Desembargador Paulo Rangel ministra palestra na Defensoria Pública sobre menoridade penal

Enviado para o Portal Geledés

O auditório da Fundação Escola Superior da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Fesudeperj) reuniu cerca de 300 universitários, defensores públicos, advogados e personalidades do cenário jurídico na sexta-feira, 27, para a palestra do desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Paulo Rangel sobre “A diminuição da menoridade penal: avanço ou retrocesso social?”.

A abertura do evento contou com a presença do Defensor Geral, Nilson Bruno, que compôs a mesa com os desembargadores Paulo Rangel e Ivone Caetano, o 2º Subdefensor Geral, Fabio Brasil; a chefe de gabinete, Daniele Nogueira; a ouvidora geral, Darci Burlandi; e o coordenador do Núcleo do Sistema Penitenciário (Nuspen), Felipe Almeida.

rangel2
A partir da esquerda: a chefe de gabinete, Daniele Nogueira; a desembargadora Ivone Caetano; a ouvidora geral, Darci Burlandi; o desembargado Paulo Rangel, o Defensor Geral, Nilson Bruno; o 2º Subdefensor Geral, Fabio Brasil; e o coordenador do Nuspen, Felipe Almeida

O Defensor Geral, Nilson Bruno, destacou a honra que a Defensoria sentia ao proporcionar a realização de uma palestra de altíssimo nível. “O tema é relevante, polêmico e ganhamos a chance de refletir acompanhando o ensinamento de um mestre da área em questão. Receber o desembargador e amigo Paulo Rangel em nossa Casa é uma grande satisfação”, registra.

“Fazer essa palestra aqui na Casa do Povo é muito importante. Agradeço o apoio e a organização e registro o meu profundo respeito pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro”, disse o desembargador Paulo Rangel ao iniciar sua explanação.

Universitários, defensores públicos, advogados e personalidades do cenário jurídico formaram a plateia de cerca de 300 pessoas
Universitários, defensores públicos, advogados e personalidades do cenário jurídico formaram a plateia de cerca de 300 pessoas

Entre dados estatísticos e reflexões, o desembargador Paulo Rangel descontraiu a platéia com algumas tiradas curiosas e bem humoradas. Ele destacou o papel da família na correção das atitudes erradas das crianças e dos adolescentes, lembrando da educação corretiva aplicada pela própria mãe. Para ele, o sistema penitenciário brasileiro não é capaz de recuperar adequadamente quem ingressa nele.

Paulo Rangel considera a diminuição da menoridade penal um retrocesso social. Ele argumenta que nos 54 países que reduziram a menoridade penal não se registrou redução da violência. “A Espanha e a Alemanha voltaram atrás na decisão de criminalizar menores de 18 anos. Hoje, 70% dos países estabelecem 18 anos como idade penal mínima”, argumenta.

O desembargador defendeu em sua palestra que a construção de um país melhor deve ser feita através da educação. “Queremos uma sociedade melhor e o caminho para isso é o investimento na educação”, concluiu Paulo Rangel.

+ sobre o tema

PM mata jovem negro dentro de quadra de uma escola

Alvejado por um policial militar na quadra da Escola...

Dilma se manifesta no Twitter contra assassinato de Douglas pela PM

"Assim como Douglas, milhares de outros jovens negros da...

MC Soffia é alvo de racismo nas redes

A rapper de 13 anos, conhecida por suas músicas...

para lembrar

Mulher negra perde emprego por causa do penteado

Empregador disse que, se ela não tirasse as tranças,...

Brasil: Negros e pobres vítimas do sistema judicial

Legislação penal desfasada, é boa para para ser colocada...

SP: ONG acusa PF de racismo por deportação de haitianos em Cumbica

A ONG Visão Mundial fez ontem um protesto formal...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=