Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana

No O Dia

Léo Negresco (Reprodução/Instagram/@leohumilde)

Era para ser mais uma sessão do espetáculo ‘Reféns’no Teatro Miguel Falabella, zona norte do Rio, mas Léo Negresco, interpréte do personagem Pipeiro de Parafernalha , foi vítima de racismo quando entrava em cena. Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana para o ator, que mesmo chocado, pegou a fruta e comeu. “Eu ainda fiz uma piada para quebrar o clima pesado que ficou no ar. A platéia entendeu na hora o que estava acontecendo”.

Léo, que nunca antes tinha passado por uma situação parecida na vida, contou à coluna que o episódio o deixou fragilizado nos últimos três dias. “Estou muito triste. O racismo é trágico. Quem sofre não esquece”.

O ator já decidiu denunciar a espectadora.”Corremos atrás das imagens da mulher no teatro e nós, eu e a produção do espetáculo, não vamos esse deixar o racismo ficar impune.”

+ sobre o tema

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico...

para lembrar

“Só lamento que tenha sido em Manchester e não na Bahia”

Internautas denunciaram, na manhã desta terça-feira (23), o perfil...

A Discriminação de Boris Casoy: Isso é uma vergonha

Neste vídeo o apresentador da Band, Boris Casoy declara...

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima trabalha ou mora

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima...

RACISMO NA ITÁLIA: Mais um capítulo do racismo na Itália

O prefeito de Brescia, Adriano Paroli, do PDL, informou...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=