Brasileiros não confiam em prefeituras para prevenir desastres climáticos

Todos os anos, organizações, institutos de pesquisa e governos lançam dados sobre violação de direitos e situações de agravamento da crise ambiental nos territórios, mas a criação de políticas públicas não está andando na mesma velocidade do aumento nas mortes por eventos climáticos extremos no Brasil.

Dados de uma pesquisa do Greenpeace Brasil, coletados em todo o território nacional pelo Inteligência em Pesquisa e Consultoria Estratégica (IPEC), revelam que, para 62% dos brasileiros, pessoas pobres são as mais afetadas por eventos climáticos extremos.

A pesquisa também mostra que 67% dos entrevistados não confiam nada ou confiam pouco em suas prefeituras. Nas capitais, 77% dos moradores desconfiam da capacidade de suas prefeituras para prevenir ou reduzir impactos de desastres causados pelas mudanças climáticas, como enchentes ou deslizamentos de terra.

Foto: Tomaz Silva/ Agência Brasil

No recorte racial, a pesquisa revela que 72% das pessoas negras (pretas e pardas) desconfiam das prefeituras, enquanto o mesmo acontece com 63% dos brancos- O índice mais alto de confiança nas prefeituras para proteger a população de desastres climáticos está entre pessoas de 60 anos ou mais: 26%. Já a maior desconfiança está entre brasileiros de 25 a 34 anos: 72% confiam pouco ou nada nas gestões municipais.

Os dados analisados pelo Greenpeace mostram que 63% dos brasileiros se sentem inseguros em relação a eventos climáticos extremos em suas cidades. O detalhamento por classe social mostra a diferença na percepção de segurança: 28% de pessoas das classes A e B dizem se sentir seguras em relação aos eventos climáticos, já entre pessoas das classes D e E apenas 18% afirmam o mesmo. A insegurança diante de tragédias causadas por eventos do clima também difere entre as classes: 56% das pessoas das classes A e B afirmam se sentir inseguras, enquanto 70% das pessoas das classes D e E se sentem assim.

Um a cada três entrevistados afirma que é necessário melhorar a infraestrutura para drenagem da água das chuvas, como fazer limpeza de valas, canais e esgoto. Um a cada quatro prioriza melhores políticas de moradia, como construção de habitações em áreas seguras ou fornecimento de auxílio moradia para a população. Entre os moradores de capitais brasileiras, cerca de um a cada cinco destaca a necessidade de melhorar as políticas de moradia.

O enfrentamento à emergência climática deve ser prioridade do poder público, pela vida das pessoas e pela preservação dos biomas que estão desaparecendo. A demanda é por uma vida com moradia, saúde, um ar bom para respirar, educação, emprego, saneamento básico e sem medo.

Vamos precisar falar mais sobre eleições 2024, pensar, formular e refletir como construir cidades antirracistas, seguras e preparadas. Repito meu apelo: só votem em pessoas preparadas e preocupadas com a situação das cidades frente aos eventos climáticos.


Mariana Belmont é jornalista, nascida em Parelheiros (extremo sul da cidade de São Paulo), trabalha com articulação e comunicação para políticas públicas. Atuou em cargos no governo sobre questões ambientais e de habitação na Prefeitura da cidade de São Paulo. Trabalhou como coordenadora de comunicação e articulação do Mosaico Bocaina de Áreas Protegidas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Foi Superintendente de Programas e Diretora de Clima e Cidade no Instituto de Referência Negra Peregum. Foi colunista do UOL e agora escreve mensalmente para a Gênero e Número. Também é ativista, parte de movimentos ambientalistas e periféricos. Recentemente foi editora convidada da Revista “Diálogos Socioambientais: Racismo Ambiental” da Universidade Federal do ABCD. É organizadora do livro “Racismo Ambiental e Emergências Climáticas no Brasil” (Oralituras, 2023). Atualmente é Assessora sobre Clima e Racismo Ambiental de Geledés – Instituto da Mulher Negra.

+ sobre o tema

para lembrar

O paradoxo da justiça climática no Brasil: o que é e para quem?

Há uma infinidade de ensaios, estudos de caso e...

Por que precisamos de mais mulheres negras no debate de clima no Brasil?

Recentemente, estive no novo escritório do Geledés e tive...

Racismo ambiental: o que é importante saber sobre o assunto

Em sua nova coluna, a ativista Stephanie Ribeiro fala...

Conheça a ‘Perifa Sustentável’, um dos coletivos que representam vozes negras na COP26

Apesar da importância que a discussão sobre a crise climática carrega...
spot_imgspot_img

Direitos das mulheres afrodescendentes são reforçados na COP 28 por Geledés

No primeiro dia de participação de Geledés – Instituto da Mulher Negra na conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP...

Não espero nada da COP28, espero do governo brasileiro

O ano parece que não tem fim. 2023 chegou com uma infinidade de tarefas importantes a serem cumpridas e com um mundo em ebulição. Em...

Saberes ancestrais precisam estar nas estratégias climáticas

Como sabemos, ao longo dos anos o desenvolvimento predatório do capitalismo foi removendo comunidades e desmatando as florestas e outros biomas do Brasil. Mas as florestas...
-+=