Cotas de cinismo

Por: Edson França

No editorial da Folha de São Paulo de 16/10/2012, intitulado “Cotas de populismo” a Folha, em sua usual crítica aos avanços promovidos pelo governo nas políticas de ações afirmativas, demonstra seu inconformismo com a proposta da Presidenta Dilma em reservar 30% das vagas no serviço público para negros (pretos e pardos para o IBGE). Essa e outras medidas poderão ser anunciadas no dia 20 de novembro próximo, Dia Nacional da Consciência Negra. Na verdade, não se importa com a injusta ausência de negros na administração pública, a Folha considera “problemático” essa onda de inclusão de negros em espaços até então branco, não querem a multifacetada cara do povo brasileiro em espaços de poder. Apesar da fracassada e sistemática tentativa da grande mídia e setores reacionários de impedir o desenvolvimento das ações afirmativas em nosso solo, bons ventos arejam o campo da igualdade racial no Brasil a partir da ascensão das forças democráticas e popular no poder.

Temos exemplos de importantes iniciativas ocorridas no corrente ano, como: o reconhecimento unânime da constitucionalidade das políticas de ações afirmativas e a legitimidade das cotas raciais proclamado pelo Supremo Tribunal Federal – STF; a aprovação da Lei 12.711/12 no Senado Federal, apesar do voto contrário do senador paulista, o tucano Aloísio Nunes, além da correção na regulamentação da lei apresentada pelo MEC; o alvissareiro Programa de Prevenção à Violência Contra a Juventude, cuja finalidade principal é combater o alto índice de homicídio sobre a juventude, em especial a juventude negra; os editais no Ministério Cultura que, além da arte e cultura negra, privilegia o artista, produtor, autor negro, essas medidas demonstram que os três poderes se envolveram com as ações afirmativas, que o ano corrente tem sido pródigo em matéria de avanços das reivindicações históricas do movimento negro brasileiro, que o governo federal sob a condução do terceiro governo popular, paulatinamente, caminha em direção da necessária reparação da dívida histórica com a população negra e ao enfrentamento dos mecanismos modernos de perpetuação das desigualdades raciais e do racismo.

Há certo cinismo na elaboração dos argumentos contrários as cotas e as ações afirmativas, visto que a classe e setores sociais resistentes reconhecem o processo histórico que legou a população negra à pobreza e marginalidade, estão conscientes da desigualdade racial, auferiram na prática que as cotas não ferem a meritocracia, não tenciona e nem divide racialmente o povo, ao contrário, contribui para integrar mais da metade da população a plena cidadania, sabem que as vagas das universidades públicas são majoritariamente preenchidas pelas classes mais abastadas, em razão da excelência universitária oferecida. Manifestam na retórica preocupação com o alto índice de desigualdade socioeconômica no Brasil, sabem que não há ambiente para democracia, desenvolvimento e prosperidade onde impera o racismo.

Fica evidente que a causa da resistência é que as cotas são um modelo de ação afirmativa que atende especialmente os sem oportunidade. Promover justiça social gera conflito, pois é impossível viabiliza-la sem colocar históricos privilégios em xeque, sem desarticular mamatas, para termos uma sociedade socialmente justa é necessário distribuir insumos materiais e políticos que busque equalizar as relações socioeconômicas na sociedade. Como resultado dessa equação, alguém deixa de ganhar exclusivamente. Há, também, a certeza que a presença de negros e pobres nas melhores universidades mudará o Brasil, incidirá em breve futuro na composição das classes dirigentes, é as universidades públicas o celeiro de formação da elite. Por isso verificamos a tenaz resistência da gananciosa elite brasileira, dos setores conservadores e de uma parcela reacionária da classe média, todos em conluio e bem representados pela grande mídia.

A resistência da igualdade racial tem fundamento classista e ideológico, será sempre uma batalha sem trégua, não é possível desenvolver socioeconomicamente mais metade da população brasileira sem desarticular privilégios, de modo que estamos diante de um campo constantemente conflitivo. A correta resposta a mais uma cota do cinismo da Folha nesses próximos dias é no voto, temos que vencer a batalha eleitoral derrotando politicamente seus aliados no segundo turno da eleição municipal, manter a mobilização nacional para eleger aqueles que têm compromisso com a plataforma do movimento negro e social. A luta social não prospera e se desenvolve adequadamente distante da luta política, pois em última instância os movimentos sociais buscam são direitos negados a muitos em beneficio de poucos.

 

 

Fonte: Lista Racial 

+ sobre o tema

Assassinatos de jovens no Brasil: uma epidemia de indiferença

O Brasil viveu recentemente o choque de ver crianças...

Como noticiar massacres

"Onde fica aquele lugar onde o que não deveria...

Americanos falam em ‘privilégio branco’ no caso Ryan Lochte

Pelo Twitter, tratamento à história do nadador é criticado. Por André...

para lembrar

Cotas sim! Porque é justo

Estava eu, me preparando para dormir, quando resolvo dar...

Permita que eu escureça, não esclareça

Permita que eu fale, não as minhas cicatrizes Permita que...

Os 34 anos do PT e os dilemas da luta anti-racista – Por: Dennis de Oliveira

O Partido dos Trabalhadores (PT) faz 34 anos....

‘Tem dias em que sinto vergonha da minha cor’

Nós brancos precisamos desconstruir o racismo institucional que nos...
spot_imgspot_img

Racista é condenado a oito meses de prisão por ataques a Vini Jr

O Real Madrid anunciou, nesta quarta-feira, que um racista foi condenado a oito meses de prisão por ataques a Vinicius Junior e Rüdiger. As agressões foram...

Da neutralidade à IA decolonial

A ciência nunca esteve isenta das influências e construções históricas e sociais do colonialismo. Enquanto a Revolução Industrial é frequentemente retratada como o catalisador...

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...
-+=