Desigualdade aumentou em 2023, diz relatório do Banco Mundial

Missão do órgão é provar que capitalismo é único meio de economias crescerem, mas não é o que está acontecendo

Em torno de 700 milhões de pessoas sobrevivem com menos de US$ 2,15 (R$ 10,50) por dia. São os mais pobres entre os pobres do planeta.

Esse número era 40% menor em 2010. Mas o combate à pobreza sofreu um imenso revés com a pandemia de Covid-19, o que motivou um recuo de três anos no combate à baixíssima renda.

A informação está em relatório que o Banco Mundial publicou em dezembro. A instituição afirma que, em razão da pandemia, 2022 foi um ano de incertezas. Mas no ano passado as coisas andaram para trás, e 2023 foi o ano do aumento das desigualdades.

O diagnóstico é grave em se tratando de quem o enuncia. O Banco Mundial tem sede em Washington e é gêmeo do FMI (Fundo Monetário Internacional). Sua missão explícita é a de provar que o capitalismo é o único meio que dá acesso ao crescimento econômico e à redução das desigualdades. Não é o que está acontecendo.

Por uma desagradável coincidência, no ano passado o Banco Mundial redesenhou o projeto que vem aplicando desde que foi criado, no pós-guerra. Seu presidente, o economista americano de origem indiana Ajaypal Singh Banga, definiu como novo objetivo a criação de um mundo sem pobreza dentro de um ambiente ecologicamente saudável.

Essa meta está visivelmente situada num futuro remoto. O relatório do banco afirma que o combate à pobreza empacou mesmo nas faixas de renda menos precárias, que vão de US$ 3,65 a US$ 6,85 (ou R$ 17,80 a R$ 33,30) por dia, esta última mais próxima da classe média baixa.

A contrapartida a esse quadro está na constatação de que os países com baixa renda média, ao contrário dos que são bem mais pobres, reagiram às políticas adotadas no pós-Covid, ou seja, continuam a reduzir a pobreza. Exemplos disso são o México, a África do Sul e o Brasil, países que o relatório não cita nominalmente, mas que estão nessa categoria segundo a classificação da instituição.

O desdobramento imediato da questão da renda é a dívida externa, problema que levou, com a pandemia, os países mais pobres a serem fritados impiedosamente. Traduzindo em números: em razão dos juros altos decorrentes da crise da Covid, a dívida externa dessas nações cresceu US$ 453,5 bilhões (R$ 2,2 trilhões). Não é um dinheiro que elas pagaram; é o que elas passaram a dever a mais.

O custo da dívida para esses Estados mais pobres aumentou 4,8% entre 2021 e 2022. Essas economias ficaram com menos dinheiro para investir em saúde, educação ou programas ambientais, diz o banco.

O terceiro tópico em que o relatório se detém é o dos prospectos para a economia global. Resumindo, foram 12 meses de desastres, com crescimento insuficiente da economia e alta inflação, o que levou à adoção de taxas de juros crescentes. Esse quadro não teria cores tão carregadas caso a Rússia não tivesse tido a desastrada ideia de invadir a Ucrânia.

O tópico seguinte é a derrubada das previsões de crescimento econômico em decorrência da Covid e do conflito na Ucrânia. O conflito, aliás, é um dos poucos momentos em que o relatório dá nome aos personagens geográficos; de resto, ele não identifica os agentes que cita.

O relatório termina com a questão do clima e com a ascensão das mulheres em postos de trabalho ou de comando.

Ambos os balanços são bastante negativos. A quantidade de gases de efeito estufa lançados na atmosfera ultrapassou a pior das previsões, e o aquecimento do planeta é a prova mais candente disso. Quanto a ele, só uma previsão dramática e importante: até 2050, segundo o banco, 216 milhões de pessoas serão obrigadas a migrar para outros cantos de seus países diante da impossibilidade de conviverem com o clima do local em que nasceram.

Com relação às mulheres no mercado de trabalho, o Banco Mundial adota posição semelhante a outras entidades (ONGs, partidos, universidades) que defendem a postura identitária nos Estados Unidos. Por meio da constatação, e é um exemplo, de que, em todo o mundo, 2,4 bilhões de mulheres têm menos direitos que os homens para o exercício de funções para as quais elas são igualmente qualificadas. Essa igualdade de condições pode ser bem trivial, como a alfabetização

O relatório cita um estudo em 190 países em que a mão de obra feminina é menos valorizada e nas quais elas ocupam menos instâncias de comando.

Outro estudo interessante do banco consiste em construir um índice de desigualdade por gênero no mercado de trabalho. Entre 2022 e 2023, as mulheres, que tinham apenas 77 pontos (contra 100 para os homens), cresceram em só meio ponto na escala. Ou seja, estão com 77,5 contra os mesmos 100 pontos para os homens. Elas têm menos empregos e recebem por eles salários menores.


2023 IN NINE CHARTS: A GROWING INEQUALITY (2023 EM NOVE GRÁFICOS, UMA DESIGUALDADE CRESCENTE)


Leia também:

Os cinco homens mais ricos do mundo dobraram suas fortunas desde 2020, enquanto cinco bilhões de pessoas ficaram mais pobres

Cidades do país têm fome escancarada nas ruas e oculta nas periferias

População de rua no Brasil cresceu quase 10 vezes na última década, aponta Ipea

+ sobre o tema

Hoje na História: Declaração dos Direitos Humanos faz 70 anos

Confira a íntegra dos 30 artigos da declaração, documento...

Raoni: “Nós estamos com muito medo. Logo, vocês também estarão”

O The Guardian publicou um artigo do cacique Kayapó Raoni...

para lembrar

A marca da desigualdade, por César Felício

Uma análise aleatória das eleições nos mais variados países...

Procuradora defende esforço para diminuir desigualdade nas empresas

Elisiane dos Santos, do Ministério Público do Trabalho, diz...

Negacionismo matou e falta de medidas no Brasil foi letal, diz investigação 

A maior avaliação já feita sobre a resposta global...

Práticas educacionais: crescimento versus redução da desigualdade social

Introdução: Este trabalho, que tem como tema, desigualdade social e...
spot_imgspot_img

Desigualdade ambiental em São Paulo: direito ao verde não é para todos

O novo Mapa da Desigualdade de São Paulo faz um levantamento da cobertura vegetal na maior metrópole do Brasil e revela os contrastes entre...

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Quase metade das crianças até 5 anos vivia na pobreza em 2022, diz IBGE

Quase metade das crianças de zero a cinco anos vivia em situação de pobreza no Brasil em 2022, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (9) pelo IBGE (Instituto Brasileiro...
-+=