime de exceção, um ato público ocorreu na escadaria do Teatro Municipal, em São Paulo, para denunciar manifestações de racismo.

As gotas d’água foram o assassinato, por policiais, do trabalhador negro Robson Silveira da Luz, em Guaianazes, zona Sul da cidade, além da segregação de atletas negros, jogadores de vôlei do Clube de regatas Tietê, impedidos de entrar na piscina. Segundo seus fundadores, o MNU colocou a termo “NEGRO” no vocabulário corrente.

Em sua história, teve o papel de transformar a maneira de o negro enfrentar a discriminação racial e o racismo. De ações semi-clandestinas, ocorridas em terreiros de candomblé e centros culturais periféricos, o MNU passou a priorizar ações públicas. Locais como escolas de samba, universidades, sindicatos, partidos políticos tornaram-se os espaços de discussão da questão racial. Neste debate, membros do MNU e do Geledés abordarão as trajetórias de lutas, conquistas e desafios constantes para as questões de gênero e raça na sociedade brasileira.

Expositores:
Prof. Ap. Suelaine Carneiro – Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Carlos, socióloga e coordenadora do Geledés Instituto da Mulher Negra.

Neusa Maria Pereira – Jornalista, educadora social e uma das fundadoras do MNU-SP.

José Adão de Oliveira – Gastrônomo, torneiro mecânico e um dos fundadores do MNU-SP.

Mediador:
Prof. Dr. Juarez Tadeu de Paula Xavier – Mestre e doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina (Prolam – USP). É assessor da Pró-Reitoria de Extensão Universitária da Unesp, docente da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Câmpus de Bauru; pesquisador do Centro de Estudos Latino Americano sobre Cultura e Comunicação (ECA-USP); Coordena o Núcleo Negro da Unesp para a Pesquisa e Extensão (NUPE) e o Núcleo de Estudos e Observação em Economia Criativa (FAAC-UNESP).

Debate Cedem
Ações do Movimento Negro Unificado e Geledés contra o racismo
Data e horário:  dia 1 de agosto, às 18h30, no auditório do CEDEM
Local: Praça da Sé, 108 – 1º andar (metrô Sé);
Informações: (11) 3116–1701
Inscrições gratuitas: http://www.cedem.unesp.br/#!/evento1
Transmissão on-line: https://video.unesp.br/cedem
E-mail: [email protected]  
www.cedem.unesp.br  / https://www.facebook.com/CedemUnespOficial
*Certificado de participação a ser retirado durante evento

+ sobre o tema

O samba que virou cesta básica

A reportagem abaixo faz parte da série Geledés- Retratos...

“A Mangueira está ajudando a redimir Jesus”, diz pastora Lusmarina Garcia

A escola de samba carioca Estação Primeira Mangueira nem...

“O Rio está farto de GLOs, ocupações e intervenções militares”, diz ex-secretário de Segurança Nacional

Luiz Eduardo Soares, ex-Secretário Nacional de Segurança Pública na...

para lembrar

Use sua arma mais poderosa: o voto!

Há poucos dias do pleito, a cédula eleitoral é...

“O dia 25 de julho é um marco de luta para as negras”

por Kátia Mello Em sua quinta edição, é possível dizer...

Use sua arma mais poderosa: o voto!

Há poucos dias do pleito, a cédula eleitoral é arma mais eficaz e poderosa para levar à lona o neofascismo vigente. É certamente a...

Uma negra na contramão das estatísticas

A reportagem abaixo inicia a série Geledés- Retratos da Pandemia, que traz histórias de como os moradores das periferias estão enfrentando a batalha contra...

“A poesia nos une pela cor, pela dor e pelo amor”, diz o poeta Sérgio Vaz

Mineiro de Ladainha, o aclamado poeta da periferia, Sérgio Vaz, chegou à periferia de São Paulo, aos quatro anos. Através do pai, desde menino,...
-+=