Cotas: Senado dá o primeiro passo para renovar política histórica de inclusão

Projeto de lei aprovado em comissão poderá incluir quilombolas nas cotas das universidades e instituições federais

Lei de Cotas recebeu uma proposta de atualização que foi aprovada na Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal nesta quarta-feira (30). O Projeto de Lei 5384/2020 propõe que haja cotas específicas para quilombolas na educação pública federal. 

Caso seja aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania, o projeto será submetido ao plenário do Senado. Embora a lei original já reserve metade das vagas de universidades e instituições federais para pessoas de baixa renda, pretas, pardas, indígenas e pessoas com deficiência, ainda não havia uma especificidade em relação aos quilombolas.

impacto que a atualização da lei traria na sociedade brasileira seria evidente, uma vez que o Censo 2022, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que mais de 1,3 milhão de pessoas se identificam como quilombolas no Brasil. Isso significaria a aplicação de uma política pública que possibilitaria a prática de uma educação mais antirracista igualitária

A proposta foi idealizada pelas deputadas federais Maria do Rosário (PT-RS) e Benedita da Silva (PT-RJ), assim como pelo deputado Damião Feliciano (UNIÃO-PB). 

“Com esta Lei, nós estamos tentando oferecer caminhos de esperança, para que todo mundo tenha oportunidades. Nós vamos fazer esse Brasil ser melhor pra todo mundo”, afirmou Maria do Rosário.

O senador Paulo Paim (PT-BR), que relatou a proposta, reforçou a importância da repercussão que essa lei terá na sociedade brasileira, a fim de combater a exclusão escolar e a desigualdade. 

“Esse projeto conseguiu unir inúmeros segmentos da sociedade em um texto comum, que promove a inclusão nas universidades e institutos federais, de pretos, pardos, indígenas, pessoas com deficiência, quilombolas e brancos pobres de escolas públicas. É mais uma oportunidade de reparação histórica e justiça social. O Brasil evolui com as cotas”, disse.

+ sobre o tema

Campanha denuncia desigualdade no acesso à internet com as ‘franquias de dados’

 Direito essencial, o acesso à internet no Brasil é...

MEC divulga nesta terça-feira segunda chamada do Prouni

O Ministério da Educação (MEC) divulga nesta terça-feira (27)...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

para lembrar

Ministra Anielle Franco participa de aula inaugural na UFRJ

Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial, foi a convidada...

Diálogos Entre Nós – Diversidade e Inclusão

Nós. Primeira pessoa do plural, na certeza e esperança...

Cotas pelo mundo: ação garante ‘intocáveis’ na Índia e negros em Harvard

Sancionada em agosto de 2012, a Lei de Cotas...

Luiza Trajano lembra programa do Magalu para negros: ‘A maior paulada que já tomei’

A presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, Luiza...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

Sisu 2024 aprovou mais de 239 mil candidatos, segundo MEC

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, nesta quarta-feira (7/2), que 239.872 candidatos foram aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 para ocupar vagas nas universidades públicas...

Fundamentalismo não pode impedir políticas para a população trans e travestis

Neste ano, os desafios das defensoras dos direitos da população LGBTQIA+ serão a superação da instrumentalização do pânico moral em torno das nossas pautas e estabelecer...
-+=