Conceição Evaristo é vencedora na categoria Prosa do Prêmio Faz Diferença

Categoria Segundo Caderno/Prosa: CONCEIÇÃO EVARISTO

no Globo

Escritora mineira radicada no Rio, Conceição Evaristo marcou o ano como uma voz questionadora, tanto em livros quanto em eventos literários. Além de lançar, em 2016, o elogiado livro de contos “Histórias de leves enganos e parecenças” (Editora Malê), a autora de 70 anos chamou a atenção em uma mesa paralela da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) ao criticar a ausência de escritores negros na programação principal, que ela definiu como “Arraiá da branquitude”. O posicionamento de Conceição ressoou por toda a Flip e continuou, ao longo do ano, provocando discussões sobre representatividade no mundo editorial. O talento da autora, aliado à sua luta por mais visibilidade a vozes tradicionalmente marginalizadas, fez dela uma das principais personalidades culturais de 2016.

— Fico extremamente feliz com esse prêmio — diz Conceição. — É a prova de que muita coisa está mudando na sociedade, para mulheres e negros. Depois de muito esforço, essas novas vozes começam a ganhar o espaço que é delas por direito. A sociedade brasileira está mais propensa a escutar essas vozes.

Para o escritor e compositor Nei Lopes, premiado ano passado na mesma categoria, a escolha de Conceição “terá uma enorme importância na visibilidade e na afirmação da Literatura Afro-brasileira”. Nascida em uma família pobre, segunda de nove irmãos, ela enfrentou a miséria desde a infância, usando a fantasia e a ficção como formas de sublimar a realidade. De sua “escrevivência”, como ela chama seu processo de escrita, nasceram livros como “Ponciá vicêncio” (Editora Maza), lançado nos Estados Unidos e na França; e “Olhos d’água” (Pallas), vencedor do Prêmio Jabuti na categoria Contos em 2015.

— Minha criação literária é marcada pela minha convicção de mulher e negra na sociedade brasileira — explica ela.

+ sobre o tema

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a...

‘Estou passando por um terror’, diz Preta Gil em evento em SP

Cantora foi escolhida para ser a rainha da XV...

Vítimas de agressão física e sexual receberão tratamento diferenciado

Rio de Janeiro – Vítimas de agressão física e...

para lembrar

Após um ano, lei de apoio à vítima de estupro não é cumprida em todo o País

Áreas longe de grandes centros são piores; médico do...

Imprensa americana repercute estupro de turista em van no Rio

Segundo jornais, incidente levanta dúvidas sobre segurança na cidade. Meios...

Lélia Gonzalez é referência na luta contra a discriminação da mulher negra

Viva Maria começa hoje (21) as comemorações do Dia...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=