Bombril retira ‘krespinha’ do mercado: acusações de racismo fazem marcas reverem produtos

Enviado por / FonteDa BBC

A fabricante de produtos de limpeza Bombril anunciou a retirada da marca de esponja de aço ‘Krespinha’ do mercado após ser acusada de racismo nas redes sociais.

Usuários afirmaram que o nome do produto remetia aos cabelos crespos, o que levou a empresa a ficar entre os tópicos mais comentados de quarta-feira (17) no Twitter.

Eles lembraram ainda que, na década de 1950, a publicidade de uma esponja de aço com o mesmo nome trazia a imagem de uma criança negra e fazia alusão a seu cabelo.

Não se trata, no entanto, da primeira marca a ser alvo de escrutínio público e ceder a pressões das redes sociais.

Ao redor do mundo, produtos acusados de racismo vêm sendo reformulados ou retirados do mercado, na esteira dos protestos antirracistas após a morte do americano George Floyd.

Floyd, um homem negro de 46 anos, foi morto por um policial branco nos Estados Unidos que se ajoelhara sobre seu pescoço por mais de 8 minutos.

Sua morte desencadeou protestos em todo o mundo contra o racismo e a violência policial.

A decisão da Bombril acompanha, portanto, esse movimento internacional.

Xarope para panquecas Aunt Jemima faz alusão a negra que era escrava (Foto: GETTY IMAGES)

Nos Estados Unidos, a fabricante de alimentos Quaker Oats Company anunciou, também na quarta-feira, que está aposentando a marca e o logotipo do xarope para panquecas Aunt Jemima (Tia Jemima, em português), com mais de 130 anos, reconhecendo que suas origens se baseiam em um estereótipo racial.

“Enquanto trabalhamos para progredir em direção à igualdade racial por meio de várias iniciativas, também devemos examinar com atenção nosso portfólio de marcas e garantir que elas reflitam nossos valores e atendam às expectativas de nossos consumidores”, disse a empresa de propriedade da Pepsi, em comunicado.

A aparência da Aunt Jemima evoluiu com o tempo. A origem e o logotipo da marca são baseados na música Old Aunt Jemima, de um artista de show de variedades do século 19. O site da empresa diz que o logotipo foi criado em 1890 e se baseou em Nancy Green, uma “contadora de histórias, cozinheira e missionária”. No entanto, não menciona que Green era uma escrava.

Já a Mars, fabricante do arroz Uncle Ben, que retrata um homem negro em seu logotipo, disse que “agora é a hora certa de a marca do tio Bem evoluir, incluindo sua identidade visual, o que faremos”, acrescentando que “ainda não sabemos quais serão as mudanças e o tempo exato, mas estamos avaliando todas as possibilidades”.

A B & G Foods Inc., dona da Cream of Wheat, disse ao jornal americano The Wall Street Journal que revisaria o logotipo de um chef negro de mais de um século do mingau de semolina “para garantir que nós e nossas marcas não contribuíssemos inadvertidamente para o racismo sistêmico”.

Por seu lado, a Conagra Brands Inc., que vende o xarope para panquecas Butterworth em uma garrafa em forma de mulher, disse que está revendo a marca e sua embalagem.

Uncle Beans será reformulado, disse fabricante (Foto: GETTY IMAGES)

Entenda a polêmica

No caso da esponja ‘Krespinha’, da Bombril, a polêmica teve início no início da quarta-feira (17) no Twitter, quando postagens afirmaram indevidamente que o produto havia sido lançado pela empresa.

Além do nome associado ao racismo, muitos usuários destacaram estar chocados que o suposto lançamento aconteceu em meio ao momento em que o mundo debate o racismo estrutural.

Alguns deles inclusive lembraram que a publicidade de uma esponja de aço com o mesmo nome, mas de outra fabricante (na verdade, uma loja, a Sabarco, no centro de São Paulo), que trazia a imagem de uma criança negra e fazia alusão a seu cabelo.

Horas depois, em comunicado publicado em sua conta no Twitter, a Bombril disse que o produto já existia há 70 anos e, diferentemente “do que foi divulgado nas redes sociais ou na mídia em geral, não se tratava de lançamento ou reposicionamento”.

“A Bombril decidiu que vai retirar, a partir de hoje (17 de junho), a marca Krespinha do seu portfólio de produtos. Diferentemente do que foi divulgado nas redes sociais e na mídia em geral, não se tratava de lançamento ou reposicionamento do produto”, informou a nota.

“A marca estava no portfólio há 70 anos, sem nenhuma publicidade nos últimos anos, fato que não diminui nossa responsabilidade. Mesmo sem a intenção de ferir ou atingir qualquer pessoa, pedimos sinceras desculpas a toda a sociedade.”

“Cada vez mais, em todo o mundo, as pessoas corretamente cobram das empresas e das instituições o respeito e a valorização da diversidade. Não há mais espaço para manifestações de preconceitos, sejam elas explícitas ou implícitas. A Bombril compartilha desses valores”.

“Em função disso, vamos imediatamente rever toda a comunicação da companhia, além de identificar ações que possam gerar ainda mais compromisso com a diversidade”, finalizou o comunicado.

+ sobre o tema

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas...

Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta...

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)...

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz...

para lembrar

Observatório registra 459 casos de discriminação no Carnaval

  O crescimento do número de casos de...

Vítima de ofensas racistas em praia do Rio conta como discussão começou

Vídeo muito compartilhado mostra pedagoga humilhando mulher negra. Do G1 Um...

Impedida de entrar em loja, delegada negra faz denúncia de racismo

A delegada Ana Paula Barroso foi impedida de entrar...
spot_imgspot_img

Ministério Público vai investigar atos de racismo em escola do DF

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) vai investigar atos de racismo registrados durante uma partida de futsal entre alunos de duas...

Gibi, 85 anos: a história da revista de nome racista que se transformou em sinônimo de HQ no Brasil

Um dicionário de português brasileiro hoje certamente trará a definição de gibi como “nome dado às revistas em quadrinhos” — ou algo parecido com isso....

Estudante negra de escola pública ganha prêmio com pesquisa que apontou racismo em dicionários: ‘racismo enraizado na fala’

Uma aluna do Ensino Médio do Instituto Federal São Paulo, de Bragança Paulista (IFSP), conquistou medalha de ouro após apresentar uma pesquisa sobre racismo, durante a...
-+=