Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

 

O Centro terá como sede a Universidade Federal do estado brasileiro de Minas Gerais em Belo Horizonte.

Maria Cláudia Santos

O Brasil conta, oficialmente, a partir de hoje com mais um Centro de Estudos Africanos. O lançamento deste núcleo de pesquisas científicas sofre o continente acontece no momento em que se realiza no Brasil o encontro anual da Associação das Universidades de Língua Portuguesa.

O Centro de estudos, que pretende reunir trabalhos de brasileiros e africanos, terá como sede a UFMG, Universidade Federal do estado brasileiro de Minas Gerais, localizada na cidade de Belo Horizonte.

O moçambicano, presidente da AULP, Jorge Ferrão, conta que está animado com a ideia, mas confessa que nem sempre viu com bons olhos a criação de centros desse tipo.

“Eram centros de estudos africanos apenas com matérias feitas por pessoas que vão passar algumas semanas na África e voltam dizendo o que é o continente. Como funciona na França, que apenas tem reflexões de pessoas que foram em África e voltaram. Eu tinha, pessoalmente, um grande problema com relação a isso. Preconceito mesmo”, conta.

Para Jorge Ferrão, no caso do Brasil, a proposta agora é diferente porque vai incluir trabalhos dos africanos. “Aquilo que era fundamental, que também os investigadores africanos pudessem eles próprios apresentar para o Brasil algumas reflexões sobre a África e que pudéssemos debater. Isso para não termos a ideia de que porque o pesquisador é do Brasil é superior e pode fazer um trabalho melhor do que aquele que lá está”.

O reitor Orlando Manuel Fernandes da Mata da Universidade Agostinho Neto, em Angola, também acredita que os dois lados – Brasil e África – vão sair ganhando como o centro nesses moldes.

“Nós temos professores Angolanos que irão cooperar com esse centro de estudos através da troca não só experiências, mas a troca de docentes. Investigadores nossos podem participar de projetos conjuntos de investigação científica virada a essa área de estudos africanos. Sairemos (Brasil e Angola) ganhando”.

Felipe Zau, vice-reitor da Universidade Independente de Angola, acredita que, além de responder a essa necessidade de trazer o olhar verdadeiro da África, por meio de pesquisadores locais, o núcleo vai ajudar a enfrentar um velho problema que envolve Brasil e África: a falta de conhecimento mútuo.

“Muitas vezes, nem nós temos um conhecimento maior sobre o que é o Brasil de hoje e nem o Brasil tem conhecimento da África de hoje. Ficou um pouco à volta daquilo que, de forma cinematográfica, foi informado sobre a África,” afirma. “Às vezes, creio que temos mais informações sobre o ocorre no Brasil do que o que os brasileiros têm sobre o que ocorre em África”.

O evento da AULP em Belo Horizonte conta com representantes da área da educação de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

 

Fonte: Voa Portugues

+ sobre o tema

Argélia anula dívida de 12 países africanos

A medida do governo argelino beneficia o Benin,...

África ganha 11 bilionários em 1 ano. Veja os mais ricos

  Segundo ranking divulgado pela revista Forbes, 10...

para lembrar

Vencedora de Prêmio Casa a favor de políticas contra o racismo

A cubana Zuleica Romay, Prêmio Extraordinário de Estudos sobre...

Hollande leva a Merkel plano de novo pacto para tirar UE da crise

  O novo presidente francês, François Hollande, tomou...

O país onde os negros tem cabelos naturalmente loiros

Ilhas de Salomão, país localizado no Oceano Pacífico, cerca...

Pesquisadores visitam país da Oceania onde negros têm cabelos naturalmente loiros

Pesquisadores das universidades de Stanford, de Bristol, da...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=