Com mais de 5 mil atletas, Rio 2016 é a Olimpíada mais feminina da história

Os problemas de organização continuam, há uma tensão no ar e os australianos – coitados – ainda penam para conseguir sossego na Vila Olímpica.

Por  Rafael Nardini, do HuffPost Brasil

Mas quem é que disse que não há motivos para comemorar? A começar por nossa porta-bandeira, Yane Marques, a segunda mulher a carregar nossa bandeira na abertura dos Jogos.

O mais importante até aqui é: a Rio 2016 é a Olimpíada mais feminina da história. As mulheres representam 45% dos atletas inscritos para os jogos, com 5.183 atletas. Em Londres, há quatro anos, eram 4.655 mulheres, 44,2% do total.

As duas maiores potências olímpicas do planeta – que têm revezado a liderança no quadro de medalhas – já mostram uma predominância das mulheres. Na delegação dos Estados Unidos são 300 mulheres ante 261 homens, enquanto a China tem252 mulheres e 155 homens.

Ainda que as atletas brasileiras cheguem com boas chances de repetir ou superar os resultados anteriores – como lembrar a Folha de S. Paulo -, a delegação brasileira recuou na representatividade. Saímos de 47% de mulheres em Londres-2012 para 45% neste ano.

Conforme mostram os dados do Comitê Olímpico Internacional, a conquista feminina no esporte foi gradual, saindo de 2,2% nos Jogos de Paris em 1900 para os atuais 45%. As barreiras começaram a ser quebradas na França com a inclusão das mulheres no tênis, no golfe e no croquet. Este ano, elas estreiam no rugby feminino. O Brasil, como se sabe, está classificado.

Os números são do Comitê Olímpico Internacional (COI). Mas, com o decorrer dos dias, os números podem ser alterados.

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

#GeledésnoDebate: “Não houve respaldo legal para a esterilização de Janaína”

#SomostodasJanaína# Por Kátia Mello Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, moradora em...

Mulheres agredidas por PM serão indenizadas no Rio

Ele as xingou, atacou com cabo de vassoura e...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=