20 anos da lei 10.639/03: Animação destaca importância e descaso com história das culturas afro-brasileira e africana

Enviado por / FonteProjeto SETA

Elaborado pelo Projeto Seta, iniciativa de educação antirracista de sete organizações da sociedade civil, vídeo reitera que "Sem respeito à memória, não há mudança" no Brasil.

Há 20 anos, em 09 de janeiro de 2003, o Brasil promulgou a lei federal 10.639/03, que estabelece obrigatoriedade do ensino da história e das culturas afro-brasileira e africana nos ensinos fundamental e médio. Hoje, após duas décadas, a sua efetivação ainda não é uma realidade. Para mobilizar às populações do Brasil em prol da implementação da legislação que fortalece a educação antirracista no país, o Projeto Seta – Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista, lança nesta terça-feira, 24 de janeiro, data marco do Dia Internacional da Educação, o vídeo “Sem respeito à memória, não há mudança – 20 anos da lei 10.639/03 no Brasil”. 

Para a historiadora Ana Paula Brandão, diretora programática da ActionAid no Brasil, uma das organizações gestoras do Seta, este vídeo simboliza a importância da filosofia africana Sankofa. “Não podemos pensar no futuro, sem, no presente, nos conectarmos ao passado. Ao longo dos anos, aconteceram muitos marcos importantes para a implementação de uma educação antirracista no Brasil. O caminho foi longo para que a lei 10.639/03 fosse uma realidade. E não podemos, nem permitiremos, em respeito aos nossos ancestrais, o apagamento e silenciamento das nossas lutas passadas na historiografia”.  

O vídeo foi elaborado pelo Seta em formato “draw my life”, desenhos com história narrada, e traça uma linha do tempo com destaques de fatos históricos da luta antirracista nacional e internacional. O projeto de educação antirracista, financiado pela Fundação W.K. Kellogg, é gerido pelas organizações: ActionAid, Ação Educativa, Campanha Nacional pelo Direito à Educação, CONAQ – Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas , Geledés – Instituto da Mulher Negra, Makira E’ta – Rede de Mulheres Indígenas do Estado do Amazonas e UNEafro Brasil

Educação Antirracista e lei 10.639/03 

O caminho foi longo para o surgimento da 10.639/03. Passando por uma linha do tempo com marcos históricos que se intercruzam no objetivo do enfrentamento ao racismo. Tais como a criação da Fundação Palmares, em 1988, a 1a Marcha Zumbi contra o Racismo, pela Cidadania e pela Vida, em 1995, a 3a Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, em Durban, na África do Sul, em 2001, chegando a luta do movimento negro para sancionar a histórica lei em 2003. 

Luciana Ribeiro, especialista em educação do projeto Seta, destaca que a lei 10.639/03 alterou a lei de diretrizes e bases da educação brasileira, tornando obrigatória a inclusão da História e Cultura Afro-Brasileira na grade curricular da educação básica e da formação docente. “Em 2008, a LDB ainda foi alterada pela Lei 11.645, que incluiu a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura indí​​gena. E em 2014, o Plano Nacional da Educação estabeleceu metas e prazos para que os currículos da Educação Básica e dos cursos de Pedagogia e Licenciaturas promovam o ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Infelizmente, 20 anos se passaram e a lei não foi implementada de forma efetiva”. 

+ sobre o tema

Entidade do movimento negro ganha site

O Geledés, que lida com questões ligadas ao racismo...

Enfrentar – Afroemprendedorismo

O SEBRAE e seus parceiros promovem este Programa 100% digital que tem como...

Infâncias Indígenas e Interculturalidade no Alto Rio Negro

O artigo apresenta aspectos da infância indígena de povos...

para lembrar

Em SP, só aluno do 1º ano terá aula de espanhol

O governo de SP anunciou ontem que apenas alunos...

Desmoralizaram os professores

Apenas 2% dos estudantes do ensino médio querem ser...

MEC edita dois livros sobre questões étnico-raciais

O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de...

Sobram mais de 7 mil vagas no Sisu, aponta balanço do MEC

O Mistério da Educação (MEC) divulgou nesta quarta-feira um...
spot_imgspot_img

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde, Nina Simone. Quem é minimamente versado na história dos Estados Unidos (naquilo que ela tem...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...
-+=