Elizeth Cardoso, a voz divina da bossa nova

Enviado por / FonteEl País, por Joana Oliveira

Cantora, mãe solo e divorciada na década de 1930, pioneira da luta pelo reconhecimento das mulheres na indústria da música. Divina. Essa é uma das sínteses possíveis sobre a vida e carreira de Elizeth Cardoso (Rio de Janeiro, 1920-1990), artista que, com seu timbre suave e potente, erudito e popular, tornou-se uma das vozes mais marcantes da música popular brasileira. Seu talento foi descoberto na sua festa de aniversário de 16 anos, quando Jacob do Bandolim, amigo de seu pai (também músico) ouviu-a cantar no quintal da humilde residência no bairro da Lapa. A carreira de Elizeth Cardoso só passou a ter o devido êxito, no entanto, a partir dos anos quarenta, consolidando-se em 1958, quando ela participou de um dos marcos da música popular brasileira: a criação da bossa nova.

Foi no seu disco Canção do amor demais, lançado naquele ano, que escutou-se pela primeira vez a batida bossa-novística do violão de João Gilberto, incluindo a canção-ícone Chega de saudade, além de outras composições de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. Foi também em 1958 que o jornalista Haroldo Costa apelidou-a de divina, alcunha que usou em uma crônica publicada no jornal A Última Hora após assistir a um show de Elizeth Cardoso. Igualmente extasiados pela sua voz e sua presença de palco, outros artistas, críticos culturais e fãs passaram a chamá-la assim. Ela própria, no entanto, recebia o título com humildade. “Quando me chamam de divina na rua, eu nem olho, faço de conta que não é comigo, porque na verdade me dá um pouco de encabulamento”, dizia em uma entrevista em comemoração aos seus 45 anos de carreira.

Só quando conheceu a cantora americana Sarah Vaughan —ambas construíram uma amizade sem sequer falar o idioma uma da outra—, Elizeth Cardoso convenceu-se a se empossar do título. “Ela pediu para a intérprete me dizer: ‘Um adjetivo que nos colocam, seja ele qual for, pode ser até um palavrão, a gente tem que aceitar. Nos EUA, eu sou a divina americana. Eu serei até morrer. Então ela que segure esse divina com todas as forças e fique com ele até o dia derradeiro’. Então está bom, se é assim, eu seguro. A americana lá e a brasileira aqui”, ria em uma entrevista.

+ sobre o tema

Show de 86 anos da Vai-Vai reúne Seu Jorge, Racionais e Fundo de Quintal

A Vai-Vai, atual campeã do Carnaval de São Paulo,...

Usain Bolt vence prova de 150 m nas ruas de Manchester

Fonte: O Estado de São Paulo Jamaicano, o homem mais...

Um reino chamado Muquém

O espetáculo de dança afro "Um reino chamado Muquém"...

para lembrar

Libéria acusa empresa aérea dos EUA de humilhar vice-presidente

  A presidente da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf, acusou...

O polêmico debate sobre reparações pela escravidão no Brasil

"Declara livre todos os escravos vindos de fora do...

Ilha onde Nelson Mandela ficou preso é atração turística na Cidade do Cabo

Nelson Mandela, principal líder da luta anti-apartheid na África...

Gloria Maria explica corpão com “levantamento de filhas”

 A idade Gloria Maria não revela nem sob tortura....
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...
-+=