Caverna de Ali Babá

  Frei Betto

É curioso como os preconceitos desumanizam. Ficamos estarrecidos com o ato terrorista que, na Alemanha, invadiu uma feira de Natal e ao ver as imagens, em São Paulo, de um vendedor ambulante sendo cruelmente pisoteado por dois assassinos. Mas quem se importa com a morte de dezenas de presos na penitenciária de Manaus?

Fonte: Gente de Opinião

Os mortos em Berlim eram gente como a gente. O ambulante paulista, um trabalhador honesto que ganhava a vida no comércio informal. Mas e os presos? Não vemos autoridades públicas proclamarem, sem o menor pudor, que “bandido bom é bandido morto”? A Justiça de São Paulo não considerou que o massacre do Carandiru, que deixou 111 mortos, foi apenas um “ato de legítima defesa” da PM?

Ao preconceito étnico que sonega ao preso a sua condição humana para reduzi-lo a mero “elemento” ou “verme” soma-se o de classe. Se amanhã houver uma rebelião na penitenciária de São Carlos do Pinhal (PR) e um único preso da Lava Jato morrer no confronto, então será um deus nos acuda!

O Brasil necessita urgente de uma profunda reforma do sistema prisional. Todos sabem que a omissão do poder público, contentando-se em usá-lo como mero depósito de presos, favorece o empoderamento de facções criminosas. Dentro das grades elas se organizam para comandar o crime aqui fora e assim obter recursos para pagar advogados, corromper funcionários públicos, fomentar o tráfico de drogas e comprar armas.

Em suma, nossas penitenciárias são a caverna do Ali Babá. Embora a chave da caverna esteja nas mãos da Justiça, lá de dentro ele comanda o crime aqui fora, e quem o mantém preso quase nada faz para resgatá-lo à sociedade.

Quando já nem os sinos dobram por homens entregues ao cuidado do poder público é sinal de que a nossa humanidade se esvai na cegueira, na surdez e na indiferença.

Frei Betto é escritor, autor de “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros.

+ sobre o tema

Anistia Internacional reúne assinaturas para punir crimes da ditadura

No aniversário de 50 anos do início da...

TST cria cotas para afrodescendentes também em serviços terceirizados

Luiz Orlando Carneiro O presidente do Tribunal Superior...

Povos indígenas no Brasil na visão de Eduardo Viveiros de Castro

Antropólogo revela faceta pouco conhecida de sua trajetória e...

O mal que a mídia faz no caso da punição a adolescentes

25 anos de Estatuto da Criança e do Adolescente:...

para lembrar

Em carta a Bolsonaro, Anistia Internacional diz que decreto das armas pode aumentar homicídios

Representantes da organização estão em Brasília; documento deverá ser...

“Vidas trocadas: memórias de médicas” tem o SUS como cenário

Compartilho o ponto final de mais um romance que...

Exame de paciente com suspeita de ebola no Brasil dá negativo

O primeiro teste realizado no paciente com suspeita de...

Lições fundamentais de um baluarte negro sobre racismo e imprensa negra no Brasil

Por: Isabel Clavelin   Numa tarde escaldante do verão do Rio...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=