Caso Jandira: especialistas em saúde pública afirmam que aborto precisa ser debatido

Especialistas em saúde pública afirmaram que o aborto é um tema que precisa ser debatido por autoridades e pela população. Para a médica Ligia Bahia, do Laboratório de Economia da Saúde da UFRJ, casos como o de Jandira poderiam ser evitados.

— O caso de Jandira é um exemplo do que chamamos de aborto inseguro. É aquele realizado fora de uma unidade médica credenciada. No Brasil, pelo fato de o aborto ser ilegal, a intervenção realizada em clínicas clandestinas é a mais comum. As mulheres se colocam numa situação de extremo risco quando se submetem a esse tipo de operação — disse Ligia.

A médica enfatizou que o aborto inseguro vem provocando graves consequências na rede pública:

— Hospitais fazem muitos atendimentos por conta de complicações de aborto. O ideal seria a sociedade debater esse tema sem ideologia, focando apenas a grave questão de saúde pública.

O presidente da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro, Marcelo Burla, chamou a atenção para os riscos de um procedimento como esse:

— Um aborto ilegal abre possibilidades para infecções e hemorragias, e não faltam casos de imperícia que resultam na permanência do feto no útero. Não há mais como defender a falta de debate sobre o tema.

Em nota, Ana Rocha, titular da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do município do Rio, se manifestou sobre o caso de Jandira: “Não podemos ficar indiferentes à morte de mulheres, seja qual for a situação’’.

Marta Dantas, subsecretária de Políticas Públicas para Mulheres do governo estadual, informou que o Hospital-Maternidade Fernando Magalhães, em São Cristóvão, o Hospital da Mãe, em Mesquita, e o Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, têm serviços de contracepção de emergência e fazem encaminhamentos para programa de planejamento familiar da Secretaria de Saúde.

Fábio Teixeira

 

 

Fonte: Agência Patricia Galvão

+ sobre o tema

E se fosse você?

por Manuela D'Avila no Facebook Eu estava grávida quando fui...

Cresça com o Google – Paraisópolis

O Google está trazendo o treinamento "Cresça com o...

O corpo das mulheres como campo de batalha

Peça encenada no Rio debate, em intenso contato com...

Periferia Trans: a luta LGBT na perspectiva das quebradas

Como é ser homossexual ou transgênero na quebrada? Para...

para lembrar

Mulheres estão perdendo medo e vergonha de denunciar violência, diz secretária

Para Eleonora Menicucci, transformação do Ligue 180 em disque-denúncia...

Simone de Beauvoir e o professor de literatura

A responsabilidade do autor diante da literatura não se...

Filme lésbico do Quênia faz história ao ser exibido em Cannes

No Quênia a homossexualidade pode ser punida com até...

De volta à África do Sul, Miss Universo inspira jovens mulheres negras

Zozibini Tunzi foi recebida por uma centena de fãs...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=