Aula de direitos humanos na escola seria alternativa à redução da maioridade

Prefeitura de SP planeja incluir ensino de direitos humanos e cidadania no ensino básico municipal; para o advogado Eduardo Bittar (na foto), solução não virá pelo direito penal

por Isaías Dalle

 

A prefeitura de São Paulo planeja incluir o ensino de direitos humanos e cidadania no ensino básico da rede municipal, para alunos entre 4 e 18 anos. O projeto existe desde a posse do atual secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili, em janeiro, e deve ser aplicado ao longo dos próximos quatro anos.

Embora anterior ao recente debate sobre a diminuição da maioridade penal, detonada pelo assassinato do estudante Victor Hugo Deppman, o projeto é visto pela prefeitura como um instrumento alternativo à mudança no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

“Sempre que há um caso trágico e funesto como esse, o fervor reaviva a discussão. O tema é recorrente, e se aprofunda nessas horas. Mas a solução não virá pela via do direito penal”, diz o coordenador da Comissão de Educação em Direitos Humanos da Secretaria, o advogado e professor da USP Eduardo Bittar, responsável pelo projeto.

Para ele, é preciso construir uma política sistemática e duradoura de direitos humanos. Um dos passos nessa direção seria combater a ideia cristalizada de que direitos humanos tratam apenas da oposição entre o direito da polícia e o direito de quem cometeu delito ou crime.

“Direitos humanos significam muito mais que isso. Essa dicotomia surge do período da ditadura, em que se lutava contra a prisão arbitrária, a tortura. Porém, com as mudanças ocorridas no país, parte da opinião pública e da imprensa não soube acompanhar essa transição no tocante ao tema”, afirma.

“Direitos humanos são o contorno mínimo para dar existência digna a uma pessoa: transporte, educação, moradia, saneamento básico, coleta de lixo, entre outras coisas”, diz, lembrando que políticas nessas áreas têm potencial para, inclusive, diminuir os índices de violência.

Para “retrabalhar o velho estereótipo”, como define Bittar, é preciso investir na educação em direitos humanos e cidadania.

Na prática, em sua primeira fase, o projeto vai dar formação a educadores que já trabalham na rede pública municipal, a começar pelos diretores regionais de ensino, os supervisores e os gestores das escolas, através de seminários e educação à distância.

Até o final do mandato, prevê-se atingir aproximadamente 4 mil professores e 549 escolas. Em toda a rede, trabalham 68 mil docentes. O alcance do projeto é pequeno diante do tamanho da rede, admite o coordenador. “Nosso orçamento ainda é muito pequeno”, explica.

A ideia é que o conteúdo pedagógico chegue à sala de aula, com a ação dos diretores, supervisores e gestores, por meio da combinação de duas estratégias: a criação da disciplina propriamente dita e a transversalidade, que significa incluir o tema em todas as disciplinas, capacitando os professores para tanto.

Bittar dá exemplos. Se durante uma aula de Educação Física uma briga entre alunos derivar para ofensas de caráter preconceituoso – racista, sexista – o professor pode abrir um debate com os estudantes para suscitar a reflexão. Outro exemplo: um mestre em Física, ao falar do átomo, tem a oportunidade de discutir politicamente o uso militar da energia atômica.

Para os gestores das escolas, o desafio é incentivá-los a abrir as escolas para a comunidade, com atividades que vão desde o plantio de árvores a debates que levem à busca de solução dos problemas locais identificados pelos moradores e pais dos alunos. “É quando se abre que a escola se protege, inclusive da criminalidade”, acredita Bittar, pós-graduado em Filosofia do Direito.

A comissão dirigida por ele não existia antes do atual mandato. E a própria secretaria, segundo ele, foi encontrada sem força política nem orçamento à altura. Uma das razões para isso é o fato de que, embora seja chamada de secretaria, não goza verdadeiramente desse status, sendo simplesmente uma comissão.

A secretaria, com status e estrutura para tanto, será criada dentro do projeto de reforma administrava do prefeito Fernando Haddad (PT).

Redução da maioridade mostra incapacidade de proteção social

Maioridade penal aos seis. Afinal, nessa idade, eles já se vestem sozinhos

Maioridade seletiva: Público-alvo dos projetos de redução da idade penal é o adolescente pobre e marginalizado

Maioridade penal só vai atingir a população pobre

Sementes do mal

Fonte: Rede Brasil Atual

+ sobre o tema

Dossiê reúne impactos e violações de direitos no caminho para a Copa do Mundo

Documento será entregue aos governos e às prefeituras das...

O protesto dos cineastas contra a ‘política do coturno’

O filme Trabalhar Cansa, dos diretores Juliana Rojas e...

Dois moradores de rua foram executados na manhã deste sábado em Taguatinga

Dois moradores de rua foram executados a tiros neste...

para lembrar

Policial é principal agressor de jovens moradores de rua, diz pesquisa

Dos 127 jovens entrevistados, 47,1% disseram já ter sido...

Rio lança Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo

A partir desta terça-feira o Disque Denúncia do...

‘Não existe perdão para racismo’, diz vereador judeu

  Parlamentar que comparou colega judeu a Hitler, e depois...

Marisa é punida por contestar lista do trabalho escravo

A grife de roupas Marisa foi suspensa do Pacto...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=