Espetáculo pensa a história gaúcha a partir das mulheres negras

Estreia no dia 22 de maio o espetáculo Negressencia: Mulheres cujos filhos são peixes, no Teatro Treze de Maio em Santa Maria (RS). O projeto, concebido pela produtora Marta Nunes, com direção de Manoel Luthiery, foi desenvolvido com financiamento da Bolsa Funarte de Fomento para Artistas e Produtores Negros.

Do Idanca

Com esse financiamento, tornou-se possível um processo artístico de imersão com os nove bailarinos negros que integram o elenco – Jaine Barcellos, Karen Tolentino, Letícia Ignácio, Amanda Silveira, Lenora Consales Shimit, Vinicio do Carmo, Venir Xavier, Gabrielle Barcelos. Neste processo, buscaram se voltar a pensar a história das mulheres que fizeram parte de sua ancestralidade e, a partir daí, também pensar em outras mulheres negras do estado do Rio Grande do Sul.

A pesquisa que dá origem ao espetáculo, pautou-se não só pela elaboração coreográfica, mas principalmente pela composição de uma equipe diversa, composta por artistas, produtores e pesquisadores, para historiografar e traduzir as informações coletadas na forma de um espetáculo de dança, na linguagem da arte contemporânea, sobre a mulher negra gaúcha. Foram entrevistadas e pesquisadas yalorixás, praticantes de religião de matriz africana, líderes comunitárias, chefes de famílias, entre outras anônimas que carregam consigo saberes e peculiaridades da ancestralidade negra.

Karen Tolentino, bacharel em Educação Física, uma das mulheres que já foi entrevistada para o projeto, conta: “O projeto me trouxe uma nova perspectiva sobre a dança negra e auxiliou na minha identidade negra, bem como na minha autoestima. Considero esse projeto importante devido a sua proposta de ter como inspiração para a execução do seu trabalho, vivências de mulheres negras gaúchas. Um grupo de bailarinos dançando na Universidade Federal de Santa Maria que até pouco tempo atrás era um espaço de pouco acesso para a negritude, é um avanço para a nossa cidade”, analisa Karen.

Negressencia: Mulheres cujos filhos são peixes
22 de maio de 2016, 20h
Teatro Treze de Maio
Praça Saldanha Marinho, Santa Maria, RS.

Entrada gratuita

Classificação: 14 anos

+ sobre o tema

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Dandara: ficção ou realidade?

Vira e mexe, reacende a polêmica sobre a existência...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...

A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

Circuito Musical Palmares evidencia história da cultura afrodescendente no Brasil

Augusto do Nascimento Uma mistura de linguagens artísticas para narrar...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=