Asa: Aplicativo inova ao ensinar Iorubá para crianças

O Asa foi criado para ensinar Iorubá de uma maneira divertida e contribuir para a preservação e difusão da língua falada pelo segundo maior grupo étnico da Nigéria.

Por Kauê Vieira Do Afreaka

Lá se vão 16 anos desde o início do século XXI. Para alguns o novo milênio significaria o fim da humanidade, contudo a nova era se mostrou um marco definitivo no avanço e consolidação da tecnologia como ferramenta essencial para a existência humana. O período se tornou ainda mais forte com o advento das redes sociais e com a chegada dos chamados telefones inteligentes ou smartphones, que facilitaram e muito a vida de todos ao redor do planeta.

Em África não foi diferente, muito pelo contrário, o boom tecnológico foi ainda mais forte já que o continente negro saltou diretamente para o tempo da comunicação móvel. Com a crescente urbanização de metrópoles como Lagos, na Nigéria e Nairóbi, no Quênia, os aparelhos celulares são utilizados para muito além de troca de mensagens e navegação em páginas do Facebook. Por exemplo, até 2005 cerca de 81% da população do Quênia não tinha conta em bancos. Problema sério? Sem dúvidas, contudo apoiado nos 27% de habitantes com acesso à internet pelo celular, foi criado o MPesa, sistema que proporciona a realização de transações bancárias pelos aparelhos móveis. Para se ter uma ideia do impacto, o MPesa possui hoje cerca de 20 milhões de usuários.

No mesmo caminho está a Nigéria, um dos centros tecnológicos de África. É de lá que emergem iniciativas que aliam tecnologia com desenvolvimento social. Um dos muitos casos é o Asa (fala-se Asha), desenvolvido pela Genii Games para ensinar Iorubá de uma maneira divertida e contribuir para a preservação e difusão da língua falada pelo segundo maior grupo étnico do país. Criado por Adebayo Adegbembo, formado pela Universidade de Lagos, o aplicativo reúne inúmeros jogos com lendas, palavras e ilustrações de elementos formadores da cultura Iorubá.

SangoComo você sabe, as religiões de origem Iorubá são muito fortes no Brasil e por isso incorporamos símbolos destes cultos, como o orixá Sango (Xangô, em português). (Divulgação)

“A Genii Games trabalha para divertir e promover a cultura africana para crianças. Com isso ajudamos a preservar valores fundamentais como a língua e a ética entre os mais jovens. Fazemos isso de diferentes formas, inclusive com o Asa. Nós utilizamos jogos, animações, gráficos coloridos, voz e som para conquistá-los. Temos a tecnologia e seus avanços diários como principal aliada,” explica Adebayo em entrevista ao Afreaka.

A Nigéria possui cerca de 521 línguas listadas, mas em função do domínio exercido pelos colonizadores do Reino Unido, o inglês se tornou a língua oficial e com isso o número de crianças familiarizadas com o Iorubá foi diminuindo com o passar do tempo, o que acendeu o sinal amarelo para pessoas como Adebayo.

soldado-O Asha foi criado por Adebayo Adegbembo, formado pela Universidade de Lagos. (Divulgação)

Conexão com o Brasil

A África como um todo é um dos pilares na formação da cultura brasileira, entretanto foram os Iorubás vindos de países como o Benim, Nigéria e Togo que mais deixaram suas marcas por aqui, especialmente na Bahia. Um dos principais elos entre eles e os brasileiros foi sem dúvida a religião, em especial o Candomblé, o que fez com o que o Asa se tornasse um sucesso com os brasileiros.

“Deixando de lado as óbvias conexões entre Brasil e África, especialmente na cultura, o Asa caiu no gosto do povo por tornar o aprendizado da língua Iorubá divertido. Como você sabe, as religiões de origem Iorubá são muito fortes no Brasil e por isso incorporamos símbolos destes cultos, como o orixá Sango (No Brasil, Xangô). Eles são destravados sempre que o usuário termina um jogo que tenha relações com o tópico. Aliás, em um futuro próximo queremos traduzir o aplicativo para o português”, explica Adebayo Adegbembo.

Tecnologia e desenvolvimento social, é desta forma que Adebayo e outros entusiastas africanos contribuem para a preservação de culturas, costumes e o estreitamento das relações entre o Brasil e o continente negro.

“A cultura brasileira é muito rica e parecida como que temos aqui na Nigéria. Nós temos histórias em comum desde o tempo da escravidão. Durante o Festival Osun Osogbo eu conversei com um grupo de brasileiros que dividiam de nossas tradições e estavam felizes de expressá-las. Pessoalmente tenho muito material sobre as trocas que tivemos. Pra mim seria um prazer experienciar com profundidade esta conexão”.

*Lembrando que o Asa está disponível para download nas plataformas Android e Apple.

Para baixar e saber mais: http://www.geniigames.com/games/yoruba101/

+ sobre o tema

Afro-Cubanos

O termo afro-cubano se refere a cubanos de ancestralidade...

‘As mulheres são criadas para achar que o casamento é muito importante’ diz Chimamanda Adichie

Escritora aclamada pela crítica internacional, a nigeriana pertence ao...

Bolsas para graduação no Brasil

Estudantes de 24 países africanos podem tentar uma vaga...

para lembrar

África, não!

Namíbia, fica no sul da África e foi um...

Fotógrafo lança projeto com versão negra de profetas, reis e anjos

E se os personagens bíblicos profetas, reis e anjos...

A CONEM e as eleições 2014

O Brasil é um país onde o racismo, o...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Quilombo na Bahia recebe certificado de território iorubá de rei na Nigéria

A comunidade quilombola Quingoma é o primeiro lugar no Brasil a receber a certificação de território iorubá. A cerimônia ocorreu no último domingo (19) com a presença...
-+=