Documento final da CSW leva parecer de organizações negras do Brasil

Artigo produzido por Redação de Geledés

Geledés, Criola e Casa Sueli Carneiro participam diretamente da elaboração de parágrafo que discorre sobre a tomada de decisões referentes às mulheres afrodescendentes

Em parceria estabelecida entre Geledés – Instituto da Mulher Negra e as organizações-não-governamentais Casa Sueli Carneiro e Criola, foi-se possível alcançar um importante resultado no documento final da 68ª. Sessão da Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW), que começou no dia 11 de março e terminou nesta sexta-feira, 22, em Nova York.

A temática do encontro deste ano da CSW era “Acelerar a concretização da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas, combatendo a pobreza e fortalecendo as instituições e o financiamento com uma perspectiva de gênero”. Neste ambiente, as três organizações conseguiram emplacar no documento final um parágrafo fundamental para a população de mulheres e meninas afrodescendentes em todo o mundo.

“A Comissão reconhece também o contributo significativo das mulheres e meninas afrodescendentes para o desenvolvimento das sociedades e a importância de garantir a participação e a tomada de decisões plenas, equitativas e significativas das mulheres afrodescendentes em todos os aspectos da sociedade, nomeadamente abordando pobreza e reforçar as instituições e o financiamento com uma perspectiva de gênero”, diz o texto exatamente como as organizações o propuseram. Este documento é de extrema importância porque é orientador dentro das Nações Unidas ao que os Estados, inclusive o brasileiro, devem perseguir como meta.

Foto: Gabriel Dantas

De longe parece ser simples emplacar um parágrafo em um documento final de uma comissão das Nações Unidas. Mas não é bem assim. Esta foi uma conquista histórica só reconhecida 23 anos após Durban. E para tal, além da parceria entre as organizações, foi preciso que as entidades tivessem acesso às sessões das Nações Unidas e também expertise no assunto, além de conhecer o ambiente de negociações e como se movimentam os diferentes atores.

Portanto, para se alcançar tal êxito foi necessário um treinamento das participantes negras com informações técnicas, consistentes e baseadas em evidências. Sob a batuta do consultor internacional de Geledés, Iradj Eghrari, cada interlocução foi desenhada com o objetivo de se alcançar bons resultados.

O treino foi oferecido pela Ford Foundation em parceria com Geledés a organizações de mulheres negras, mas nem todas conseguiram aportar em Nova York. A partir do treinamento, as organizações começaram a agir nos diferentes ambientes, abrindo espaço para possíveis intervenções.

Depois de uma semana de trabalho, finalmente hoje sai o documento da Comissão sobre a Situação da Mulher, com evidente beneficiamento a todas as mulheres negras do planeta.

+ sobre o tema

“Trabalhar a literatura de Carolina Maria de Jesus foi imprescindível para descolonizar olhares”

Silene Barbosa mergulhou na história da escritora negra Carolina...

“Ser líder negra é ser infinita, como toda grande força”, diz Neon Cunha

Geledés no Debate inicia 2019 entrevistando Neon Cunha, ativista,...

O Encontro das Águas

  Quem já teve a oportunidade de assistir, seja presencialmente...

para lembrar

Uma escola de afrodescendentes

por Kátia Mello Há 28 anos, um grupo de mulheres negras da periferia de Salvador, no bairro do Uruguai, região dos Alagados, se reuniu para...

“A raiz do machismo não se encontra isolada no mundo das artes; é um problema político e social que precisa seguir mudando.”

A escultora e artista gráfica francesa Camille Claudel (1864-1943), companheira do artista francês August Rodin, a romancista e poetisa americana Zelda Sayre (1900-1948), esposa...

Geledés participa de audiência sobre Educação das meninas e mulheres negras na Câmara dos Deputados

Geledés – Instituto da Mulher Negra participou, nesta quinta-feira 21, de audiência da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, em Brasília, da qual...
-+=