À espera de um lar

O Instituto Data Popular fez uma pesquisa em 2014 indicando que, apesar de 92% dos brasileiros acreditarem que há racismo no país, somente 1,3% se considera racista. Ou seja, quase todos admitem um crime sem criminoso.

Por Maurício Pestana Enviado para o Portal Geledés

No Brasil, há mais de seis mil crianças esperando para serem adotadas por uma família, segundo o Cadastro Nacional de Adoção. Desse total, a maioria é considerada preta ou parda. Por outro lado, dos quase 35 mil pretendentes a adoção cadastrados no mesmo sistema, menos de 50% aceitam adotar crianças negras.

Os dados evidenciam o racismo inerente em nossa sociedade e colocam em xeque o mito da democracia racial. Mesmo sendo maioria na fila de espera, as crianças negras continuam sendo rejeitadas por parte das famílias, que preferem esperar mais tempo até surgir o “perfil ideal” de filho. Em outras palavras, recém-nascido, branco e sem irmãos.

A adoção sempre foi considerada uma questão delicada e tabu para muitas famílias. Adotar uma criança significa passar por cima de diversos preconceitos enraizados e alimentados pela nossa própria sociedade. E quando esta criança é negra os obstáculos são ainda maiores. Por esta razão, valorizar a autoestima é fator primordial para garantir que uma adoção inter-racial seja bem-sucedida. A criança precisa reconhecer-se como negra e sentir-se bem assim, aceitando sua identidade e a diferença do outro.

Toda criança adotada passa por um processo de adaptação e traumas, logo, os conceitos transmitidos a ela e o aprendizado dos próprios pais como responsáveis por sua formação serão fundamentais. Para as famílias, trata-se de um grande desafio, mas que facilmente poderá ser superado uma vez que o obstáculo maior elas já conseguiram: dar a uma criança negra a mesma oportunidade de ser amada e ter uma família como qualquer outra.

+ sobre o tema

A xenofobia italiana na era Berlusconi

por: Adriano De Bortoli   Gostaria de celebrar a...

Rolezinhos são atacados, mas evento se espalha

  Reação violenta da Polícia Militar gerou solidariedade...

PCC não derrubou homicídios sozinho em SP, dizem pesquisadores

Explicar a queda dos homicídios no Estado de São...

Secretária de Justiça de SP discorda de política de cotas raciais no Estado

  A Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania...

para lembrar

África livre de armas nucleares

Fonte: Revista Fórum -     A África, com 53 países e...

Maioria dos franceses considera que racismo aumentou

  A maioria dos franceses considera que os muçulmanos são...

Delegado é denunciado por abuso de autoridade contra estudante

O titular da delegacia do município de Caracol...

O simbolismo da mira na cabeça

Desde o assassinato de Mãe Bernadete Pacífico –coordenadora nacional da articulação...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=