Cidade da Alemanha encontra maneira genial para lidar com os neonazistas

Cidade alemã para onde neonazistas peregrinam todos os anos para visitar túmulo de braço-direito de Hitler encontrou uma forma genial para lidar com eles. Ideia tem inspirado outras cidades e países a lutar contra o nazismo de um jeito criativo

Foto: Mike Pearl, Vice

Do Pragmatismo Politico

Nos últimos 25 anos, as ruas de Wunsiedel, uma cidade pacata do nordeste da Alemanha, têm sido palco de marchas em homenagem ao vice-führer Rudolf Hess. Até 2011, a figura tinha um túmulo na área.

Depois, seu corpo foi exumado e cremado. Mas os fascistas alemães modernos ainda têm uma quedinha pelo Hess; então, a falta de um monumento não impediu esse pessoal de aparecer na cidade nos últimos três anos, para consternação dos moradores não nazistas.

Quando a mais recente marcha aconteceu, no final de semana passado, os cidadãos bolaram um tipo de caminhada beneficente: para cada metro percorrido pelos neonazistas, as pessoas da cidade doariam uma certa quantia para a organização sem fins lucrativos Exit Deutschland, que ajuda a reprogramar fascistas para não serem mais fascistas. As doações chegaram a 10 mil euros.

Os organizadores não informaram aos neonazistas de que isso iria acontecer, claro. Em vez disso, eles os receberam na cidade com grandes faixas coloridas contendo informações sobre cada etapa, juntamente com cartazes caseiros de incentivo onde se liam frases como “Rápido como um galgo, resistente como couro e generoso como nunca”. (O que soa bem mais legal em alemão).

A brincadeira incluía marcas no asfalto indicando quanto já tinha sido doado e uma central de lanches chamada “Mein Mampf” (algo como “Minha Larica”), que era só uma mesa com bananas empilhadas. O pessoal da cidade não poupou despesas.

Você provavelmente já viu esse tipo de contra-ativismo antes. Isso foi usado quando Fred Phelps morreu e pessoas fizeram doações para causas LGBT em nome dele. E a tendência até já ganhou um nome: “trollantropia”.

O aspecto filantrópico da caminhada neonazi de Wunsiedel foi simbólica, claro. Os moradores só doariam metade se a marcha fosse interrompida pela chuva? Duvido. Eles doariam a grana mesmo se os neonazistas tivessem recuado logo no começo? Com certeza. O importante é que os manifestantes fizessem papel de idiota.

As câmeras registraram fotos ótimas das caras confusas dos participantes da marcha enquanto os moradores da cidade pareciam estar se divertindo bastante. Se Hess ainda estivesse em um caixão, ele estaria se revirando lá dentro.

VÍDEO:

 

+ sobre o tema

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde,...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Um guia para entender o Holocausto e por que ele é lembrado em 27 de janeiro

O Holocausto foi um período da história na época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando milhões de judeus foram assassinados por serem quem eram. Os assassinatos foram...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Operação liderada por SC identifica extremistas com referências ao neonazismo em investigados por discurso de ódio na internet

A Polícia Civil de Santa Catarina concluiu na segunda segunda-feira (23) a fase de análise preliminar dos materiais apreendidos na Operação Trend, deflagrada em nove...
-+=