Desigualdade afeta mais mulheres, indígenas e afrodescendentes, segundo ONU

A forte desigualdade observada na América Latina e no Caribe afeta principalmente as mulheres, os indígenas e os afrodescendentes, segundo o relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), divulgado nesta quinta-feira em San José, Costa Rica.

 

“A desigualdade afeta mais as mulheres e a população indígena e a afrodescendente”, destaca o primeiro Informe Regional sobre Desenvolvimento Humano para a América Latina e o Caribe 2010, do Pnud.

 

“As mulheres recebem salário menor que o dos homens pelo mesmo trabalho, têm presença maior na economia informal e enfrentam dupla jornada de trabalho (pelo trabalho doméstico)”, explica o Pnud, acrescentando que “muitas mulheres carecem de acesso a serviços sociais em seu emprego”.

 

As desigualdades associadas à origem racial e étnica são “consideravelmente maiores na população indígena e afrodescendente” da região, exceto em Costa Rica e Haiti.

 

“Em média, o dobro da população indígena e afrodescendente vive com menos de um dólar por dia, com relação à população eurodescendente”, diz o estudo.

 

Quanto ao acesso a serviços de infraestrutura, o Pnud diz que “embora existam casos com os do Chile e da Costa Rica, onde a diferença entre os 20% da população com maior renda e os 20% da população com menor renda é baixa, persistem casos como os de Peru, Bolívia e Guatemala, que apresentam baixa cobertura destes serviços e grandes brechas entre os dois grupos”.

 

O Pnud esclareceu que a pobreza não é a causadora dos altos índices de criminalidade em alguns países da região, embora tenha incidência.

 

“A criminalidade é um fenômeno mais complexo que relacioná-lo (exclusivamente) com a pobreza. A pobreza, em si mesma, não explica a criminalidade”, disse Isidro Soloaga, coordenador do relatório regional, ao destacar que a Nicarágua tem baixa taxa de criminalidade, apesar de ter altos índices de pobreza.

Na América Central, a desigualdade tem sido reduzida desde os anos 90, enquanto na América do Sul “não foi até a metade da década seguinte que apresentou uma diminuição importante, embora (…) continuem sendo dos mais altos do mundo” em desigualdade, segundo o informe.

 

 

Fonte: Folha.com

+ sobre o tema

Taís Araújo fala de diversidade na beleza: “Hoje em dia me sinto mais representada”

Atriz se torna garota-propaganda da Quem Disse, Berenice? e...

#LeiaMulheres: 23 livros escritos por mulheres que você precisa ler

Quantos livros escritos por mulheres você leu neste ano?...

6 coisas que eu queria que alguém tivesse me dito sobre ter um bebê

Como mãe de primeira viagem, eu não fazia ideia...

Nova Zelândia aprova lei que garante licença a mulheres que tiverem aborto natural

O parlamento da Nova Zelândia aprovou na quarta-feira (24)...

para lembrar

spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=