Guest Post »

Diahann Carroll, atriz e cantora, morre aos 84 anos

Atriz foi indicada ao Oscar em 1975 e aclamada pela crítica como a primeira mulher negra a estrelar um papel de não serva em uma série de TV.

Por Associated Press

Diahann Carroll- mulher negra idosa, de cabelo cor de mel, usando roupa preta e óculos de grau- sorrindo em frente a um microfone.
A atriz e cantora Diahann Carroll em foto de junho de 2007 (Foto: Mark J. Terrill/AP/Arquivo)

Diahann Carroll, a atriz e cantora indicada ao Oscar em, morreu nesta sexta-feira (4). Ela tinha 84 anos. A filha de Carroll, Susan Kay, disse à Associated Press que sua mãe morreu de câncer, em Los Angeles.

Durante sua longa carreira, Carroll ganhou um Tony Award pelo musical “No Strings” e uma indicação ao Oscar de melhor atriz por “Claudine”, em 1975.

Mas ela talvez fosse mais conhecida por seu trabalho pioneiro em “Julia”. Carroll interpretou Julia Baker, uma enfermeira cujo marido havia sido morto no Vietnã, na comédia inovadora que foi ao ar entre 1968 e 1971.

“Diahann Carroll andou nesta terra por 84 anos e abriu caminho a cada passo. Um ícone. Um dos maiores de todos os tempos”, escreveu o diretor Ava DuVernay no Twitter. “Ela abriu trilhas por florestas densas e deixou diamantes elegantemente ao longo do caminho para o resto de nós seguir. Vida extraordinária. Obrigada, Sra. Carroll.”

Embora ela não tenha sido a primeira mulher negra a estrelar seu próprio programa de TV (Ethel Waters interpretou uma empregada doméstica na série dos anos 50 “Beulah”), ela foi a primeira a estrelar como alguém que não fosse um empregado.

Os executivos da NBC estavam preocupados em colocar “Julia” na rede durante a agitação racial da década de 1960, mas foi um sucesso imediato.

No entanto, ela teve seus críticos, incluindo alguns que disseram que a personagem de Carroll, que é mãe de um filho pequeno, não era um retrato realista de uma americana negra na década de 1960.

“Eles disseram que era uma fantasia”, lembrou Carroll em 1998. “Tudo isso era falso. Havia muito sobre a personagem de Julia que tirei da minha vida, minha família”.

Sem timidez quando se tratava de enfrentar barreiras raciais, Carroll ganhou seu Tony, retratando uma modelo americana de alta moda em Paris, que tem um caso de amor com um autor americano branco no musical de Richard Rodgers, de 1959, “No Strings”.

Ela apareceu muitas vezes em peças anteriormente consideradas território exclusivo para atrizes brancas: “Same Time, Next Year”, ‘Agnes of God “e” Sunset Boulevard”.

Related posts